Manifestação no Hospital do Bonsucesso – Rio de Janeiro

Manifestação no Hospital do Bonsucesso – Rio de Janeiro

Manifestantes fizeram protesto no Rio exigindo do governo o cumprimento das orientações da OMS.

Zeneide Lima 9 Maio 2020, 17:11

Hoje pela manhã na porta do Hospital Geral de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, manifestantes fizeram um protesto, respeitando o distanciamento necessário. A Rede Federal de Saúde do RJ resiste contra o desmonte do Ministério da Saúde. Aproveitando a visita do Ministro à cidade, exigiram do governo o cumprimento das orientações da OMS, principalmente a orientação ao isolamento horizontal, uma renda mínima para o povo conseguir sobreviver, mais leitos e EPIs para os profissionais da saúde e testes em massa, mas também os 15 mil respiradores prometidos pelo ministro da saúde, Nelson Teich, que prometeu mas não entregou, assim como também não entregou grande parte dos hospitais de campanha no País que poderiam já ter salvo muitas vidas.

O Brasil está no ranking de países onde mais se morreu profissionais da Saúde nessa pandemia, além disso estamos chegando a marca de mais de 10 mil mortos no país. Enquanto isso o Presidente Jair Bolsonaro segue desdenhando da vida da população brasileira. A maioria das pessoas estão sendo obrigadas a trabalhar pois ainda não receberam a renda básica do governo. É preciso intensificar as exigências a esse governo e seus ministros, além de seguir as mobilizações da população junto com os profissionais da Saúde por uma quarentena que todos os trabalhadores possam ter acesso.

Além disso, é preciso que sejam abertos os dados das quantidades de leitos nos hospitais privados, e não jogar nas mãos dos trabalhadores da saúde o direito de quem vive e quem morre. É urgente que se tenha fila única dos leitos para salvar o máximo de vidas!
Por isso, seguir e apoiar todas as formas de atos contra esse governo genocida é fundamental.

#FORABOLSONARO!!!

#SOSPROFISSIONAISDASAUDE

#EPISJA

#TESTEEMMASSAJA!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.