Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Resgatar a soberania popular na Venezuela

A posse de Nicolás Maduro revela uma profunda crise institucional da Venezuela e uma degeneração cabal da Revolução Bolivariana.

Reprodução
Reprodução

A posse de Nicolás Maduro revela uma profunda crise institucional da Venezuela e uma degeneração cabal da Revolução Bolivariana. Após eleições altamente questionáveis, com proscrição de inúmeras candidaturas de oposição (incluindo os chavistas críticos), Maduro prepara-se para mais seis anos de governo.

O povo de Bolívar, que protagonizou um dos principais processos revolucionários dos últimos tempos na América Latina, encontra-se na miséria, em meio a uma disputa entre os poderes de Estado pelo controle do país e seus abundantes recursos naturais. De um lado, a Assembleia Nacional, onde a oposição de direita clama por uma intervenção militar do imperialismo e prepara um golpe para tirar Maduro do poder, em articulação com o Grupo de Lima e o governo de Trump. De outro, o governo autoritário de Maduro que viola a maior conquista da Revolução que é a Constituição Bolivariana. É o governo de uma casta burocrático-militar que, para manter seus privilégios, governa contra as necessidades do povo venezuelano.

Em nome do legado de Chávez e da Revolução, o governo tem implantado um modelo econômico de arrocho contra o povo, buscando consolidar uma nova elite em consonância com o imperialismo chinês e de maneira repressiva impede qualquer alternativa popular ao seu domínio. A esquerda mundial não pode legitimar um governo desta natureza.
Nós, do Movimento Esquerda Socialista/PSOL, sempre estivemos na linha de frente da defesa do processo bolivariano, de forma crítica e independente. Quando em 2003, a direção do PT e do Foro de São Paulo se recusaram a trazer Chávez ao Fórum Social Mundial, por razões de “governabilidade” e porque Lula recém eleito iria ao Fórum de Davos buscar conciliação com o imperialismo, por meio do mandato da então Deputada Federal Luciana Genro, fomos os responsáveis pela vinda de Chávez. Nunca nos furtamos em defender a luta anti-imperialista e o empoderamento popular engendrados pelo processo constituinte na Venezuela. Também, como uma organização revolucionária, nunca nos furtamos em apontar os limites da Revolução Bolivariana e os equívocos cometidos pelo próprio Chávez. Uma crítica feita desde dentro do processo, como parte dele.

Entretanto, o processo de degeneração da direção do PSUV, a militarização crescente do poder de Estado, a corrupção da burocracia, o autoritarismo do governo Maduro, o arrocho de seu próprio povo e seu desrespeito à Constituição Bolivariana encerraram o caráter progressivo daquele governo, sua natureza mudou.

Agora, os mesmos que em 2003 queriam mais distância de Chávez do que de Davos apóiam Maduro para tentar ressuscitar o FSP que agoniza em meio à crise de seus partidos e governos (como o clã Ortega na Nicarágua). Ou seja, no momento em que a Revolução Bolivariana necessitava solidariedade ativa para continentalizar-se e avançar, se negaram a impulsionar a ALBA, O Banco del Sur, a PetroAmericas e outras iniciativas progressivas de independência do imperialismo ianque. Ofereceram a Odebrecht e seus esquemas de financiamento de campanha, com vistas a moderar o processo em curso e enriquecer os capitalistas brasileiros. Em treze anos governo nunca colocaram o Brasil na rota da Revolução Bolivariana, pelo contrário, a frearam e contribuíram decisivamente para sua degeneração.

Nossa posição, desde o Brasil, deve ser a de resgatar a soberania popular usurpada por ambos os lados da disputa e acolher os imigrantes venezuelanos acossados pela miséria e pela repressão madurista. Somos anti-imperialistas e internacionalistas, por isso imediatamente nos colocamos contra qualquer tentativa de intervenção imperialista na Venezuela. Mas também somos pela autodeterminação dos povos. É o combativo povo venezuelano, por meio de sua mobilização e seus instrumentos, quem pode construir uma saída independente para a crise, frente ao intervencionismo golpista e o entreguismo do governo Maduro.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista