A uberização do ensino como desvalorização da docência

Professores horistas são seriamente prejudicados durante pandemia.

Kezia Lima 9 jul 2020, 14:08

Antes mesmo do início da pandemia alguns professores já sentiam um efeito terrível da má remuneração e desvalorização da educação: contratos temporários ou seletivos sem garantias e direitos, como horários remunerados para planejamento de aula e correções de trabalho. Contratos que pagam apenas a hora/aula de uma disciplina: carga horária de 60 horas, o professor recebe apenas a aula dada (4 horas por semana/disciplina) e, ao fim do semestre, não há remuneração alguma no período de férias, nem 13º salário, nada. Os efeitos disso vieram mais fortes com a pandemia.

Com as aulas suspensas, esses contratos que pagam apenas a aula lecionada, colocaram os professores horistas em uma situação calamitosa. Muitos, sem ter outra fonte de renda, passaram a não ter renda alguma. É o caso dos professores horistas da Universidade Estadual de Roraima (UERR), que de dezembro de 2019 a julho de 2020, apenas foram remunerados pelas aulas de final de fevereiro e das duas semanas de março.

Com a abertura para a solicitação do auxílio emergencial, alguns professores horistas que se inscreveram para receber o auxílio foram atendidos. Porém, cadastrados como servidores públicos, esses professores horistas agora estão entre os mais de 1.700 servidores de Roraima convocados a devolver o auxílio emergencial de R$ 600,00 e tiveram seus auxílios suspensos.

Um professor horista com mestrado na UERR recebe R$40,60 por hora aula. Uma disciplina com carga horária de 4h semanais rende no final do mês R$ 750,00, ou seja, menos que um salário mínimo por uma disciplina. A situação de desvalorização desses professores vai desde a incerteza de prover as necessidades de suas casas e dependentes a ser convocado pela instituição para prestar esclarecimentos sobre as razões de ter solicitado o auxílio emergencial e, agora, a ter que devolver os valores do auxílio recebidos até o momento.

Nossos professores horistas sempre estiveram sujeitos a essa modalidade de contrato severa e desumana, mas, nesse período da pandemia, vimos a classe ficar desamparada financeiramente. Pelo modelo do contrato, sabiam que não teriam renda nos períodos de férias, mas não durante o semestre letivo 2020.1. No fim das contas, esse modelo de trabalho exime o contratante de qualquer responsabilidade com seus funcionários. São chamados de servidores públicos sem gozar dos direitos inerentes a essa condição, ficando à mercê da própria sorte.

Esse fenômeno que se caracteriza com o sistema de uberização do trabalho é evidenciado quando observamos que os professores horistas arcam sozinhos com todos os riscos de um contrato como esse: não há garantia de salário frente a uma adversidade como a pandemia, não recebe pelos trabalho extra-sala (planejamento, correções de trabalho, orientação de alunos, reuniões de colegiado, etc). A situação é tão desumana que mesmo os professores horistas que não concordam com o ensino remoto, por questões pedagógicas, durante a pandemia precisam se submeter a ele, mesmo vendo graves problemas nesse formato, porque já estão em extrema pressão financeira, emocional e psicológica.

É urgente a revisão desse modelo de contratação dos professores. É necessário que a instituição aprenda com a Pandemia o que tem sido doloroso há muitos anos aos professores horistas: a instabilidade dessa modalidade é desumana. A instituição precisa mostrar à sociedade que a licenciatura deve ser uma interessante e atraente carreira, mas segue na contramão disso quando não valoriza os formadores de novos professores. A lição de casa precisa ser feita, as licenciaturas são os cursos menos procurados nas seleções de vestibular e a lógica é clara: a desvalorização do docente projeta nos alunos um desprezo por uma carreira que é tratada com tanto descaso.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.