Setorial ecossocialista do PSOL reivindica verba emergencial para população indígena
Reprodução

Setorial ecossocialista do PSOL reivindica verba emergencial para população indígena

Militantes pedem que vereadores paulistanos votem o recurso; veja como ajudar.

Equipe Sâmia Bomfim 27 abr 2020, 16:20

O setorial ecossocialista do PSOL organiza uma campanha para pressionar os vereadores de São Paulo a colocar em votação uma verba emergencial para a população indígena da cidade.

Com a pandemia do Covid-19 e as necessárias medidas de isolamento social, os indígenas perderam suas principais fontes de renda, que provêm do turismo e o do artesanato.

Muitos deles têm necessitado de doações de cestas básicas para sobreviver. Só que o ingresso de pessoas não indígenas nas aldeias paulistas pode causar, infelizmente, risco à população local. É por isso que os ecossocialistas reivindicam uma verba emergencial para atender essa população.

Para Beto Bannwart, cientista social e militante do PSOL, solicitar aos vereadores esse apoio é “reconhecer a relevância de nossas populações originárias, que se encontram em condições precárias, sobretudo para enfrentar esta terrível pandemia de coronavírus. Além de ser fundamental para preservar vidas preciosas, é também uma forma de ressarcir uma dívida histórica que temos com a população indígena, sempre tão negligenciada pela elite colonizadora deste estado de São Paulo, do Brasil e das Américas”.

Para saber mais sobre a iniciativa e assinar a petição, clique aqui.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Sâmia Bomfim.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.