“Nós reivindicamos um projeto de defesa da igualdade e da liberdade” – Entrevista com Roberto Robaina e Pedro Fuentes
Pedro Fuentes e Roberto Robaina no ato político de 20 anos do MES

“Nós reivindicamos um projeto de defesa da igualdade e da liberdade” – Entrevista com Roberto Robaina e Pedro Fuentes

Entrevista com os fundadores do Movimento Esquerda Socialista sobre os 20 anos da organização.

Charles Rosa, Pedro Micussi e Thiago Aguiar 23 nov 2019, 15:54

Em 1999, militantes trotskistas fundavam o Movimento Esquerda Socialista. Originário de uma tradição revolucionária que remonta aos anos 1940 na Argentina, sob inspiração de Nahuel Moreno, o MES completa 20 anos sem se esquecer de uma história comum no Brasil, de resistência à ditadura militar, do estímulo à fundação do Partido dos Trabalhadores e da CUT no início dos anos 1980, da Convergência Socialista e da luta contra a degeneração da direção do PT.

Sobretudo, a história do MES confunde-se com a história do PSOL. Inspirados pela hipótese do reagrupamento internacional dos revolucionários e dispostos a manter de pé as bandeiras históricas do socialismo e da liberdade, abandonadas pelo PT, as e os militantes do MES declararam-se expulsos do partido, em dezembro de 2003, junto com os parlamentares radicais retirados das fileiras petistas por não aceitar a traição contra as esperanças do povo brasileiro de um governo de conciliação que se iniciava colocando um banqueiro transnacional no comando do Banco Central e dividia o poder com as velhas oligarquias, apoiando a posse de José Sarney na presidência do Senado, para atacar os trabalhadores com uma reforma da previdência neoliberal que Fernando Henrique Cardoso não conseguira fazer.

Tudo isso é uma história já conhecida. Da luta pela legalização do novo partido para conquistar nas ruas centenas de milhares de assinaturas às batalhas para transformar o PSOL numa ferramenta pela emancipação do povo brasileiro; da atividade estudantil, popular, sindical e parlamentar às Jornadas de Junho de 2013 e à campanha de Luciana Genro à Presidência da República em 2014, o MES buscou unir seu destino ao movimento de massas no Brasil e ao internacionalismo militante. Nessas duas décadas, nossa corrente nacionalizou-se, tornou-se amazônica, sulista, nordestina, paulista, carioca, mineira, jovem, mulher, negra, trabalhadora e socialista. Conscientes de nossos limites e dos enormes desafios à frente, temos, no entanto, o direito a ter orgulho do que fizemos até aqui.

Nesta edição especial de nossa Revista Movimento, entrevistamos Roberto Robaina e Pedro Fuentes, fundadores do Movimento Esquerda Socialista, e falamos sobre esta importante efeméride para nossa militância e sobre os rumos de nossa organização.

Movimento – O MES está completando 20 anos. Fale-nos um pouco sobre a fundação da corrente em 1999. O que estava em jogo quando se decidiu pela criação da corrente? Roberto Robaina – Quando nós fundamos o MES estava claro que o PT, mais precisamente sua direção, já estava adaptada ao regime burguês e ao capitalismo e que, portanto, seria necessário construir um polo alternativo: uma nova esquerda capaz de desenvolver uma política independente, marxista, socialista. Era evidente ainda que essa construção passava necessariamente pela confluência com outras forças de esquerda no interior do PT e pelo diálogo com forças que não mais estavam no PT. Nosso objetivo, sobretudo, era desenvolver uma política socialista que tivesse como eixo uma recomposição das forças de esquerda – forças independentes que defendiam um projeto revolucionário – e que não fosse prisioneira nem da social-democracia nem do stalinismo. Era necessário ainda levar em conta que na medida em que o Muro de Berlim havia caído e que havia tido uma grande mudança na situação mundial e na subjetividade da esquerda: era necessária uma recomposição. Essa era uma leitura internacional que nós tínhamos. A construção do MES foi um primeiro passo na construção de um núcleo orgânico que perseguisse esse objetivo de recomposição da esquerda socialista.

Este artigo faz parte da edição n. 14-15 da Revista Movimento. Para lê-lo na íntegra, compre a revista aqui!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.