O papel e a função da linguagem não binária ou neutral no contexto das redes online

Sobre as evidências da linguagem neutra em contextos cibernéticos e sociais.

Marcela Mokwa 28 fev 2019, 15:49

A comunidade LGBT+ propõe uma grande revolução na sociedade: que todas as suas partes sejam devidamente respeitadas em sua expressão de individualidade e incluídas no corpo social, sem qualquer distinção de gênero. Para alcançar este objetivos, membros trans não-binários da comunidade pensaram e elaboraram uma linguagem inclusiva, conhecida como Linguagem Não-Binária ou Neutra ou, simplesmente, LN-B, proposta como uma solução do viés linguístico para a questão de gênero no Brasil, em que os pronomes masculinos e femininos sejam substituídos pelos neutros. Embasado nos estudos sociais e de gênero de Butler (2003) e Salih (2015), e dos estudos linguísticos da gramática portuguesa de Câmara Jr. (1976, 2007), Rocha Lima (2000) e Bagno (2011), o presente artigo analisa as evidências da LN-B em seus contextos cibernéticos e sociais. Para isto, foram elaborados dois questionários, aplicados entre o público que conhece e o que desconhece a LN-B, comprovando, a partir dos resultados, que essa nova linguagem é capaz de incorporar as necessidades comunicativas, sem prejudicar o entendimento ou as estruturas presentes na língua portuguesa, cumprindo a proposta inicial que pretende a inclusão dos gêneros sexuais e sociais sem distinção, nem favorecimento na língua.

Os integrantes da Comunidade LGBT+ manifestam suas vivências através da orientação sexual e da identidade de gênero, entre muitos outros aspectos. Desta forma, o indivíduo se define perante a sociedade como homem, mulher, transgênero/transexual ou travesti. Contudo, a população trans não-binária não se sente representada na língua portuguesa por essas limitadas condições, e por isso promove uma linguagem neutra, que retira as marcas de gêneros, que classificam o indivíduo apenas entre homem e mulher, defendendo que não existem apenas esses gêneros, mas múltiplos outros que compõem a identidade do sujeito.

Para promover, então, a inclusão dos diversos gêneros sexuais e sociais, essa comunidade desenvolveu a Linguagem Não-Binária ou Neutra (LN-B), que enfrenta os paradigmas sociais de gênero e o comportamento atrelado a ele. Todavia, a LN-B não serve apenas para os membros da Comunidade LGBT+ e seus simpatizantes, mas para todos os integrantes da sociedade. Este trabalho, portanto, pretende analisar como essa linguagem ocorre, se ela é prejudicial ao desenvolvimento da língua portuguesa e seu entendimento, se incorpora as necessidades da língua, em quais espaços cibernéticos circula, e a aceitação coletiva pelos membros das redes online em que é utilizada e divulgada, considerando a população brasileira como público-alvo em questão.

A partir dessa hipótese, analisou-se o uso da LN-B, partindo do Guia para a Linguagem Oral Não-Binária ou Neutra (2015), e os usuários da linguagem na internet. Para explorar seus recursos, evocaram-se teóricos da linguística e das ciências sociais, que delimitaram o funcionamento da língua e os papéis que ela tem quanto à manifestação comunicativa social. Também tiveram em vista as manifestações no campo da internet, que retém o maior número dessas ocorrências linguísticas. Foram exploradas evidências do seu uso na rede social “Facebook”, na qual o grupo e página chamada RExistência não-binária disponibilizou informações sobre o uso vivo da LN-B, representadas em suas postagens, nos populares “memes” ou então na divulgação de notícias sobre o mundo queer.

A fim de averiguar a função e o papel desempenhado por essa linguagem, como sugere a hipótese, dois questionários foram aplicados, apontando os públicos que conhecem e desconhecem a LN-B, resultando na obtenção de impressões positivas em relação ao seu uso e na concretização da capacidade que a linguagem tem de continuar representando a sociedade brasileira como um todo através dessas formas neutras.

Tendo em vista tanto os aspectos sociais, históricos e políticos, referentes à questão de gênero no Brasil, quanto os linguísticos, se faz necessária uma análise da linguagem não-binária (LN-B) ou neutra, não só como uma verificação puramente gramatical, mas sim como uma nova alternativa para uma língua binária e classificadora, visando a exclusão da marcação de gênero para palavras relacionadas a pessoas.

Para isto, é preciso, primeiramente, abordar o viés social pelo qual se dá a decisão dos grupos não-binários LGBT+ em adaptar a língua portuguesa. A filósofa Judith Butler (2003) é considerada como pioneira nos estudos de gênero voltados para uma visão positiva e feminista da causa LGBT+. Esta, por sua vez, passa a lutar ativamente por seus direitos a partir da década de 70, na qual travestis e Drag Queens posicionam-se frente à violência policial e social, tanto nos Estados Unidos (onde começou a rebelião), quanto no Brasil, em plena ditatura militar. Hoje, no país, cerca de 1 pessoa LGBT+ é assassinada a cada 19 horas, de acordo com os dados do Catraca Livre (2017); no ano de 2018, de acordo com dados de maio do mesmo ano, o Correio Braziliense registrou 153 mortes.

Superar o preconceito já é um desafio e tanto para essa população; ainda assim, os estudos não param e evoluem cada dia mais: tanto Butler (2007) e sua Teoria Queer, quanto Salih (20015), sua contemporânea nos estudos de gênero, discutem a formação da identidade LGBT+ refletindo aspectos como sendo “discursivamente construídos ao longo do tempo e das culturas […]” (SALIH, 2015). Essa teoria une em sua definição categorias de gênero, performatividade, o sujeito, o sexo, a linguagem e a psique, que unidas formam a chamada “expressão de gênero”, esta por meio da qual os corpos sociais homossexuais e transgêneros se manifestam e lutam, diariamente, pelo direito a essa incorporação de nível social-individual (SALIH, 2015).

Primeiramente, é necessário entender: o que é a identidade de gênero? Ela se diferencia da sexualidade por dois fatores primários: a sexualidade diz respeito ao gosto do indivíduo no quesito atração física, romântica e sexual; e ela não define a identidade dos indivíduos no sentido de sua expressão física, apesar dos estereótipos, como o gay afeminado ou a lésbica “caminhoneira”. A identidade propriamente dita é a maneira com a qual o indivíduo apresenta-se à sociedade excluindo o fator “relacionamento” e incluindo o fato “gênero”.

No entanto, a definição do gênero abrangida pela comunidade queer brasileira se faz a partir dos próprios indivíduos, que estabelecem o que se pode definir como gênero:

gênero, ou identidade de gênero, é a experiência subjetiva e pessoal de uma pessoa em relação às categorias de gênero sociais. Toda sociedade possui categorias e expectativas de gênero que podem estar associadas a certas características físicas sexuais; estas categorias podem servir de base para a identidade de gênero pessoal em relação à sociedade. (ORIENTANDO, 20–)

Essas categorias de base referem-se à ideia binária, ou seja, a separação em atributos físicos e psicológicos femininos/masculinos. Ainda de acordo com o site Orientando (20–):

em essência, gênero não depende dos genitais ou da aparência da pessoa, atuais ou desejados, assim como também não é algo necessário ou imutável: por exemplo, existem pessoas agênero ou gênero-fluido. A origem da identidade de gênero pessoal não é clara, já que é possível que haja tantos fatores sociais quanto biológicos, porém, independentemente da origem, gênero não é uma escolha pessoal, já que é um processo pessoal completamente inconsciente. (grifos meus)

A definição mais coerente do que é uma pessoa não-binária nem sempre pode ser tão facilmente delimitada: por ser uma concepção relativamente nova e discutível, essa identidade acaba sendo múltipla em si mesma, podendo ser alterada, modificada e ter novas identidades acrescentadas em sua definição a qualquer momento – pois “não-binário” também pode ser encarado como um “termo guarda-chuva” para diversas identidades que se agregam pelo significado em comum. Também pode ser descrito como “todos aqueles que não são nem 100% gênero feminino e nem 100% gênero masculino” (Wiki Identidades, 20–), mas também engloba aqueles que se sentem quase exclusivos a um gênero, ou ainda, aqueles que se consideram totalmente desprovidos de gênero.

Tendo determinado a procedência social do que é considerado, de fato, a não-binariedade, tem-se o fator linguístico, diretamente afetado por quaisquer mudanças que ocorram no núcleo de seus falantes; observamos isso no acréscimo e alteração de novas palavras o tempo todo. O processo aqui mencionado é, no entanto, é bastante ambicioso: mudar a maneira com a qual usamos o gênero contido nas palavras da língua portuguesa.

É preciso diferenciar, primeiramente, quando há um gênero para ser trocado: a Linguagem Não-Binária ou Neutra (LN-B) propõe a substituição de substantivos, adjetivos, numerais, pronomes e artigos pela versão neutra, orientada pela raiz latina do português, isto é, sem a presença das letras –a, –e, e –o, que designam os gêneros feminino e masculino. Sendo assim, apenas palavras que possuam desinência de gênero, ou seja, as palavras que possam ser trocadas do feminino para o masculino. Por exemplo, as palavras mesa, livro e cadeira não podem ser escritas como *meso, *livra e *cadeiro (ROCHA LIMA, 2000); além de agramatical, os vocábulos não possuem gêneros no sentido físico e humano, assim não são cambiáveis e portanto não aplicáveis, já que a LN-B é voltada, exclusivamente, para denominar o ser humano. Já pronomes como ele/a, nosso/a, etc, substantivos como menino/a, professor/a, etc, ou ainda, adjetivos como linda/o, querido/a, etc e outros contém a desinência, esteja ela suprimida, como em professor, ou completa, com os morfemas a/e/o.

Por ser muito repetitiva em sua concordância, a neutralidade na língua também é uma alternativa para evitar a redundância em relação ao gênero, pontuando que não há um específico a ser demarcado (BAGNO, 2011). Isso ocorre de forma semelhante à língua inglesa, que possui estruturas como pronomes (I, you, we e outros), substantivos (friend, teacher, worker e outros) que não possuem gênero demarcado, dependendo da especificação pelo interlocutor, seja através do nome, do tipo físico ou, literalmente, das palavras girl/woman/women ou boy/man/men.

Para investigar, então, e exemplificar o uso dessas estruturas não-binárias, foram selecionadas, a partir do Guia para a Linguagem Oral Não-Binária e Neutra, de Lobo e Gagaia (2015), e a partir de postagens da rede social Facebook, da página RExistência Não-Binária, algumas estruturas linguísticas mais presentes no uso dessa linguagem. Pode-se resumir as modificações pela troca ou supressão dos artigos –o e –a (as desinências) e a realização de adaptações para palavras com terminações –go/ga e –co/ca substituídas por -gue/-que; as terminações plurais –res/–ras substituídas por –ries; a terminação –ão/–ã substituídas por –ane; e, por fim, os sistemas de pronome élu, ilu e el e a substituição dos artigos “a(s)” e “o(s)” pelo artigo neutro “le(s)”.

Formação na Língua Portuguesa Formação na LN-B
Lindo/linda Menino/menina Linde Menine
Amigo/Amiga Técnico/Técnica Psicólogo/Psicóloga Amigue Tecnique Psicólogue
Professor/professora Professores/professoras Trabalhador/Trabalhadora Trabalhadores/Trabalhadoras Professore Professories Trabalhadore Trabalhadories
Irmão/Irmã Anfitrião/Anfitriã Irmane Anfitriane

Os três sistemas de pronome foram baseados na herança latina de nossa língua (Illud, o vocábulo neutro do latim referente à “aquilo”). São eles, representados de forma simplificada:


Língua Portuguesa
Sistema ILU Sistema ELU Sistema EL
Ele/ela ILU ELU EL
Dele/dela DILU DELU DEL
Meu/minha MI/MINHE MI/MINHE MI/MINHE
Seu/sua SU/SUE SU/SUE SU/SUE
Aquele/aquela AQUELU AQUELU AQUEL
Artigo o/a LE LE LE

Abaixo foram inseridos alguns exemplos oferecidos pelo Guia para a Linguagem Oral Não-Binária ou Neutra (2017), possibilitando uma compreensão da formação de frases aplicáveis:

  • Os olhos dele são castanhos. → Os olhos del/delu/dilu são castanhos.
  • Aquela menina é a Ariel? → Aquel/aquelu menine é Ariel?
  • Essa aqui é a minha sobrinha. → Est aqui é mi/minhe sobrinhe.
  • O nome do seu namorado é Ariel? → O nome de su/sue namorade é Ariel?
  • A menina pulou o muro → “Le menine pulou o muro”.

Há outras formas, algumas muito recentes, sugeridas pelo blog Orientando, que saem dessa proposta do guia, procurando expor como essa linguagem ainda é passível de alterações condizentes a escolhas pessoais do falante/usuário. Ainda há a possibilidade de substituir diversas palavras, não apenas os pronomes, pelos seus termos equivalentes do inglês, francês e do espanhol (que também possuem LN-Bs próprias e adequadas às necessidades de cada povo).

No âmbito da internet, mais informal e que utiliza a linguagem próxima à sua forma oral, existem muitos usuários que fazem o uso dos artifícios X e @ para substituir as desinências. No entanto, apesar de sua popularidade e facilidade (e da comunidade afirmar que seu uso não é incorreto), a prática é desencorajada por diversos não-binários porque pode prejudicar a leitura e a escuta de pessoas cegas, surdas e com dislexia, fazendo com que um grupo minoritário continue excluído, quando a intenção é promover a inclusão.

Como se pôde observar, essa linguagem modifica os substantivos, adjetivos, pronomes e artigos sem perder a fidelidade à semântica da língua portuguesa, preservando o significado, mesmo que a estrutura morfossintática e fonética não seja mantida, o que, de fato, não atrapalha e nem compromete com o entendimento de cada frase pelo ouvinte e pelo locutor.

Análise de dados e resultados

A linguagem não-binária é uma proposta que necessita de prática, tanto dentro, quanto fora da comunidade LGBT+. É possível observar, especialmente na internet, em redes sociais como Facebook, Twitter e Tumblr, o uso das variantes neutras, dentro e fora de grupos Queer.

Procurando estabelecer, portanto, um vínculo entre teoria e realidade, os questionários foram disponibilizados na rede social Facebook, buscando avaliar o conhecimento de pessoas que conhecem/usam a LN-B (grupo 1), e pessoas que desconhecem essa forma de linguagem (grupo 2). Observou-se então, que o quadro de entrevistados era composto de maioria jovem, inserida na graduação, mas sem área de atuação. Pode-se dizer que ambos os públicos são favoráveis ao uso da linguagem neutra, motivando-se pela inclusão das minorias LGBT+ e, não somente delas, mas a favor da inclusão de todos, sem distinção. Todavia, em relação à adaptação dessa linguagem para língua portuguesa, obtiveram-se diferentes resultados: o grupo 1 afirma ser satisfatória a maneira com a qual a LN-B se apresenta, enquanto o grupo 2 afirma o contrário, preferindo mudanças  que utilizem o artifício X e @, indicando que as substituições ainda são confusas, mas não incompreensíveis. Ainda, comprovou-se que a LN-B tem papel relevante na forma de expressão das identidades LGBT+, já que é reproduzida por essa população nos mais diversos âmbitos, dentro e fora das redes online, sendo capaz de adequar-se a todas as situações, formais e informais (espaço da família, do trabalho, dos amigos, escolar e acadêmico, etc). Por último, é correto afirmar que as modificações propostas pela LN-B, como um todo, não prejudicam a comunicação dos falantes, de forma a atrapalhar a compreensão; no entanto, em relação à estrutura da língua, há uma quebra do padrão já estabelecido pelas gramáticas da língua portuguesa, o que suscita certa aversão a tudo aquilo que é diferente ou que foge à norma-padrão.

Pode-se considerar, por fim, que a população LGBT+ jovem usa a LN-B para comunicar-se entre si, majoritariamente nas redes online; não obstante, almeja expandi-la para todas as áreas em que transita (ambiente escolar/acadêmico, familiar, de trabalho e etc), tendo em vista que a adaptação da LN-B foi considerada satisfatória em relação às variantes não-binárias, expostas ao longo desta análise. Em relação à população que desconhecia a linguagem (pois agora passaram a conhecê-la), esta se mostrou disposta a considerá-la uma adaptação válida da língua portuguesa no que diz respeito à inclusão, porém hesitante quanto a sua adequação, avaliada como insatisfatória. Ambos os grupos concordam quanto ao papel atribuído a LN-B no que tange à interação e inclusão dos gêneros sociais, pois afirmaram, ao longo da pesquisa, que são a favor da inserção de todos os indivíduos, quer sejam binários ou não-binários.

Conclusão

Este estudo tem o papel de viabilizar essas identidades em todos os âmbitos sociais, demonstrando como a linguagem foi e ainda é formada, os motivos pelos quais ela existe e os impactos positivos que podem vir a causar na sociedade brasileira, afinal, trata-se de uma modificação que visa a inclusão de pessoas que são notavelmente marginalizadas por não se encaixarem num padrão socialmente estabelecido; essas pessoas estão presentes em todos os espaços, portanto, é válido que sejam incluídas também por meio da língua, sendo representadas e respeitadas por meio dela.

Pode-se então inferir que a LN-B está se popularizando e sendo utilizada para o propósito que foi criado: incluir os diversos gêneros sexuais/sociais, tornando-os visíveis, válidos e reconhecíveis perante a sociedade. Por adquirir características que se adaptam, da mesma forma que a língua portuguesa, nos gêneros textuais, a LN-B é capaz de incorporar as necessidades comunicativas da língua, tornando o texto acessível a todos, incluindo as pessoas com deficiência e dislexia, sem prejudicar o entendimento e a estrutura da língua. Foi evidente, ao analisar as respostas, que essa linguagem possui um impacto mais positivo do que foi esperado em relação à comunidade não-falante, pois a sociedade brasileira ainda possui muitos estereótipos em relação ao gênero e seus papéis sociais, especialmente na maneira de falar, além do preconceito.

Ainda há muito a ser explorado em relação à linguagem neutra ou não-binária, pois sua transformação é constante e diária, sempre dependendo de seus falantes e seus propósitos, dando aos pesquisadores ainda mais termos e aspectos a serem estudados e contemplados, considerando que, em algum momento, essa linguagem seja elevada ao título de língua, validada e utilizada em todos os ambientes comunicativos, acadêmicos, formais e informais, tornando-se uma variação válida, inclusiva e que abrange os gêneros sociais como um todo, sem distinção de qualquer tipo.

Este artigo é uma contribuição ao site da Revista Movimento e não reflete, necessariamente, os princípios editoriais desta publicação. Contribua também com nossa revista enviado seu artigo pararedacao@movimentorevista.com.br.

Bibliografia

BAGNO, Marcos. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da sexualidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. História e estrutura da língua portuguesa. 2 ed. Rio de Janeiro: Padrão, 1976.

CÂMARA JR., Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

CATRACA LIVRE. Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo: 1 a cada 19 horas, maio 2017. Disponível em: < https://catracalivre.com.br/cidadania/brasil-mais-mata-lgbts-1-cada-19-horas/>. Acesso em: 26 set. 2018.

CORREIO BRAZILIENSE. Em 2018, 153 pessoas LGBTi já foram mortas no Brasil vítimas de preconceito, maio 2018. Disponível em: < https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2018/05/17/interna-brasil,681236/em-2018-153-pessoas-lgbti-foram-mortas-no-brasil-vitimas-de-preconcei.shtml>. Acesso em: 26 set. 2018.

COUTINHO, Ismael de Lima. Pontos de gramática histórica. 7. ed. Rio de Janeiro: Ao livro técnico S/A, 1976.

FACCHINI, Regina. Histórico da Luta de LGBT no Brasil. Conselho Regional de Psicologia SP. Disponível em: < http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/cadernos_tematicos/11/frames/fr_historico.aspx>. Acesso em: 08 out. 2018.

FERRAZ, Thaís. Conheça a história do movimento pelos direitos LGBT. Politize, jun. 2017. Disponível em: <https://www.politize.com.br/lgbt-historia-movimento/>. Acesso em: 20 set. 2018.

FURLAN, Oswaldo Antônio. Gramática básica do latim. 3. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 1997.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. 2. ed. Brasília: 2012. Disponível em: < http://www.diversidadesexual.com.br/wp-content/uploads/2013/04/G%C3%8ANERO-CONCEITOS-E-TERMOS.pdf>. Acesso em: 17 out. 2018.

JESUS, Sérgio Nunes de. Contextualização histórica do léxico da língua latina: (A constituição linguística e suas variantes formais). In: CELLI – COLÓQUIO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS E LITERÁRIOS. 3, 2007, Maringá. Anais… Maringá, 2009, p. 2070- 2087. Disponível em: < http://www.ple.uem.br/3celli_anais/trabalhos/estudos_linguisticos/pfd_linguisticos/097.pdf>. Acesso em: 17 out. 2018.

LEWASCHIW, Cari Lobo; GAIGAIA, V. Guia para a Linguagem Oral não-binária ou neutra (PT-BR), 2015. Disponível em: <http://pt-br.identidades.wikia.com/wiki/Linguagem_n%C3%A3o-bin%C3%A1ria_ou_neutra>. Acesso em: 9 set. 2018.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Artenova, 1973. p. 88

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades e retextualização. São Paulo: Cortez, 2001. Disponível em: < https://www.ebah.com.br/content/ABAAAgWTMAG/marcuschi-luiz-antonio-oralidade-letramento-cap-1>. Acesso em: 04 nov. 2018.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital.Em: MARCUSCHI, L. A. & XAVIER, A. C. (Orgs.) Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2004.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gênero e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MENDES, Camila; MEDEIROS, Nathalia R. de; OLIVEIRA, Thiago S. de. O latim e o português: heranças lexicais. Revista Ícone: revista de divulgação científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, Rio de Janeiro, v.17, n.2, nov. 2017.  Disponível em: <http://www.revista.ueg.br/index.php/icone/article/view/6361/4761 >. Acesso em: 09 out. 2018.

MONARETTO, Valéria N. de O.; PIRES, Caroline de C. O que aconteceu com o Gênero Neutro Latino? Mudança da Estrutura Morfossintática do Sistema Flexional Nominal durante a Dialetação do Latim ao Português Atual. Revista Mundo Antigo, Porto Alegre, v.01, n.021, p.155-172, dez. 2012. Disponível em: < http://www.nehmaat.uff.br/revista/2012-2/artigo09-2012-2.pdf>. Acesso em: 16 out. 2018.

ORIENTANDO: um espaço de aprendizagem. O que é gênero? Disponível em: < https://orientando.org/o-que-e-genero/>. Acesso em: 09 out. 2018.

ORIENTANDO: um espaço de aprendizagem. Tipos de linguagem. Disponível em: <https://orientando.org/listas/tipos-de-linguagem/>. Acesso em: 11 out 2018.

ORIENTANDO: um espaço de aprendizagem. Lista de gêneros. Disponível em: < https://orientando.org/listas/lista-de-generos/>. Acesso em: 27 out 2018.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. Gramática normativa da língua portuguesa. 38. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

WIKI IDENTIDADES. Não-binariedade de gênero. Disponível em: <http://pt-br.identidades.wikia.com/wiki/N%C3%A3o-binaridade_de_g%C3%AAnero>. Acesso em: 03 nov. 2018.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.