Novo Peru se solidariza com o povo do Equador

Novo Peru se solidariza com o povo do Equador

Movimento presta solidariedade às mobilizações.

Nuevo Perú 15 out 2019, 12:09

Na semana passada, o presidente Lenin Moreno baixou uma série de medidas econômicas neoliberais que, entre outras coisas, contemplam a eliminação dos subsídios aos combustíveis e a liberalização de seus preços, aumentando assim os custos de produtos de primeira necessidade. Além disso, implementou reformas laborais que atentam contra os trabalhadores, como o corte nas férias e a flexibilização nas contratações. Tudo isso em cumprimento aos compromissos assumidos com o Fundo Monetário Internacional (FMI), entidade conhecida pelas políticas de ajuste que impõe aos países a fim de multiplicar os lucros das transnacionais com o apoio de governantes inescrupulosos.

Ante estas medidas, distintas organizações do povo equatoriano se mobilizaram massivamente em diferentes pontos do país exigindo o fim do “paquetazo” e a renúncia do presidente Moreno e seus ministros. O governo respondeu com violência decretando “Estado de Exceção” por 60 dias, habilitando a Polícia e as Forças Armadas para que assumam o controle em todo o território nacional, suspendendo o direito à liberdade de associação e reunião. Longe de estender pontes de diálogo, ontem 7 de outubro, Lenin Moreno transferiu a sede do governo a Guayaquil, de onde seguiu estigmatizando e desqualificando o movimento com a cumplicidade da imprensa.

Nem o Estado de Exceção nem a covardia de Moreno e seus aliados detiveram a população equatoriana que permanece mobilizada. Destaca-se a ação do movimento indígena que protagonizou uma multitudinária mobilização em Quito. Como em outros momentos de sua história, indígenas, estudantes universitários, mulheres e trabalhadores reagiram dignamente tomando ruas e praças para enfrentar os traidores de turno. .

Como Movimiento Nuevo Perú, manifestamos nossa solidariedade à justa mobilização do povo equatoriano e condenamos a violência desmedida e sistemática da Polícia e Forças Armadas. Exortamos às instancias internacionais e à Chancelaria peruana a pronunciar-se frente à violência desatada, procurando que se imponha o Estado de direito. A luta do povo equatoriano e suas organização é a luta de nossa América pelo bem vivem, a dignidade e a esperança. Contem conosco para que sua voz ressoe mais forte, a imposição neoliberal não passará.

Lima, 8 de outubro de 2019

Movimiento Nuevo Perú


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.