É necessário ser feminista

As mulheres vêm ganhando força e não aceitam mais caladas serem vítimas de discriminação, da violência, do assédio.

Luciana Genro 18 mar 2019, 14:23

Historicamente março é o mês das mulheres. Mas nos últimos anos a pauta das mulheres tem tomado conta dos debates políticos o ano todo. A explicação deste fenômeno é que as mulheres vêm ganhando força e não aceitam mais caladas serem vítimas de discriminação, da violência, do assédio. As mulheres têm se tornado feministas.

O feminismo ainda é mal compreendido por muitos setores da nossa sociedade. Muitos acham que ser feminista é ser o oposto de machista. Não é. Feminismo é a ideia radical de que as mulheres são seres humanos tão merecedoras de respeito e dignidade quanto os homens.

Infelizmente ainda precisamos de um movimento para afirmar o óbvio. Precisamos do feminismo porque as mulheres ainda ganham menos do que os homens, ainda são vistas como propriedade dos homens, espancadas e mortas pelo simples fato de serem mulheres. Ainda são assediadas e constrangidas nos seus empregos, nos meios de transporte, nas ruas.

Em 2018, com o movimento #EleNão, a força das mulheres ganhou as ruas. Uma hashtag que saiu das redes e virou palavra de ordem no mundo real. Bolsonaro ganhou, mas nós, de certa forma, também. Ganhamos força e consciência, nos politizamos, conquistamos unidade e garra para seguir negando o autoritarismo e o patriarcado.

Este mês de março é marcado pelo histórico dia 8, eternizado pelo martírio das operárias de Chicago, e também pelo recente dia 14, quando se completou um ano da execução de Marielle Franco.

Lutamos por um feminismo antirracista, que acolha as mulheres negras, lésbicas, bissexuais e transexuais, conectado com as lutas da classe trabalhadora. Felizmente uma nova geração de mulheres vem se formando feminista. Se antes era raro encontrar uma mulher que se identificasse como feminista, hoje é muito comum. Apoiando-se nas conquistas das que vieram antes, as jovens feministas vêm ganhando o mundo. E vamos seguir sendo feministas até que toda a forma de opressão seja eliminada e assim tenhamos uma democracia real.


Artigo publicado originalmente no jornal Zero Hora.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!