Justiça e luta por Marielle Franco
Reprodução / Mídia Ninja

Justiça e luta por Marielle Franco

Exigimos a investigação com o máximo de rigor e transparência. O crime deve ser apurado e os envolvidos responsabilizados. O país todo quer saber: quem matou Marielle?

Secretariado Nacional do MES 15 mar 2018, 11:06

O sentimento de pesar e revolta se espalha pelo país. Na noite de 14 de março de 2018, na região central do Rio de Janeiro, a vereadora do PSOL, Marielle Franco, foi brutalmente assassinada. Todas as linhas de investigação, admitidas inclusive pela imprensa, levam a crer que foi um “crime de mando”, ou seja uma execução política, fato que agrava ainda mais a tragédia. O motorista que acompanhava Marielle, Anderson Pedro Gomes, também foi assassinado. Marielle acabava de sair de uma atividade chamada “Mulheres negras movendo estruturas”.

Marielle, como negra e mulher, foi uma das vereadoras mais votadas do Rio de Janeiro no pleito de 2016. Ativista dos direitos humanos e da população das favelas, sua crescente trajetória política correspondia ao ascenso da luta das mulheres e da negritude.

Seu assassinato foi um crime contra as mulheres negras, contra o povo pobre, contra os que contestam o abuso das forças de repressão no estado do Rio de Janeiro.

O PSOL no Rio de Janeiro, com Marcelo Freixo, com quem Marielle trabalhou diretamente durante muitos anos, sempre esteve à frente da denúncia das mílicias, organizações paramilitares que dominam territórios, acossando o povo mais pobre da cidade.

Recentemente, sua voz se levantou contra as arbitrariedades da intervenção federal no Rio de Janeiro. Poucos dias atrás, Marielle fez a seguinte denúncia, sobre a truculência da PM:

“Precisamos gritar para que todos saibam o está acontecendo em Acari nesse momento. O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”.

Nos manifestamos em solidariedade a sua família, aos amigos e aos militantes do PSOL. O assassinato de Marielle é uma crise nacional. O governo precisa responder ao ocorrido. O fato ganhou alcance internacional, com a entrada da Anistia Internacional e manifestações no Parlamento Europeu.

Exigimos a investigação com o máximo de rigor e transparência. O crime deve ser apurado e os envolvidos responsabilizados. O país todo quer saber: quem matou Marielle?

No dia de hoje, 15 de março, em solidariedade e justiça por Marielle Franco, estão sendo convocados atos e vígilias em todo o país.

Nossa maior homenagem é exigir justiça para Marielle. E seguir sua luta.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.