Não se pode privatizar o GHC: defesa do SUS urgente!
Reprodução

Não se pode privatizar o GHC: defesa do SUS urgente!

Servidores do GHC protestam por EPIs e contra a privatização dos hospitais.

Roberto Robaina 29 abr 2020, 20:11

Servidores do GHC protestam por EPIs e contra a privatização dos hospitais.

Os trabalhadores da saúde estão no limite do desespero. Há pouco, no começo da tarde desta quarta-feira (29), fui convidado por um grupo da Associação dia Servidores do Grupo Hospitalar Conceição (Aserghc) a participar de um protesto na frente do Conceição.

As reivindicações são básicas, como EPIs para os profissionais trabalharem com o mínimo de segurança, testes de Covid-19 para todos eles e o afastamento daqueles que estão nos grupos de risco. Claro, estivemos lá com os cuidados que o momento exige (embora defenda o isolamento social, não posso deixar de comparecer quando uma luta é necessária).

A pandemia, por si só, já é um inimigo forte, mas aí vêm os governos que só trabalham para atacar a saúde pública. Marchezan, em Porto Alegre, vai entregando a atenção básica às terceirizadas. Do governo federal, além das atitudes criminosas de Bolsonaro, a notícia de que o GHC está na lista de privatizações prioritárias.

É estarrecedor o que têm vivido esses profissionais. Já buscamos na Justiça o apoio para as reivindicações, mas nem a determinações legais esses governos atendem. Quando entrarmos num colapso sem precedentes, o valor da saúde pública ficará mais evidente.

Artigo originalmente publicado no Facebook do autor.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.