SUS contra a barbárie

Três problemas relacionados à saúde neste contexto de pandemia.

Paulo Spina 1 maio 2020, 15:58

Temos que agradecer a muitas pessoas que lutaram pela criação e ainda lutam pela defesa do SUS.  São usuários do sistema de saúde, trabalhadoras e trabalhadores, estudantes e diversos movimentos sociais que tem histórico nos confrontos políticos por uma saúde pública, estatal e de qualidade. Só no movimento Fórum Popular de Saúde foram ocupações pela abertura de hospitais; atos por uma saúde mental emancipadora; confrontos políticos que barraram privatização e derrubaram secretário de saúde; ações diretas como a criação do posto popular de saúde; e diversos debates trazendo a defesa dos trabalhadores e dos usuários do SUS em diversos locais do estado.

Neste contexto da pandemia de 2020, dentre os diversos problemas relacionados com a saúde, destaco três, problematizando possíveis lutas para superarmos. Não se trata apenas de problemas locais de São Paulo e do Brasil, mas também mundiais.

A forma neoliberal de organização da saúde

O neoliberalismo, com seu modelo de organização da sociedade competitivo, desigual, que responsabiliza os comportamentos individuais para problemas sociais complexos e tem o objetivo de transformar a saúde em mercadoria não ofereceu respostas efetivas para a crise sanitária da Covid 19. O que vemos com o colapso dos hospitais é que a falta de investimento em um sistema público está levando a diversas mortes que poderiam ser evitadas. A diferença de mortes entre bairros ricos e periféricos de São Paulo é inaceitável. Tal sistema neoliberal não serve para defender a vida das pessoas mais pobres.

No curto prazo penso que temos de lutar pelas campanhas Leitos para Todos e Vidas Iguais que estão defendendo que a administração pública administre todos os leitos de UTI, inclusive da iniciativa privada. Aqui em São Paulo tem projeto da bancada do PSOL sobre o assunto e penso ser fundamental esta luta para preservar vidas. E esta subordinação do sistema privado à necessidade pública não pode ser usada para destinar recursos – já escassos – para iniciativa privada. (A cidade de Osasco é um exemplo negativo que em meio a pandemia privatizou algumas UBS e prontos socorros da cidade)

A situação dramática dos trabalhadores da saúde

Os trabalhadores da saúde hoje aplaudidos não podem contentar-se com a denominação de heróis. Não deveríamos estar arriscando a nossas vidas. Se tivéssemos equipamentos adequados, suporte constante e um sistema eficiente, nós estaríamos prestando nossa missão pública de cuidado de forma segura. Nos últimos anos o que vimos acontecer com os trabalhadores da saúde? Nenhuma valorização, nenhum plano de carreira no SUS, pressão pela lógica privatista e ineficiente das organizações sociais, aumento da carga horária de trabalho com aumento de plantões extras e até a insalubridade no caso dos trabalhadores da saúde estadual estavam sendo questionadas. Agora nossas necessidades são dramáticas e urgentes. Já no dia 20 de março o Fórum Popular de Saúde soltou um documento apontando os principais problemas do curto prazo: melhores condições de atendimento para a população com mais testes e contratação de profissionais, equipamentos e condições de trabalho, definições claras de sobre questões trabalhistas, políticas específicas para os trabalhadores no grupo de risco, informações transparentes e rápidas para os trabalhadores e para a população e solidariedade do estado, das empresas e da população aos trabalhadores da saúde. 

O reconhecimento da importância destas trabalhadoras e trabalhadores no momento atual precisa ser algo permanente em nossa sociedade com investimento em pesquisa, melhores condições de trabalho e também salarial, assim como, consideração distinta das necessidades de insalubridade e aposentadoria. Desta forma mais verba para o SUS e o fim do teto de gastos com a revogação da EC95 é fundamental para o curto, médio e longo prazo. Todas as vidas importam. 

A saúde mental dos trabalhadores da saúde – situação traumática

O medo tem base real. Nossas vidas estão ameaçadas. Muitas trabalhadoras da saúde – que são a maioria – estão tendo que se isolar, sem contato com a família para tentar protegê-los. Eu mesmo tive que tomar essa dura decisão junto com a minha família. Meu pequeno fez um ano e o despreparo do governo brasileiro nos seus mais diversos níveis de gestão fez com que eu não pudesse ver meu filho dar seus primeiros passos. Mas isto nem chega a ser um problema diante dos acontecimentos. Além das mortes que poderiam ser evitadas nenhum trabalhador da saúde deveria estar numa situação de ter de escolher quem sobrevive. A crise de saúde mental já está colocada para o conjunto de toda a sociedade, mas de forma traumática para os trabalhadores da saúde.

É preciso compreender que nossos sofrimentos partem de uma recusa de se adaptar a uma situação perversa agravada pelo cenário de fascismo do governo brasileiro. Enquanto lutamos por vidas vemos essa narrativa que desincentiva o distanciamento físico. Então a luta para superação desta problemática e também das anteriores deve ser uma luta por transformarmos radicalmente a sociedade.

Aqui cabe uma autocrítica a nós trabalhadores. Por anos nos contentamos com estruturas de organização fragmentadas dos próprios trabalhadores da saúde. É sindicato de cada categoria específica. Ainda divididos por municipais, estaduais, federais e mais os particulares. Dizia que eram problemas diferenciados de cada um. 

O maior problema que a nossa geração está enfrentando demanda uma organização geral dos trabalhadores da saúde. E infelizmente isso nós não constituímos, facilitando o trabalho de diversos governos de ignorar as posições políticas dos fragmentados sindicatos existentes. Fala-se de unificação o campo na esquerda. Em geral isso quer dizer unificação eleitoral. Penso que a pandemia nos coloca o desafio de reinventarmos também os espaços políticos. É momento para irrupção de uma Rede Horizontal das Trabalhadoras e Trabalhadores da Saúde. Tal rede pode fortalecer o SUS contra a barbárie e ainda constituir uma rede transnacional para disputar uma saúde para todos global.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!