Rio de Janeiro: um estado saqueado
Jorge Picciani chega ao RJ para prestar depoimento. Crédito: Pablo Jacob/Agência O Globo

Rio de Janeiro: um estado saqueado

A Operação Cadeia Velha demonstra mais uma vez que o Rio de Janeiro é um Estado saqueado pela quadrilha do PMDB em conluio com grandes empresários.

Luciana Genro 15 nov 2017, 14:31

Neste 15 de novembro o Rio de Janeiro é a expressão mais acabada do tipo de República que somos. A res publica — ou seja, a coisa pública — no Brasil está privatizada pela corrupção e pelos grandes grupos econômicos que comandam o país.

A Operação Cadeia Velha demonstra mais uma vez que o Rio de Janeiro é um Estado saqueado pela quadrilha do PMDB em conluio com grandes empresários. Isso explica a situação dramática vivida pelos servidores públicos e pelo povo que recebe serviços absolutamente precários.

Um braço da quadrilha do PMDB carioca, aquele liderado por Cabral e Cunha, já foi desmantelado pela Lava Jato. Eles estão devidamente presos. Agora falta uma outra ala, comandada pela família Picciani, que começa a ser atingida em cheio pelas investigações com a revelação de que os empresários dos transportes pagaram até R$ 500 milhões em propinas a estes políticos.

Jorge Picciani comanda a Assembleia Legislativa do Rio pela sexta vez. Seu filho, Leonardo Picciani, é ministro do Esporte de Temer e liderou uma ala do PMDB interessada em permanecer com o PT. Essa quadrilha não tem escrúpulos.

Agora o único filho adulto de Picciani sem foro privilegiado está preso. É acusado de manter uma empresa de fachada para lavar dinheiro ao esquema. O Tribunal de Contas, com cinco de seus sete membros presos, também está metido no escândalo.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.