Quando a extrema-direita brasileira fugiu…

Quando a extrema-direita brasileira fugiu…

Em 7 de outubro de 1934 a esquerda expulsava os integralistas da Praça da Sé naquilo que ficaria conhecido como a Revoada dos Galinhas Verdes.

Charles Rosa 7 out 2017, 13:51

7 de outubro de 1934. Esta data, pouco rememorada nos livros de História tradicionais, constitui um dos feitos mais importantes já produzidos pela unidade de ação entre as esquerdas. E ocorreu no Brasil. Mais precisamente na Praça da Sé, em São Paulo. No auge de Hitler e Mussolini na Europa, a extrema-direita ficou desmoralizada. A ‘Revoada dos Galinhas Verdes’ é o nome com que ficou conhecida a fracassada marcha dos extrema-direita na capital paulistana por conta da resistência antifascista de sindicalistas, anarquistas, trotskistas, stalinistas, tenentistas e nacionalistas. Ao menos seis pessoas morreram – dentre elas o jovem comunista Decio Pinto de Oliveira – e dezenas de outras ficaram feridas. Mas nunca mais, os integralistas puderam sair às ruas com tamanha ousadia.

No segundo aniversário de fundação da Ação Integralista Brasileira (AIB) – movimento brasileiro que mais se aproximou da ideologia de Hitler e Mussolini -, seu líder máximo Plínio Salgado, inspirado na Marcha de Roma dos fascistas em 1922, convocara seus adeptos a fazer um desfile multitudinário em São Paulo, com vistas a mostrar para o regime getulista que constituíam uma força política respeitável. O objetivo não só foi frustrado por causa do comparecimento aquém do esperado (estimativas apontam no máximo 4 mil integralistas presentes na marcha), como os verde-oliva ainda passaram vexame fugindo do confronto com a Frente Única Antifascista (FUA).

A contramanifestação – forjada por cima dos sectarismos e em resposta a uma série de violências cometidas contra militantes de esquerda nos meses anteriores – foi bem retratada pelo ‘Jornal do Povo’, dirigido pelo Barão de Itararé, em 10 de outubro de 1934: ‘Um Integralista não corre, voa…”

 


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.