Trazendo Malcolm à vida

Danilo Serafim relembra a vida, a luta e o legado de Malcolm X.

Danilo Serafim 13 maio 2021, 13:52

A primeira vez que ouvi falar de Malcolm X, foi no ano de 1982 (há 39 anos) por um amigo inglês que veio morar em minha cidade, Steve French (que hoje não se encontra mais entre nós), e que exerceu uma grande influência na minha tomada de consciência negra quando eu tinha apenas 21 anos.

Porém, formalmente, eu só tive “contato direto” com Malcolm X no ano de 1986 (há 35 anos), quando li a autobiografia de Malcolm X com a colaboração do grande Alex Haley, o autor de Negras Raízes, que se tornou um seriado de TV e marcou profundamente uma época.

Foi no hospital na ante-sala de parto, quando meu filho Danilo estava nascendo. Até hoje tenho comigo a Autobiografia de Malcolm X.  Um livro que marcou e ainda marca profundamente a minha vida. Arrisco a dizer que este livro mudou o rumo de minha vida.

Logo depois, tive a oportunidade de ler a trilogia de Isaac Deutscher (os três Profetas), e meu tornei um trotskista. Mas, em primeiro lugar, foi Malcolm e não Trotsky quem afetou inicialmente minha consciência.

No centenário de Ruth de Souza, no ano que supremacistas brancos se fantasiaram de Ku Klux Klan em Porto Alegre num acinte, numa verdadeira afronta racista a toda população negra brasileira, no ano em que mais uma chacina como a do Jacarezinho perpetrada pela polícia contra a população e a juventude negra, tendo como engodo a chamada guerra às drogas, que nada mais é, do que uma desculpa esfarrapada para o extermínio do povo negro.

O artigo de Malik Miah sobre o lançamento de The Dead Arising (Os mortos estão surgindo), nos presenteia e nos inspira de levar adiante a luta antirracista em todo o mundo, e no Brasil principalmente!

Hoje é dia 13 Maio!

São várias as publicações sobre a saga de Malcolm X. Uma das mais impactantes, “Autobiografia de Malcolm X”, com a colaboração de Alex Haley, autor de Negras Raízes, trouxe a luz, a história absorvente de um homem que saiu dos cortiços dos guetos negros americanos, um homem que foi assaltante, traficante de tóxicos e proxeneta, e se tornou o mais dinâmico líder da Revolução Negra nos Estados Unidos.

Ao longo de dois anos Malcolm, conviveu e contou toda a sua história de vida para Alex Haley. Com base nos depoimento do líder dos mulçumanos negros, o escritor e jornalista pôs no papel a história da vida do líder político, um relato impressionante, que é possível usar todos os adjetivos possíveis. O líder carismático dos mulçumanos negros, o orador inflamado, que marcou sua trajetória com o discurso em 3 de abril 1964, “The Ballot or the Bullet” (A cédula ou a bala).

O líder negro que pregava o ódio contra os brancos e reivindicava um território nos Estados Unidos para os negros americanos, o homem que queria levar a Revolução Negra até as últimas consequências que defendia formar um estado independente. Que adotou a letra X em seu nome, representando o nome de família africana desconhecida, que os brancos haviam extirpado da África, volta ao centro da polêmica. Num momento fundamental da luta antirracista nos EUA, mas também, especialmente, no Brasil, com o lançamento do livro escrito por Les Payne e Tamara Payne, The Dead are Arising (Os mortos estão ressurgindo).

Reproduzo aqui, a narrativa de MaliK Miah, publicada no Against The Current (A Socialist Journal), Trazendo Malcolm à Vida. Senão Vejamos:

 Esta é uma nova biografia poderosa de um dos maiores afro-americanos do século 20, Malcolm X (nome mulçumano el Hajj Malik el- Shabazz). Sua voz ainda ressoa em todo o mundo enquanto seus discursos são tocados para novas gerações ativas.

The Dead Arising fornece um quadro muito mais completo da vida e morte de Malcolm X. Ele se baseia em entrevistas com seus amigos e familiares, incluindo irmãos que se juntaram à Nação do Islã (NOI) antes dele, para avaliar sua contribuição no contexto das vezes.

O título do livro se refere à crença da NOI (Nação do Islã) de que todos os negros estão “mortos” até sua conversão à Nação do Islã. Os “negros” ainda não conheciam seu verdadeiro eu. Eles tiveram que se libertar do falso senso de inferioridade imposto pela sociedade branca. (Como o sobrenome da maioria dos negros geralmente é o dos proprietários de escravos brancos, ele não reflete a herança africana. A letra “X” significa desconhecido).

Malcolm deixou a Nação do Islã em março de 1964. Ele então apresentou uma visão mais radical de alcançar a autodeterminação negra e a libertação do racismo e da opressão nacional.

Em discurso de 3 de abril de 1964, em Cleveland, Ohio, “The Ballot or the Bullet” , Malcolm disse a seus seguidores para se juntar a organizações, como a NAACP (Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor), para espalhar o nacionalismo negro e chamar a atenção para os problemas que afetam os afro-americanos. Ele encorajou os afro-americanos a lutarem contra a opressão do “homem branco” por meio da “cédula ou da bala:”

 “É hora de submergir nossas diferenças e perceber que é melhor para nós primeiro ver que temos o mesmo problema, um problema comum – um problema que vai fazer você pegar o inferno, seja você um batista ou metodista, ou um mulçumano ou um nacionalista. Quer você seja educado ou analfabeto, quer more no bulevar ou no beco, você vai para o inferno assim como eu”.

O livro é baseado em décadas de pesquisas meticulosas por Les Payne, um jornalista aclamado que morreu antes de ser concluído em 2018. Sua filha, Tamara, sua pesquisadora principal, transcritora e colaboradora, concluiu o livro.

Décadas de pesquisa

Como ela explica na introdução, seu pai ouviu Malcolm X falar pela primeira vez na Universidade de Connecticut, em 1963. Les Payne disse que fez o discurso como um “negro” e saiu pela primeira vez como um “negro homem”.

Malcolm disse aos jovens: “Agora eu sei que você não quer ser chamado de ‘Black’. Você quer ser chamado de ‘negro’. Mas o que Negro significa, exceto preto em espanhol? Então, o que você está dizendo: “Tudo bem me chamar de ‘Black’ em espanhol, mas não me chame de Black em inglês.”

Os “negros” cresceram em uma sociedade racista dirigida por supremacistas brancos, onde autodepreciação e inferioridade eram ensinadas por brancos e aceitas até por muitos negros instruídos. A crença no orgulho negro e na igualdade era a luta que Malcolm X e os nacionalistas negros defendiam.

Hoje, o respeito próprio dos negros é dado como certo. Esse não foi o caso na maior parte da história dos Estados Unidos até o fim da segregação de Jim Crow.

Les Payne era um jovem afro-americano orgulhoso e instruído quando Malcolm X foi assassinado em 1965.  Ele se tornou o vencedor do Prêmio Pulitzer e editor do jornal Newsday de Long Island, Nova York. Ele leu e releu a Autobiografia de Malcolm X, em coautoria com Alex Haley, após a morte de Malcolm. Quando Payne começou a pesquisa em 1990, ele descobriu que muitas coisas haviam sido deixadas de fora e precisavam de esclarecimentos. Ele entrevistou membros da família e muitos outros.

A força do livro está em contar a história da vida de Malcolm e a história da América negra desde a era da segregação legal até o final dos anos 1960.

O que veremos agora nas relações raciais tem conexão com o passado. Compreender a vida e as ideias de Malcolm é importante para as gerações de hoje. O movimento Black Lives  Matter ( BLM) só pode ser totalmente apreciado conhecendo esta história.

Em seu último ano de vida, Malcolm era mais do que um nacionalista negro. Ele se tornou um crente firma na solidariedade internacional e no ativismo revolucionário. Sua recém-descoberta conversão ao islamismo sunita ortodoxo, a base de sua recém-criada Muslim Mosque Inc. (MMI) e a secular OAAU (Organization of Afro- American Unity) mostram isso. Nenhum deles sobreviveu por muito tempo após sua morte.

A ideologia da supremacia branca foi a base da “Democracia Americana”. Mesmo brancos que não são racistas olham para o outro lado depois que os negros foram linchados ou assassinados por policiais. O preconceito inconsciente dos liberais brancos retardou o progresso e incitou os manifestantes a autolimitarem suas demandas por igualdade.

Esse é o ponto que Martin Luther King Jr. fez em sua famosa carta “Carta da prisão de Birmingham” em agosto de 1963:

“Sabemos por experiência dolorosa que a liberdade nunca é dada voluntariamente pelo opressor; deve ser exigido pelos oprimidos. Francamente, eu nunca me engajei em um movimento de ação direta que fosse ‘oportuno’ de acordo com o cronograma daqueles que não sofreram indevidamente com a doença da segregação. Há anos ouça a palavra ‘esperar’. Toca no ouvido de todo negro com uma familiaridade penetrante. Essa ‘espera’ quase sempre significou ‘nunca’”.

Legado de Lyching

Payne começa descrevendo o linchamento de William Brown, um homem negro em 1919, por um “motim racial” em Omaha Nebraska. A excitação viciosa da multidão branca que fez isso, e não enfrentou consequências, foi para onde a família Little se mudou em 1921.

Os capítulos iniciais também exploram o surgimento da Ku Klux Klan e o clima de terrorismo branco que prevaleceu após a derrota da Reconstrução Racial após a Guerra Civil.

A questão do linchamento e das celebrações dos brancos tem sido uma marca registrada vital da história americana. Os brancos escapam em liberdade enquanto a população negra sofre terror permanente.

Um novo filme, “Estados Unidos vs. Billie Holiday”, mostra como a maior cantora de jazz afro-americana foi alvo do FBI e da polícia por se levantar e cantar a canção anti-linchamento “Strange Fruit”.

Assediada e perseguida, posteriormente foi presa por posse de drogas. Ela acabou em 1959, aos 44 anos, em um quarto de hospital de Nova York sob a guarda da polícia.

Malcolm Little nasceu em 1925, seis anos após o linchamento de Brown, no Hospital Universitário de Omaha. Os pais de Malcolm, Louise e Earl Little, ingressaram na Universal Negro Improvement Association ( UNIA), fundada por Marcus Garvey com base no Harlem, uma das organizações negras mais importantes do século XX.

Garvey foi o imigrante nascido na Jamaica que pregou a autossuficiência negra, o nacionalismo negro e o orgulho de ser africano na década  de 1920. Ele foi visado pelo antecessor do FBI e finalmente preso e deportado em 1927. A organização tinha filiais em grandes comunidades e em muitos países.

Quando criança, Malcolm ouvia seu pai pregando os princípios garveyistas do orgulho negro, independência e repatriação para África. Payne deixou claro que a influência de seus pais estava no cerne da identidade de Malcolm. Como explicou certa vez o ativista “Black Power” Kwame Ture (ex- Stokely Carmichael) , Malcolm nunca mudou de verdade. Ele disse que sua “filosofia básica erro o garveyismo” da infância ao túmulo.      

Earl nasceu em Jim Crow, Georgia e conhecia bem a violência desse sistema. Ele também era um ministro batista. Louise nasceu na ilha de Granada. Ela migrou para o Canadá e depois para os Estados Unidos. Como todos os imigrantes, ela estava determinada a ter sucesso com sua grande família (oito filhos). Louise tinha a pele clara e poderia se passar por “branca”. Isso lhe rendeu alguns trabalhos dos quais os negros de pele mais escura seriam excluídos.

Morte do pai em 1931

O pai orgulhoso e determinado de Malcolm mudou-se com a família para áreas brancas e comprou seis acres de terra em um subúrbio de Lansing, Michigan. Como em Omaha, a família enfrentou ameaças de grupos de supremacia branca. Nem Earl nem Louise jamais se curvaram.

Uma surpresa do livro diz respeito à morte de Earl Little. Malcolm sempre insistiu que seu pai foi assassinado por racistas brancos  (seus filhos ainda dizem isso). Acontece, de acordo com Payne, que ele foi acidentalmente atropelado por um bonde, embora Malcolm nunca tenha se convencido, por causa das inúmeras ameaças feitas contra sua própria família e sua vida. Seu irmão mais velho, Wilfried, entrevistado por Payne, tinha 11 anos na época. Malcolm tinha apenas seis anos. Sua mãe aceitou a explicação do acidente após uma investigação.

Payne também revela mais sobre o encontro infame de Malcolm e a colaboração da Nação do Islã, com a Ku Klux Klan e o partido nazista dos EUA. Malcolm assumiu a reunião com o chefe da KKK como porta-voz nacional da NOI, conforme instruído por “O Mensageiro” Elijah Muhammad. Os racistas brancos propuseram colaboração com a NOI para assassinar o Dr. King, o que Malcolm rejeitou.

Encarceramento e conversão

Malcolm foi preso, processado e encarcerado em Massachusetts aos 20 anos. Payne explica que o encarceramento foi o pivô da vida de Malcolm. Ele aceitou os ensinamentos da NOI enquanto esteve atrás das grades por sete anos, graças à evangelização da correspondência de seus irmãos Philbert e Reginald.

Malcolm se dedicou à mensagem nacionalista negra de sua nova religião e a seu líder Elijah Muhammad. Ele rapidamente se tornou o porta-voz mais eficaz e reconhecível do grupo, com as críticas ferozes à América branca e um evangelho do auto-respeito aos negros.

A separação de Malcolm da NOI cultuada, na opinião de Payne, era inevitável. No final, foi a suspensão de Malcolm da NOI por chamar o assassinato de John F. Kennedy de “galinhas voltando para o poleiro” e o escândalo sexual em torno do líder Elijah Muhammed – que teve vários filhos om suas secretárias – que levou à sua saída. Mas Payne deixou claro que Malcolm sempre deixaria a NOI. A questão era quando e quão explosiva sua partida.

A separação acabou levando à sua morte. Os dois capítulos finais são dedicados a um relato detalhado do assassinato de Malcolm nas mãos da Nação do Islã com a ajuda do FBI e do NYPD (Polícia de Nova York), que tinha informantes com informações antecipadas sobre o assassinato e não interveio.

A celebridade política e a abordagem sem remorso de Malcolm acabaram virando a liderança da NOI contra ele e, de acordo com Payne, Muhammed deu a ordem de assassinato que levou à morte de Malcolm. Payne discute o papel do programa COINTELPRO (Counter Intelligence Program) do FBI que visava “neutralizar” e prevenir o surgimento de um “ Messias Negro”. Mas ele deixa claro que Muhammad disse a seus associados mais próximos no Fruto do Islã, o braço de segurança da Nação, para tirar Malcolm.  

O papel de Farrakhan

Payne destaca o papel de Louis Farrakhan, então ministro do Templo de Boston e atual líder de longa data da Nação do Islã. Ele foi “cúmplice” e reconheceu que “criou a atmosfera que levou ao assassinato de Malcolm”.

Farrakhan estava no Templo de Newark, Nova Jersey, onde os membros do Fruto do Islã voltaram do Audubom Ballroom onde Malcolm foi morto. Payne faz um relato detalhado do assassinato de Malcolm – quem estava presente no Ballroom, a falta de segurança e aqueles que atiraram em Malcolm. Os detalhes nunca foram totalmente claros, mas a narrativa de Payne destaca figuras-chave e examina o possível envolvimento do FBI e da polícia de Nova York.

Malcolm sabia que estava em perigo e pouco fez para se proteger. Ele havia treinado guarda-costas (que foram presos dias antes do assassinato), mas sabia que a Nação por si não poderia tirá-lo sem a cumplicidade dos órgãos governamentais e da polícia.

No final, Payne sugere, está tão claro como sempre deveria ter sido que você não pode ser pró-Malcolm X e a favor de Farrakhan e a Nação do Islã. Este fato do papel de Farrakhan foi admitido pelo próprio Farrakhan, 22 anos após o assassinato de Malcolm.

Ao romper com a Nação do Islã, Malcolm se dedicou ao Islã sunita e começou a experimentar novas ferramentas para um movimento global de libertação dos negros baseado nos direitos humanos. Tanto Elijah quanto o governo queriam que ele fosse removido.

Legacy e o BLM

O Epilogo do livro discute brevemente o legado de Malcolm, incluindo seu impacto no movimento Black Lives Matter (LBM), pedindo nada menos do que justiça e igualdade no sistema criminal.

Como Malcolm, o BLM exige tudo que os negros merecem, por todos os meios necessários. Não defende a violência, mas não vai respeitar a lógica amoral doentia que condena a destruição de propriedade como uma resposta “ extremada” à polícia atirando em homens e mulheres negros.

E graças à liderança de mulheres negras e pessoas LGBTQ negras que iniciaram o BLM, a imaginação do movimento atual é ainda mais expansiva do que seus antecessores em meados do século 20. Esta é a promessa que eles mantêm, e a ideia que levou Payne a escrever até que sua própria morte levou sua pena: “Vamos superar até mesmo os sonhos mais loucos de Malcolm”.

Uma deficiência de The Dead Are Arising é não discutir os discursos de Malcolm X, como a “cédula ou a bala”, ou a “votação ou a bala”. É relevante para as suas discussões sobre táticas e estratégias hoje. Os Paynes também não discutem a importância da formação da OUA (Organização da Unidade Africana) e suas demandas democráticas radicais. Isso foi mais do que uma reprodução de grupos de direitos civis mais antigos.

Malcolm teve a visão de construir uma organização para todos os afro-americanos, religiosos e não crentes, semelhante à Organização da Unidade Africana (OUA). Sua morte veio muito cedo; seus seguidores não conseguiram mantê-lo vivo.

Malcolm continua sendo um exemplo brilhante para nacionalistas revolucionários, socialistas e antirracistas de todos os grupos raciais e étnicos em todo mundo. Com sua apreciação do poder das palavras, Payne conclui, “Malcolm ajudou a mudar os nomes que as pessoas chamavam a si mesmas, ‘Black’ de um insulto entre os chamados negros americanos – palavras de luta em muitos casos – para uma afirmação orgulhosa.

Mais tarde, após sua estada na África e suas conversas com expatriados negros americanos lá, ele ajudou a popularizar o termo ‘afro-americano’, abraçar a África foi visto apenas como uma vergonha pela Nação do Islã, bem como por muitos negros cristãos.  

“Você não pode ter as raízes de uma árvore, e não a árvore, dizia enquanto dirigia os olhos afro-americanos para a África. ‘Você não pode odiar a África e não se odiar’. Essas palavras falam diretamente aos jovens de hoje nos Estados Unidos, enquanto desafiam os padrões de beleza da mídia a serem mais inclusivos”.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!