Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Luciana Genro e Alysson Mascaro lançam livros na UFRGS e reforçam luta por outro modelo político e econômico

Lançamento de livros de Luciana Genro e Alysson Mascaro na UFRGS debate a crítica do Direito e a atualidade do socialismo.

Luciana Genro e Alysson Mascaro. Foto: Samir Oliveira.
Luciana Genro e Alysson Mascaro. Foto: Samir Oliveira.

A deputada estadual Luciana Genro (PSOL) e o professor de Direito da USP Alysson Mascaro estiveram na UFRGS na noite desta segunda-feira (23/09) para o lançamento de seus novos livros: “O Novo Sempre Vem – Estudos sobre Política, Economia e Direito” e ” Crítica da Legalidade e do Direito Brasileiro”, respectivamente. Ambas as obras foram publicadas pela editora Quartier Latin. 

Estiveram presentes no lançamento autoridades como o ex-governador Tarso Genro (PT), a deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL), o vereador de Porto Alegre Roberto Robaina (PSOL), o ex-deputado Pedro Ruas (PSOL) e o deputado estadual Sebastião Melo (MDB). Também compareceram professores, alunas e alunos do cursinho popular pré-universitário Emancipa, fundado por Luciana Genro em 2011.

O livro de Luciana Genro é resultado de sua dissertação de mestrado em Filosofia do Direito na USP, quando foi orientada por Mascaro. Na obra, a deputada retoma o estudo de autores clássicos e contemporâneos do marxismo para colocar na ordem do dia a necessidade de seguir lutando pela construção de uma outra sociedade e de um outro mundo. 

No livro, Luciana analisa o papel do Estado na estruturação do sistema capitalista e revisita de forma crítica as experiências ditas socialistas do passado. “Quando se fala em socialismo, é preciso qualificar que socialismo é esse. O que tivemos na União Soviética acabou numa ditadura. É preciso chamar as coisas como elas são. Não foi essa a experiência socialista que Marx e Engels teorizaram”, afirmou.

A deputada reforçou a necessidade de se extrair lições dos erros cometidos em processos políticos revolucionários e socialdemocratas anteriores. “A socialdemocracia tem a ideia de que é possível gerenciar o Estado para torná-lo um instrumento em defesa dos interesses do povo. Mas o Estado nada mais é do que um instrumento de aplicação dos interesses do capital”, avaliou.

Por fim, Luciana falou sobre a necessidade de unidade ampla de ação contra o governo Bolsonaro entre as forças políticas de esquerda e de centro, assim como também defendeu uma unidade programática entre as esquerdas para construir um programa anticapitalista e antissistêmico e apresentá-lo como alternativa ao povo nas eleições. “São tempos duros. Falar sobre socialismo pode parecer algo fora da conjuntura, mas é algo necessário, pois estamos sendo tão oprimidos por um governo medieval que até mesmo as luzes do iluminismo parecem brilhantes demais”, concluiu.

O professor Alysson Mascaro fez uma profunda crítica ao Direito, objeto de estudo de seu livro “Crítica da Legalidade e do Direito Brasileiro”, que chega a sua terceira edição. Ele ressaltou que a legalidade e o direito existem para estruturar e legitimar o sistema capitalista, reproduzindo desigualdades, opressões e dominação de classe. 

“A organização jurídica do capitalismo é dizer que todas as coisas no mundo têm dodo. No mundo capitalista, a terra não é de quem trabalha e o teto não é de quem precisa. Todas as coisas, porque são mercadoria, são juridiscizadas. E o direito é que estrutura este sistema”, refletiu.

Ele recorreu a exemplos históricos para sustentar suas críticas, lembrando que a escravização foi um instituto previsto em lei no Brasil. “Quem era formado em Direito naquela época dizia que era preciso respeitar o direito de propriedade. Isso é a infâmia. É a exploração, a coerção e a opressão no nível mais horrendo que a sociedade pôde conhecer. E isso foi jurídico”, pontuou.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.

Ilustração da capa da Revista Movimento

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista