Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

57 mortos em presídio: governo lava as mãos para o banho de sangue

Massacre é resultado de política penitenciária retrógrada e violenta.

Reprodução
Reprodução

Nos últimos dois dias, 57 homens foram assassinados dentro de quatro presídios de Manaus, capital do Amazonas. Esse massacre carcerário é o resultado horrendo de uma política penitenciária retrógrada e violenta, que só fortalece os conflitos entre facções nos interiores das unidades prisionais.

O caso é reincidente. Em janeiro de 2017, uma rebelião em Manaus, que durou quase 20 horas, também provocou a morte de 56 pessoas. Nesse mesmo ano, chacinas no presídios do Rio Grande no Norte chocaram o país. A lista, infelizmente, não tem fim, porque nos últimos anos, houve um aumento expressivo no número de massacres e torturas nas prisões instaladas no Norte e no Nordeste do Brasil.

Para investigar esses casos, foi criado, em 2013, o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura ( MNPCT ), um órgão federal cuja missão é percorrer os presídios do Brasil para averiguar denúncias de violação de direitos humanos. Só que o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos parece não estar interessado em esclarecer essas torturas.

No início do ano, questionamos a ministra Damares Alves, por ofício, sobre a dificuldade que o governo começou a impor ao trabalho do órgão. Há denúncias de que o Ministério se recusou a custear as passagens da equipe de trabalho até o Ceará.

Neste ínterim, oficiamos também a Comissão Interamericana de Direitos Humanos para que tomasse conhecimento do boicote do Ministério às ações de fiscalização nos presídios, conforme nota pública divulgada pelo próprio mecanismo de combate à tortura à época.

Diante desse banho de sangue, é fundamental que o Estado garanta assistência aos familiares dos mortos e permita que organismos como o Mecanismo de Prevenção à Tortura, entre outros, possam realizar seu trabalho para coibir novas situações de massacre entre a população carcerária.

Artigo originalmente publicado no site de Sâmia Bomfim em 28 de maio de 2019.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista