Fernanda pede providências da Câmara por agressões a pesquisadores do projeto EPICOVID19-BR

Fernanda pede providências da Câmara por agressões a pesquisadores do projeto EPICOVID19-BR

Fernanda Melchionna propô moção de repúdio às agressões sofridas pelas equipes de pesquisa.

Equipe Fernanda Melchionna 20 maio 2020, 17:54

A líder do PSOL, deputada Fernanda Melchionna (RS), solicitou providências da Comissão Externa de Ações Contra o Coronavírus em relação às agressões sofridas por pesquisadores do projeto EPICOVID19-BR.

Em ofício enviado à Comissão, a deputada propõe uma moção de repúdio às agressões sofridas pelas equipes de pesquisa, especialmente àquelas perpetradas pelas forças de segurança, o envio urgente de expediente aos governadores dos estados onde as agressões ocorreram ou em que haja municípios que ainda não tomaram as providências necessárias para a continuidade das pesquisas, para que tomem todas as medidas necessárias para garantir o bom andamento das pesquisas e a segurança dos pesquisadores, e a oitiva dos coordenadores da pesquisa, para que relatem a esta Comissão as agressões e dificuldades enfrentadas.

“A combinação de um Ministério da Saúde inoperante, de um governo tomado pelo obscurantismo, a falta de comunicação e a proliferação de fake news, faz com quem está na ponta, fazendo ciência, se encontre em risco. Isto é inadmissível”, afirma a líder do PSOL.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Fernanda Melchionna.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.