Não se pode privatizar o GHC: defesa do SUS urgente!
Reprodução

Não se pode privatizar o GHC: defesa do SUS urgente!

Servidores do GHC protestam por EPIs e contra a privatização dos hospitais.

Roberto Robaina 29 abr 2020, 20:11

Servidores do GHC protestam por EPIs e contra a privatização dos hospitais.

Os trabalhadores da saúde estão no limite do desespero. Há pouco, no começo da tarde desta quarta-feira (29), fui convidado por um grupo da Associação dia Servidores do Grupo Hospitalar Conceição (Aserghc) a participar de um protesto na frente do Conceição.

As reivindicações são básicas, como EPIs para os profissionais trabalharem com o mínimo de segurança, testes de Covid-19 para todos eles e o afastamento daqueles que estão nos grupos de risco. Claro, estivemos lá com os cuidados que o momento exige (embora defenda o isolamento social, não posso deixar de comparecer quando uma luta é necessária).

A pandemia, por si só, já é um inimigo forte, mas aí vêm os governos que só trabalham para atacar a saúde pública. Marchezan, em Porto Alegre, vai entregando a atenção básica às terceirizadas. Do governo federal, além das atitudes criminosas de Bolsonaro, a notícia de que o GHC está na lista de privatizações prioritárias.

É estarrecedor o que têm vivido esses profissionais. Já buscamos na Justiça o apoio para as reivindicações, mas nem a determinações legais esses governos atendem. Quando entrarmos num colapso sem precedentes, o valor da saúde pública ficará mais evidente.

Artigo originalmente publicado no Facebook do autor.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.