Que Porto Alegre o prefeito Marchezan está ajudando a construir?
Reprodução Zero Hora

Que Porto Alegre o prefeito Marchezan está ajudando a construir?

Ao invés de se apoiar nos servidores para enfrentar a crise da cidade, Nelson Marchezan passou o ano atacando os trabalhadores, provocando greves e tentando cortar direitos.

Roberto Robaina 4 jan 2018, 08:05

O prefeito Nelson Marchezan está ajudando a criar uma Porto Alegre com mais atritos. Como se não bastasse, tem trazido, no seu primeiro ano de governo, mais preocupação e pobreza para o povo.

Se fosse para provocar conflitos enfrentando os privilégios, os partidos vigaristas e contribuindo para distribuir renda, então estaria desempenhando um papel necessário. Mas não é o caso. Como deputado federal, votou a favor do projeto Temer de congelamento dos investimentos em saúde, educação e segurança pública pelos próximos 20 anos. Seu líder político nacional sempre foi o senador Aécio Neves, defensor do neoliberalismo, agora desmascarado como um dos maiores corruptos do país. Neste ano, como prefeito, Marchezan reduziu os investimentos nos bairros pobres da cidade, terminou de liquidar o DEP e está sucateando a Fasc e o Dmae. Estamos entrando no verão e muitos locais – bem mais do que o normal – vão enfrentar a falta d’água. É a forma de Marchezan preparar a privatização do Dmae. E de fazer sua marca registrada: desqualificar o serviço público.

Ao invés de se apoiar nos servidores para enfrentar a crise da cidade, passou o ano atacando os trabalhadores, provocando greves e tentando cortar direitos. Não quis negociar. Não quis escutar. Tratou de impor. Conseguiu ter o apoio da ampla maioria dos vereadores no primeiro semestre. Perdeu esta maioria no segundo. O autoritarismo não agregou. Marchezan foi além: estimulou grupos locais, como o MBL, financiados pela extrema-direita norte-americana, os amigos de Trump.

Como parte de sua movimentação política para recompor seu governo em crise, o prefeito foi buscar respaldo naqueles a quem ele passou sua carreira prestando apoio: os grandes empresários, os grupos econômicos poderosos da cidade. Com eles, lançou um esforço de convencer os vereadores a aumentar os impostos no apagar das luzes natalinas.

De nossa parte, defendemos que se aumente a receita taxando os muito ricos, não os trabalhadores, os pobres e a classe média. Com essa estratégia, vamos negociar, buscar aliados e unir forças populares. Este é o tipo de governo pelo qual lutamos: um governo que corte todo e qualquer privilégio, que faça sacrifícios, ao invés de obrigar os servidores a se sacrificar sem sequer dar o exemplo. Somente dando o exemplo e enfrentando os donos do poder e do dinheiro se pode defender os interesses do povo e o serviço público.

Artigo publicado originalmente no Zero Hora.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.