Reacionária sai, agora um “príncipe”
Reprodução

Reacionária sai, agora um “príncipe”

No lugar de Janaína Paschoal, Bolsonaro sonda herdeiro da família real para o posto de vice.

Roberto Robaina 5 ago 2018, 09:50

A reacionária Janaína Paschoal, uma das cabeças do impeachment da Dilma, acaba de dizer não ao Bolsonaro. Mesmo acreditando que ele não é machista, nem autoritário e apoiando as suas ideias risíveis, recusou ser vice na chapa do reacionário fascista.

Como tudo que é ruim pode piorar, agora quem deve ser escolhido pra vice na chapa do horror é um descendente da família real, Luiz Philippe de Orleans e Bragança. O legítimo príncipe sem coroa. Muito condizente, já que ainda vivemos coisas dignas do período colonial, com o governo escravo das elites que ainda mandam no país.

Essa escolha é só mais um exemplo de que Bolsonaro não representa nada de novo. É só mais um subalterno que reproduz as ideologias da oligarquia que se considera proprietária do Brasil. E aceita tais ideologias até quando são ligadas ao período monárquico.

[Artigo originalmente publicado no Facebook do autor]


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.