Celebração e conscientização no mês de luta das mulheres

O mês de março tem a simbologia de representar as lutas históricas das mulheres ao redor do mundo por liberdade, igualdade e justiça.

O ato de celebrar é algo que marca a existência humana. Celebrar é uma forma de cultivar a memória sobre as alegrias e tristezas que nos fazem seres humanos. Alegrias das conquistas, da solidariedade, de nossos sonhos e esperanças se tornando realidade. Tristezas em relação às perdas, às injustiças, às humilhações, às violências, e tudo que nos causa muito sofrimento e precisa ser relembrado e superado pelas nossas lutas.

A origem do mês de luta das mulheres nos remete a esses dois tipos de memória. A celebração remonta à dura luta travada por trabalhadoras por melhores condições de trabalho desde o século XIX. Repressão policial contra as mobilizações e condições de trabalho degradantes marcam essas lutas e reivindicações. Um acontecimento emblemático nesse sentido foi o incêndio em uma fábrica de Nova Iorque em março de 1911, que matou 123 trabalhadoras e 23 trabalhadores. Por outro lado, a definição de uma data para a celebração remonta à força da organização internacional das mulheres no início do século XX, com destaque para lideranças como a revolucionária alemã Clara Zetkin.

O estudo da luta das mulheres nos leva longe. Historiadoras como a italiana Silvia Federici nos mostram como durante a Idade Média houve um forte movimento de perseguição e assassinato de mulheres que lutavam pelo uso comum da terra. Essas mulheres “sábias” detinham também um vasto conhecimento milenar sobre métodos contraceptivos. Esse movimento, liderado pelo clero, grandes comerciantes e senhores feudais, ficou conhecido como o movimento de “caça às bruxas” e tinha como objetivo destruir o status das mulheres, retirá-las do espaço público e enclausurá-las na esfera doméstica sob o domínio do patriarca. A “caça às bruxas” foi o primeiro movimento na Europa voltado para a domesticação da mulher. Conhecer essa história é fundamental para entendermos os desafios que estão colocados hoje.

Em nossa sociedade, a mulher tem assumido o trabalho mais valioso. Pessoas idosas, doentes, crianças, são em geral sujeitos que recebem o cuidado feminino nos ambientes domésticos. Infelizmente vivemos em um mundo no qual o dinheiro vale mais que as pessoas e, por isso, o trabalho doméstico de cuidado não é reconhecido e valorizado.

Além de assumirem a maior parte dos trabalhos dentro de casa, dedicando praticamente o dobro de horas do que as dedicadas pelos homens (PNAD 2016), as mulheres assumem majoritariamente trabalhos fora de casa associados à:

* reprodução, como os ligados à limpeza e alimentação (sendo 92% das pessoas ocupadas em serviços domésticos remunerados – IPEA 2019);

* cuidados de saúde (tendo 85% de presença nas equipes de enfermagem – FIOCRUZ/COFEN 2013) e;

* formação humana (representando mais de 80% entre docentes de educação básica no Brasil – INEP 2017).

Precisamos nos perguntar: por que os homens não assumem mais tarefas ligadas à reprodução, aos cuidados com a saúde e à formação? Não podemos responder essa pergunta perdendo de vista que as mulheres são sub-representadas em funções de chefia (sobretudo nos cargos mais altos de grandes empresas), em cargos políticos eletivos (menos de 15% no Congresso Nacional) e recebem em média 20% a menos do que os homens (PNAD 2019).

Isso tudo revela que o que existe não são simples diferenças entre homens e mulheres, mas um quadro de profunda desigualdade. A inferiorização das mulheres através de baixos salários, sobrecarga de trabalho e falta de reconhecimento só é mantida à base de muito preconceito e violência.

Nos últimos anos, medidas como a restrição de investimentos sociais (2016), Reforma Trabalhista (2017) e a Reforma da Previdência (2019) atacam todo o povo brasileiro, sendo violências estatais cujas consequências são sentidas principalmente pelas mulheres.

Essas violências institucionais se articulam com as violências do dia a dia. São inúmeras as mulheres que já tiveram sua capacidade subestimada ou rebaixada nos postos de trabalho que ocupam. Há aqueles que ainda repetem e acreditam em afirmações vergonhosas como “lugar de mulher é só cuidando de casa”. E, infelizmente, ainda são comuns desde violências “sutis” (não para quem as sofre) a crimes horríveis cometidos por homens que “não suportam” ter seu orgulho ou seus sentimentos feridos por decisões de mulheres sobre suas próprias vidas e seus corpos.

O mês de março tem a simbologia de representar as lutas históricas das mulheres ao redor do mundo por liberdade, igualdade e justiça. Vencer essas lutas caminha junto com a construção de um mundo sem exploração e opressão.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!