37 anos sem Cartola
Cartola durante o programa Ensaio, em 1974.

37 anos sem Cartola

Há 37 anos, morria no Rio de Janeiro o sambista Agenor de Oliveira, um dos maiores compositores populares da música brasileira no século XX.

Charles Rosa 30 nov 2017, 20:47

Há 37 anos, morria no Rio de Janeiro o sambista Agenor de Oliveira, um dos maiores compositores populares da música brasileira no século XX. Nascido em 1908, o genial Cartola teve uma vida cheia de percalços e dissabores, que seriam incorporados em seus característicos sambas a um só tempo concisos, lacônicos e existencialistas. Identificado eternamente com o verde e rosa da Estação Primeira de Mangueira, o sambista negro seria redescoberto tardiamente pelo mercado fonográfico, deixando apenas 5 discos gravados. Suas canções sobrevivem até hoje como exemplos insuperáveis da riqueza subjetiva do povo brasileiro.

Ouça abaixo a música “O sol nascerá”, tocada pelo próprio compositor no programa Ensaio da TV Cultura em 1974. A canção, composta de forma improvisada em parceria com Elton Medeiros em 1961, teve sua primeira gravação na voz de Nara Leão em 1964 no seu álbum de afirmação artística “Opinião”.

 


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.