Sâmia e a bancada do PSOL pedem a cassação de Carla Zambelli
Reprodução

Sâmia e a bancada do PSOL pedem a cassação de Carla Zambelli

A deputada bolsonarista quebrou o decoro parlamentar ao negociar uma vaga no STF com Sergio Moro.

Equipe Sâmia Bomfim 28 abr 2020, 17:15

A bancada do PSOL protocolou nesta segunda (27/04) representação na Câmara Federal contra a deputada federal Carla Zambelli (PSL/SP) por tentar evitar investigações contra o clã Bolsonaro na Polícia Federal e negociar uma vaga no Supremo Tribunal Federal para o ex-ministro Sérgio Moro.

Veja a representação

“Zambelli assumiu em rede nacional na CNN que solicitava informações a Moro sobre investigações a respeito de autoridades. É inadmissível que isso seja tratado com naturalidade. É um crime que uma autoridade de outro poder use sua relação no Executivo para obter informações privilegiadas. Isso se soma ao fato de que tentou interferir na escolha do diretor da Polícia Federal barganhando uma vaga no STF. É corrupção da mais nojenta e não vamos aceitar”, afirma a líder do PSOL, Fernanda Melchionna (RS).

Sérgio Moro exibiu mensagens que trocou por WhatsApp com Zambelli. A deputada afirmou: “Vamos marcar com o presidente no Alvorada. A gente conversa e ele lhe garante a vaga no STF este ano”. A própria deputada exibiu mensagens que trocou com o então ministro da Justiça, confirmando que participava ativamente das negociações para evitar as investigações contra o clã Bolsonaro, através no aparelhamento e controle político da Polícia Federal. Além disso, Zambelli também sugere que o Moro aceite a mudança no comando da PF em troca de uma vaga no Supremo.

Para o PSOL, Carla Zambelli é mais uma peça na engrenagem que tem por objetivo blindar o presidente da República e seus aliados diante das investigações da Polícia Federal. Além de tipos penais, Zambelli praticou conduta incompatível ou atentatória ao decoro parlamentar, abusando das prerrogativas constitucionais e violando o Código de Ética e Decoro. O caso deve ser investigado pela Corregedoria e Conselho de Ética da Câmara.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Sâmia Bomfim.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.