Nawaz Sharif se foi. Mas o alto nível de corrupção sobrevive
O político Nawaz Sharif - Reprodução

Nawaz Sharif se foi. Mas o alto nível de corrupção sobrevive

A suprema corte do Paquistão destitui o primeiro-ministro do país ao julga-lo culpado por crimes de corrupção.

Tariq Ali 31 jul 2017, 12:25

Desde a fundação do Paquistão em 1947, nenhum primeiro-ministro completou seu mandato na íntegra. Coisas como assassinatos ou golpes militares acontecem. Agora, foi o dinheiro em vez da força que derrubou Nawaz Sharif. A suprema corte do Paquistão surpreendeu ao votar por unanimidade assegurando que ele não seria a exceção.

A corte declarou-o culpado de pequenos crimes e delitos menores ligados a contas offshore no Panamá e dinheiro não-declarado no Golfo, desencadeando sua demissão imediata. O poder da família Sharif, que dominou a política de direita no país por muitas décadas, finalmente chegou ao fim? E, em caso afirmativo, quem irá preencher este vácuo?

Em um país obcecado por críquete onde o líder da oposição mais importante é Imran Khan, as metáforas foram rápidas e furiosas – paquistaneses sempre são bons na auto-escarnecimento: “Isso é apenas o ’20-20 opener’. Nós estamos esperando o Test Match (eleição geral)”… “A suprema corte é o terceiro árbitro. A decisão é final”… “Os Sharifs estão arranjando jogos para sempre”. O humor é do tipo cínico: Sharif já saqueou o país o bastante; outros partidos merecem uma chance.

O partido de Sharif, o Pakistan Muslim League-Nawaz, reage acusando a corte de uma vendetta – o que normalmente significa que seus bilhões não poderiam comprar um só juiz. Isso é verdadeiramente excepcional. A vida no Paquistão não tem sido moralmente saudável para qualquer um de seus cidadãos. A política familiar representada por Bhutto-Zardaris e seus rivais, os Sharifs, está envolvida em corrupção. Cada um aprendeu do outro a melhor forma de escondê-lo, minimizando a papelada e fazendo malabarismos com a contabilidade. Muitos anos atrás, quando Benazir Bhutto foi primeira-ministra, ela me perguntou o que as pessoas estavam dizendo sobre ela. “Eles estão dizendo que seu marido é totalmente corrupto, mas não estão certos sobre o quanto você sabe…”

Ela já sabia a resposta e não ficou nem um pouco envergonhada: “Você é muito pudico. Os tempos estão mudando. Este é o mundo em que vivemos. Todos eles estão fazendo isso. Políticos de todo os países ocidentais…” Seu marido, que viria a ser presidente, Asif Ali Zardari, foi preso por Sharif, mas nenhuma prova real de corrupção foi descoberta: a lealdade de Zardari em relação a seus companheiros era legendária e eles permaneceram leais em retribuição. Sharif, ao que parece, tem sido menos afortunado.

Muitos sugerem que a mão ‘não-tão-invisível’ do exército respaldou o veredito unânime da corte suprema. A força realmente superou o dinheiro? Tal noção ganhou um impulso quando o atual ministro do Interior, Chaudhry Nisar, calmamente informou à imprensa que o país enfrentava quatro sérias ameaças, conhecidas apenas por quatro jogadores-chave – incluindo ele mesmo, evidentemente. Os outros membros desse quarteto não foram informados e, portanto, permaneceram anônimos.

E quanto às ameaças? Os EUA (como sempre) estão supostamente irritados com a proximidade do Paquistão com a China. A servilidade de Sharif para com a monarquia saudita está aborrecendo o Irã. Depois, há a contínua obsessão de Sharif em cortejar a Índia, apesar do governo revanchista de Modi em Nova Délhi. Soma-se a isso a pressão pesada dos EUA para acabar com todo o tipo de apoio para as forças anti-OTAN no Afeganistão, além das ameaças para interromper as investidas dos drones no próprio Paquistão e não apenas nas badlands tribais na fronteira das zonas de guerra. Logo, corre a interpretação semi-oficial. Sharif era um obstáculo e teve que ser removido.

Não há dúvida de que a corrupção política adquiriu proporções colossais no Paquistão – mas é o que ocorre também em outros estados do sul da Ásia, mesmo na China. As tentativas de ditadores militares para caçar essa baleia falharam porque eles se recusam a conhecer a escala da corrupção nas camadas superiores das forças armadas. O outro problema que confronta o país é a violência endêmica (à parte da variedade jihadista) contra minorias, mulheres e os pobres. O tecido social do Paquistão está irreparavelmente danificado.

Sharif foi derrubado dentro de um tecnicismo, mas ele está fora. Sharif foi abatido por uma cláusula constitucional inserida por seu único patrão, o falecido ditador geral Zia-ul-Haq, estipulando que cada deputado deve ser “honesto e sincero”. Se isso fosse aplicado, a Assembléia Nacional provavelmente ficaria vazia.

Artigo originalmente publicado pelo jornal britânico The Guardian. Tradução de Charles Rosa)


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.