Bernie está certo. Devemos expandir e melhorar imediatamente o Medicare

A melhor maneira de salvar vidas com um programa que nos coloque mais perto do Medicare for All.

Michael Lighty 27 abr 2021, 18:30

Chegamos a um ponto crítico na campanha para ganhar o Medicare for All.

Pela primeira vez em uma década, a questão decisiva da saúde está sobre a mesa no Congresso: Devemos continuar com o sistema de seguro de saúde comercial, ou devemos melhorar e expandir o Medicare?

Devemos tornar permanentes os subsídios ampliados para a compra de seguros comerciais, como preferem os líderes democratas como Nancy Pelosi, ou devemos baixar a idade de elegibilidade para o Medicare, cobrindo ao mesmo tempo os gastos odontológicos, auditivos e com visão e limitando todos os gastos fora do bolso a US$ 2.000 por ano, como propõe Bernie Sanders?

A escolha não é totalmente satisfatória. A fim de alcançar a economia de custos, eliminar as negativas de atendimento e garantir a saúde de todos, nós realmente precisamos (um Medicare melhorado) para cobrir todos. A expansão do Medicare não elimina os lucros e o desperdício do status quo. (O Escritório de Orçamento do Congresso estima que o Medicare para Todos economizaria 650 bilhões de dólares por ano em comparação com o sistema atual, como organizado sob a Lei de Cuidados Acessível [ACA]). O mais importante, uma expansão baseada na idade deixaria mais de cem milhões de residentes dos Estados Unidos à mercê dos benefícios de saúde fornecidos pelo empregador.

Mas, infelizmente, o Medicare for All ainda não é viável. A expansão é. E a abordagem baseada na idade de Sanders traria aqueles cujo estágio na vida os tornou especialmente vulneráveis à indústria da saúde, enquanto também contestava a alternativa de seguro comercial e expunha a deferência do Partido Democrata à indústria da saúde. Isso nos aproximaria qualitativamente do Medicare for All.

Os defensores da expansão do sistema ACA afirmam que é a melhor maneira de obter mais assistência médica para o dólar – uma posição espantosa dado o nível de lucros que as seguradoras têm obtido durante a pandemia (incluindo US$ 12,4 bilhões para a UnitedHealth), nenhum dos quais foi para um único caso de assistência ao paciente. Com os gastos da administração do Medicare em 2% e os gastos com seguros comerciais em pelo menos 12% (mais lucros), é claro qual é a maneira mais eficiente de prestar assistência médica. É preciso eliminar as seguradoras comerciais.

Os democratas centristas gostam de dizer que devemos proteger o que temos e construir a partir dele, afirmando que a estratégia é o caminho político seguro. Mas quão seguro é esse caminho se ele não resolver o problema? Até que ponto é seguro se o trabalhador médio continuar a sofrer e ver os políticos não fazerem nada a respeito disso?

Os custos da saúde continuam a subir acima de outros indicadores-chave, incluindo o crescimento do PIB e as taxas do Índice de Preços ao Consumidor. A franquia individual média do seguro fornecido pelo empregador é de US$ 1.644, acima dos US$ 917 em 2010. Hospitais e seguradoras podem cobrar o que quiserem, e ambos têm isenções antitruste, portanto, a conivência é desenfreada. Preços mais altos significam lucros maiores.

O subsídio fiscal da ACA é extremamente benéfico para as seguradoras, um benefício para os hospitais que dependem de seguros comerciais – e devastador para os hospitais rurais e urbanos que servem as comunidades da classe trabalhadora. Só na última década, as cadeias de hospitais corporativos fecharam dezenas de hospitais.

A ACA não conseguiu controlar os custos, ao mesmo tempo em que aumentou os lucros da indústria e garantiu a continuidade das negações de atendimento (quase um em cada cinco pedidos de reembolso apresentados aos planos de intercâmbio da ACA é negado anualmente). A ACA tem aumentado os custos de gastos extras e limitado a escolha de provedores por parte dos pacientes. Como manter esse modelo é politicamente sensato?

Além disso, a expansão dos subsídios da ACA apenas aprofunda a desvantagem competitiva das empresas que pagam pelos benefícios de saúde dos funcionários (como quase todos os empregadores sindicais fazem) e torna mais difícil ganhar acordos de negociação coletiva e novas iniciativas de organização. Por outro lado, a extensão da elegibilidade do Medicare aos trabalhadores mais jovens poderia dar aos planos negociados com o sindicato uma nova oportunidade de vida – reduzindo os custos em 25% ou mais.

Os democratas pró-mercado estão dispostos a fazer essas concessões. Milhões de pessoas obtiveram cobertura (embora principalmente através de uma expansão da Medicaid, não de seguros privados); milhares de vidas foram salvas; e a liderança democrata foi capaz de evitar lutas políticas embaraçosas.

Os pobres e a classe trabalhadora não tiveram tanta sorte: um relatório da Comissão Lancet identificou 461.000 mortes “excedentes” nos EUA em 2018 acima da mediana para países comparáveis com o sistema nacional de saúde. Em um relatório recente, o Public Citizen identificou centenas de milhares de mortes na COVID-19 que poderiam ter sido evitadas se os Estados Unidos tivessem um sistema Medicare for All. Essas mortes estavam concentradas em bairros predominantemente negros e pardos de trabalhadores essenciais, e entre aqueles com condições crônicas exacerbadas pela falta de assistência médica. Continuando a subsidiar seguradoras privadas perpetua seu modelo comercial assassino.

É hora de parar de escorar o sistema atual. Está na hora de parar de “consertar” o ACA. A melhor maneira de salvar vidas é garantindo a saúde de todos através de um programa melhorado e expandido – e nos colocando um passo mais perto do Medicare for All.

Artigo originalmente publicado na revista Jacobin. Reprodução da tradução realizada pela Fundação Lauro Campos.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é uma edição especial de nossa Revista Movimento, de números 19 e 20. Nela, publicamos um dossiê que celebra os 150 anos de nascimento de Rosa Luxemburgo, vinculado à iniciativa coordenada por nossa camarada Luciana Genro: o curso da Escola Marx “150 anos de Rosa Luxemburgo: pensamento e ação”.