Hong Kong: parem a perseguição contra os combatentes da liberdade!

A liberdade de expressão através da fala ou manifestação é a única maneira dos fracos e oprimidos corrigirem os erros que lhes são cometidos

Union syndicale Solidaires 28 abr 2021, 16:19

Na sexta-feira, 16 de abril, entre 8 e 18 meses de prisão, cinco destacados opositores de Hong Kong foram entregues por seu envolvimento nos protestos em massa que ocorreram em 18 e 31 de agosto de 2019 em Hong Kong.

Eles incluíram: Lee Cheuk-yan, Secretário Geral da Central Sindical do Trabalho HKCTU (14 meses), Leung Kwok-hung (apelidado de “Cabelo Longo”) da Liga dos Sociais-Democratas (18 meses). Cinco outras pessoas receberam sentenças suspensas similares.

E a repressão não para por aí. Outro julgamento está previsto para acontecer em breve contra 47 figuras proeminentes da oposição social e política. Entre elas: Carol Ng, presidente da HKCTU, Winnie Yu, presidente do sindicato HAEA do pessoal dos hospitais públicos, “Cabelos longos”, já condenado em 16 de abril. A maioria deles está em prisão preventiva desde 28 de fevereiro. Desta vez, as sentenças podem ir até a prisão perpétua.

Além disso, há mais de 2.500 processos judiciais em andamento, dos quais 720 também podem resultar em prisão perpétua.

Como nosso camarada Lee Cheuk-yan disse diante dos juízes, “o direito das pessoas de se manifestarem pacificamente é um direito fundamental”.

“A liberdade de expressão através da fala ou manifestação é a única maneira dos fracos e oprimidos corrigirem os erros que lhes são cometidos”.

Para deter esta escalada repressiva, a solidariedade internacional é mais do que nunca necessária.

Paris, 19 de abril de 2021.

Artigo originalmente publicado em Europe Solidaire. Reprodução da tradução realizada pela Fundação Lauro Campos.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!