Quando a extrema-direita brasileira fugiu…

Quando a extrema-direita brasileira fugiu…

Em 7 de outubro de 1934 a esquerda expulsava os integralistas da Praça da Sé naquilo que ficaria conhecido como a Revoada dos Galinhas Verdes.

Charles Rosa 7 out 2017, 13:51

7 de outubro de 1934. Esta data, pouco rememorada nos livros de História tradicionais, constitui um dos feitos mais importantes já produzidos pela unidade de ação entre as esquerdas. E ocorreu no Brasil. Mais precisamente na Praça da Sé, em São Paulo. No auge de Hitler e Mussolini na Europa, a extrema-direita ficou desmoralizada. A ‘Revoada dos Galinhas Verdes’ é o nome com que ficou conhecida a fracassada marcha dos extrema-direita na capital paulistana por conta da resistência antifascista de sindicalistas, anarquistas, trotskistas, stalinistas, tenentistas e nacionalistas. Ao menos seis pessoas morreram – dentre elas o jovem comunista Decio Pinto de Oliveira – e dezenas de outras ficaram feridas. Mas nunca mais, os integralistas puderam sair às ruas com tamanha ousadia.

No segundo aniversário de fundação da Ação Integralista Brasileira (AIB) – movimento brasileiro que mais se aproximou da ideologia de Hitler e Mussolini -, seu líder máximo Plínio Salgado, inspirado na Marcha de Roma dos fascistas em 1922, convocara seus adeptos a fazer um desfile multitudinário em São Paulo, com vistas a mostrar para o regime getulista que constituíam uma força política respeitável. O objetivo não só foi frustrado por causa do comparecimento aquém do esperado (estimativas apontam no máximo 4 mil integralistas presentes na marcha), como os verde-oliva ainda passaram vexame fugindo do confronto com a Frente Única Antifascista (FUA).

A contramanifestação – forjada por cima dos sectarismos e em resposta a uma série de violências cometidas contra militantes de esquerda nos meses anteriores – foi bem retratada pelo ‘Jornal do Povo’, dirigido pelo Barão de Itararé, em 10 de outubro de 1934: ‘Um Integralista não corre, voa…”

 


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.