Movimento grevista arranca proposta do governo
Reprodução Facebook.

Movimento grevista arranca proposta do governo

A Prefeitura de Belo Horizonte cedeu ao movimento e apresentou uma proposta de reajuste aos trabalhadores da educação infantil do município.

Sara Azevedo 3 maio 2018, 20:20

Na tarde de hoje (02), representantes do Sind-REDE se reuniram com o prefeito Kalil (PHS). Depois de aproximadamente duas horas de negociação, a Prefeitura de Belo Horizonte apresentou uma proposta de reajuste à educação infantil. Amanhã, em assembleia na Praça da Estação, a partir das 14h30min, as (os) profissionais, que lutam pela carreira única, avaliarão as negociações e decidirão os rumos do movimento grevista.

No âmbito da educação estadual, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) divulgou hoje uma nota de esclarecimento sobre a votação da PEC 49/18, que acrescenta o Piso Salarial Profissional Nacional e seus reajustes na Constituição do Estado. O sindicato denuncia que não houve quórum, pela segunda vez, para votação na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, embora tenha sido registrada a presença de deputados nos arredores, que, todavia, não entraram para participar da reunião. Houve provocação, nos corredores, pelos parlamentares contra pessoas da categoria presentes para acompanhar a votação.

Por sua vez, os professores da rede privada manifestaram pela manhã na porta do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep/MG). No início da noite, em assembleia da categoria, os profissionais votaram pela manutenção da greve até, pelo menos, a próxima sexta-feira (4), quando voltarão a se reunir para decidir a continuidade ou não do movimento, com alguns avanços ocorrendo nas negociações.

#LuteComoUmaProfessora


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.