Lula livre para disputar

Roberto Robaina analisa a anulação dos processos contra Lula e seus impactos na luta contra o bolsonarismo e na eleição de 2022.

Roberto Robaina 8 mar 2021, 17:42

É uma vitória democrática que Lula tenha restabelecido seus direitos políticos. Num país em que um criminoso ocupa o cargo de presidente da República e inúmeros políticos envolvidos em esquemas de corrupção comandam os podres poderes, as condenações de Lula eram apenas a decisão política de não mais aceitar sua participação de qualquer tipo no condomínio de poder do estado burguês. Sabendo, ademais, que Lula tinha chances de vencer em 2018, Moro e o STF resolveram impedi-lo de disputar.

Agora Lula pode estar com o campo livre para atuar. É uma condição fundamental para que se possa testar a capacidade de todos os setores de oposição para organizar o enfrentamento contra a tragédia bolsonarista.

Quando Lula foi libertado, esse campo de prova começou. Sabemos que, apesar disso, a oposição politica e parlamentar não foi capaz de uma ação forte que deslocasse a relação de forças contra o governo. Quando isso ocorreu foi pelas mãos da oposição social, seja o movimento estudantil em 2019, com as mobilizações de maio, seja em 2020, com os atos antifascistas em abril. Tudo sem a participação digna de nota dos partidos da esquerda tradicional.

A divisão burguesa foi outra trava ao projeto bolsonarista de mudar o regime político e impor o autoritarismo como aspecto dominante na situação nacional. A burguesia, porém, como sabemos, ao fim e ao cabo, tem sido cúmplice do bolsonarismo. Suas divisões são importantes, mas o determinante é a capacidade do povo de construir um caminho próprio, independente. Qual a linha adotará Lula? Qual o preço que a burguesia e seu judiciário irão pedir? Exigirão de Lula uma nova carta ao povo brasileiro, que foi seu passaporte para realizar um acordo com a classe dominante que o aceitou no poder a partir de então? Teremos muita movimentação nos próximos meses.

O desafio agora é o chamado à mobilização social, com panelaços, carreatas, e ir às ruas assim que as condições sanitárias permitirem, ou até apesar delas, se for inevitável, como ocorreu em nosso vizinho Paraguai.

No terreno eleitoral, o debate sobre a necessidade da unidade contra Bolsonaro segue posto. Mas, no marco da divisão entre PT, PDT, PSB, PC do B, PSOL, etc., e nomes em disputa, como Ciro e Haddad, entre outros, como Lula apresentará sua cartada? Como candidato natural? Nós que defendemos um projeto dos trabalhadores em oposição à continuidade de Bolsonaro e antiliberal burguês, afirmamos que nada deve parecer natural.

Com Lula no cenário, o debate do programa ganha ainda mais peso diante da experiência de seu próprio governo. A frente da oposição de esquerda e de centro-esquerda contra Bolsonaro é um desafio. Para nós, uma frente com esse caráter pode e deve ser formada. É claro que com Lula se postulando, ao seu nome carregar um programa vivo, de nossa parte afirmaremos ainda mais uma lógica de independência de classes. Esta é a razão de ser do PSOL. O PT terá que dizer quais são suas conclusões reais de seus 13 anos de governo social-liberal com medidas sociais compensatórias. O PSOL saberá votar para derrotar Bolsonaro. Ao mesmo tempo, o PSOL saberá escolher a tática para defender suas bandeiras históricas e seu projeto anticapitalista.

Eis temas de debates que irão nos acompanhar nos próximos meses.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!