Com o povo sírio, contra os bombardeios e todas as intervenções imperialistas
Alvo é atingido em Damasco após ação militar estadunidense - DigitalGlobe, via USA TODAY Network

Com o povo sírio, contra os bombardeios e todas as intervenções imperialistas

Partido francês se solidariza aos ataques dos EUA com apoio da França e Reino Unido na Síria.

NPA 17 abr 2018, 20:19

Uma vez mais, o governos dos Estados Unidos, Grã Bretanha e França se arrogam o direito a bombardear o Oriente Médio. Depois de Trump, estes dois países anunciaram na noite de 13 e 14 de abril o lançamento de dezenas de mísseis sobre alvos militares do governo sírio, após os testemunhos que relatavam um novo ataque químico do regime de Assad contra a população da cidade de Duma, próxima a Damasco.

Estes governos afirmam não querer ir mais longe desta advertência, enquanto o governo russo disse que não deixará de responder, ao mesmo tempo em que todos pretendem atuar em favor da paz e contra o terrorismo. Mas o que vemos é um triste jogo entre as potências mundiais e regionais na Síria, entre Estados Unidos, França, Rússia, Arábia Saudita, Irã e Turquia: um jogo cínico que é feito sem e contra a população, cuja trágica sorte somente comove quando se trata de realizar grandes manobras diplomáticas e geoestratégicas.

Desde março de 2011 e o levante democrático contra o tirano Bashar al-Assad, a população síria sofre uma repressão feroz e sangrenta do ditador e de seus aliados, na primeira fileira na que se encontram a Rússia de Putin e o Irã dos aiatolás. As dificuldades encontradas pelo levante, a militarização imposta pelo regime e as ingerências interessadas das monarquias do Golfo favoreceram, além disso, o desenvolvimento de forças integristas e jihadistas, enquanto as forças democráticas estavam muito sozinhas frente a Assad e as correntes contrarrevolucionárias.

Chamamos a rechaçar a sórdida campanha que tem por objetivo duvidar do enésimo ataque químico criminoso do regime contra civis, homens, mulheres, meninos e meninas em Duma, testemunhada por tantas informações provenientes de cidadãos e serviços médicos sobre o terreno. Mas condenamos sem nenhuma ambiguidade a nova aventura militar dirigida por Trump na Síria, e a participação francesa nesta campanha de bombardeios que quer dar a ilusão de que o povo sírio vai estar agora melhor protegido. Isso não senão incrementar guerra à guerra, caos ao caos: vítimas civis, rememoração de um passado colonial odioso, reforço à postura de Assad como muralha frente ao imperialismo ocidental.

O fim da tragédia síria passa, ao contrário, por uma desescalada militar, que implica o final de toda intervenção estrangeira, incluindo a russa e a iraniana, o fim da venda de armas às ditaduras da região uma de cujos principais financiadores é a França (e o Estado espanhol) e a transparência no descarte, para qualquer cenário de futuro, de Assad e dos dirigentes do regime sírio.

Continuaremos apoiando as resistências síria e curda contra seus opressores

Montreuil, 14/04/2018


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.