Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Repúdio ao Massacre de Cartum!

O PSOL repudia a violenta repressão promovida pelo exército sudanês contra manifestantes pacíficos e que resultou até o momento em 13 mortes e centenas de feridos.

Manifestantes sudaneses usam pneus queimados em barricadas nas ruas de Cartum. Reuters
Manifestantes sudaneses usam pneus queimados em barricadas nas ruas de Cartum. Reuters

O Partido Socialismo e Liberdade, por meio de sua Secretaria de Relações Internacionais, repudia veementemente a violenta repressão promovida pelo exército sudanês contra manifestantes pacíficos e que resultou até o momento em 13 mortes e centenas de feridos. Os manifestantes foram atacados covardemente enquanto acampavam em frente ao Comando Geral das Forças Armadas do Sudão, em uma ação que pode iniciar uma fase violenta do atual processo de luta democrática.

Ocorrido após uma bem sucedida greve geral de 2 dias no país, a repressão também aconteceu em outras cidades, como Omdurman e al-Qadarif, e representa uma nítida escalada autoritária da junta militar que controla o governo após a queda do ditador al-Bashir. A mobilização democrática, o protagonismo feminino e a resistência contra o fundamentalismo religioso são características fundamentais do levante do povo sudanês, que resistiu a todos os ataques e derrotou nas ruas o sistema político do país.

O povo do Sudão exige um governo civil eleito por eleições gerais. Desde o Brasil, nós do PSOL expressamos nossa solidariedade a estas reivindicações e também nosso repúdio perante a violência assassina praticada pela junta militar contra a população nas ruas.

Todo apoio à primavera sudanesa! A luta dos trabalhadores de todo mundo é uma só!

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista