A pedido de Sâmia e Andréa Werner, MP vai investigar planos de saúde que não oferecem terapia online

Inquérito foi instaurado para averiguar o porquê de os planos se negarem a fazer atendimento remoto para pessoas com deficiência durante a pandemia.

Equipe Sâmia Bomfim 20 nov 2020, 13:33

Graças a uma ação da deputada Sâmia Bomfim e da jornalista e liderança social, Andréa Werner, o Ministério Público de São Paulo vai investigar o motivo de planos de saúde não oferecerem terapias online durante a pandemia de covid-19. 

De acordo com a representação, serão investigadas a Ameplan Assistência Médica Planejada (São Paulo),a Amil (São Paulo, Mogi Das Cruzes), Med-Tour Saúde, Notredame, Porto Seguro Companhia De Seguros, Unimed Monte Alto, Unimed Santos, Unimed Ribeirão Preto E Unimed Cajati, Savisa (São José Do Rio Pardo) e São Francisco (Porto Ferreira). 

Sâmia e Andréa Werner acionaram o MP em maio de 2020 após receberem denúncias de mães e pais de crianças e adolescentes com deficiência sobre convênios que se negaram a oferecer atendimento remoto, alegando que tal serviço não está previsto em contrato.

“É absurdo que justo nesse momento de pandemia os planos de saúde se neguem a prestar assistência remota aos seus clientes. Queremos que o Ministério Público atue para impedir que esse desrespeito com as pessoas com deficiência permaneça acontecendo”, afirma Sâmia. 

Artigo originalmente publicado no site da deputada.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos
Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento, de números 19 e 20. Nela, publicamos um dossiê que celebra os 150 anos de nascimento de Rosa Luxemburgo, vinculado à iniciativa coordenada por nossa camarada Luciana Genro: o curso da Escola Marx “150 anos de Rosa Luxemburgo: pensamento e ação”.