Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

É necessário ser feminista

As mulheres vêm ganhando força e não aceitam mais caladas serem vítimas de discriminação, da violência, do assédio.

Reprodução
Reprodução

Historicamente março é o mês das mulheres. Mas nos últimos anos a pauta das mulheres tem tomado conta dos debates políticos o ano todo. A explicação deste fenômeno é que as mulheres vêm ganhando força e não aceitam mais caladas serem vítimas de discriminação, da violência, do assédio. As mulheres têm se tornado feministas.

O feminismo ainda é mal compreendido por muitos setores da nossa sociedade. Muitos acham que ser feminista é ser o oposto de machista. Não é. Feminismo é a ideia radical de que as mulheres são seres humanos tão merecedoras de respeito e dignidade quanto os homens.

Infelizmente ainda precisamos de um movimento para afirmar o óbvio. Precisamos do feminismo porque as mulheres ainda ganham menos do que os homens, ainda são vistas como propriedade dos homens, espancadas e mortas pelo simples fato de serem mulheres. Ainda são assediadas e constrangidas nos seus empregos, nos meios de transporte, nas ruas.

Em 2018, com o movimento #EleNão, a força das mulheres ganhou as ruas. Uma hashtag que saiu das redes e virou palavra de ordem no mundo real. Bolsonaro ganhou, mas nós, de certa forma, também. Ganhamos força e consciência, nos politizamos, conquistamos unidade e garra para seguir negando o autoritarismo e o patriarcado.

Este mês de março é marcado pelo histórico dia 8, eternizado pelo martírio das operárias de Chicago, e também pelo recente dia 14, quando se completou um ano da execução de Marielle Franco.

Lutamos por um feminismo antirracista, que acolha as mulheres negras, lésbicas, bissexuais e transexuais, conectado com as lutas da classe trabalhadora. Felizmente uma nova geração de mulheres vem se formando feminista. Se antes era raro encontrar uma mulher que se identificasse como feminista, hoje é muito comum. Apoiando-se nas conquistas das que vieram antes, as jovens feministas vêm ganhando o mundo. E vamos seguir sendo feministas até que toda a forma de opressão seja eliminada e assim tenhamos uma democracia real.


Artigo publicado originalmente no jornal Zero Hora.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.

Ilustração da capa da Revista Movimento

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista