Kalil e Pimentel protagonizam repressão atroz
Reprodução Facebook

Kalil e Pimentel protagonizam repressão atroz

A maneira como foi utilizada a força policial fez lembrar os ferozes anos da ditadura sob o governo de Francelino Pereira.

Sara Azevedo 23 abr 2018, 21:53

Há cerca de 39 anos, professoras primárias e secundárias de Belo Horizonte e do estado foram expulsas da praça da liberdade com bombas e jatos d’água. Vivíamos os duros anos da ditadura, sob o comando de Francelino Pereira.

Hoje, o prefeito Alexandre Kalil (PHS) junto ao governador do estado, Fernando Pimentel (PT), protagonizaram igual repressão às professoras da educação infantil, prendendo lideranças sindicais. A mesma Polícia Militar, sob o comando do governador Pimentel que aterroriza a população nos ônibus, confronta os movimentos sociais, prende lideranças, atuou hoje novamente para silenciar a luta das professoras.

Inadmissível atuação truculenta contra a luta daqueles que estão nas ruas por dignidade.

Pimentel, um governo petista, coordena essas ações truculentas, pisoteando em liberdades democráticas mínimas e atacando aqueles que lutam.

É urgente uma resposta. Uma rigorosa investigação e a exoneração daqueles que comandaram essa desastrosa ação.

 


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.