A Nova República Empalhada e os nossos desafios

A Nova República Empalhada e os nossos desafios

A reforma política encabeçada por Lira é uma tentativa de empalhar a Nova República, mantendo-a viva apenas na sua aparência. Cabe a nós lutar para que a esquerda Socialista e consequente busque enterrar de vez o cadáver da Nova República e o genocida que se apoia no fisiologismo para governar.

Bernardo Corrêa 5 ago 2021, 14:24

A reforma política pautada por Lira e seus bandoleiros na Câmara dos Deputados demonstra que o chamado “Centrão” continua a ser o principal ponto de estabilidade política de qualquer governo burguês no Brasil.

Para salvar sua pele e acenar aos “mercados” sempre ávidos por esfolar o povo trabalhador, o governo Bolsonaro favorece à possibilidade de um retrocesso enorme no terreno eleitoral. Sempre foi refém deles, apesar das bravatas e motociatas.

Até aí quase nada de novo. Collor, Itamar, FHC, Lula, Dilma, Temer…. Todos governaram com a base alugada dos partidos fisiológicos da direita e, portanto a serviço dos interesses dos ricos e o fisiologismo de seus ventríloquos parlamentares.

À primeira vista, a explicação para esta força do fisiologismo reside na forma do regime político. Há quem acredite que bastaria uma reforma para reorganizar o sistema político e defender-se dos caciques partidários, mas esta é apenas aparência do problema.

O regime liberal-periférico brasileiro foi montado em 1988 após um ascenso que derrotou a ditadura. A Constituição vigente nada mais é do que a cristalização (formal) da correlação de forças deste momento. Ou seja, a manutenção da dominação burguesa, com algumas concessões econômicas e liberdades democráticas.

A avalanche posterior de cariz neoliberal atacou na medula as concessões econômicas aos de baixo que foram conquistadas no ascenso e a cooptação do lulismo ao modus operandi do regime consolidou esta tendência. A ascensão da extrema-direita colocou em risco também as concessões no terreno das liberdades democráticas.

A Nova República foi ferida de morte após as grandes jornadas de Junho de 2013, foram expostas suas vísceras após a derrota do movimento que foi enclaustrado entre a velha esquerda e a nova direita.

Frente à ausência de uma alternativa anticapitalista e independente  que trouxesse algum sopro de vida, uma parte importante povo buscou no chorume o voto contra o cadáver e está sentindo na carne a dor de seu erro.

Após a experiência trágica de um governo da morte quando era preciso defender a vida, o cadáver da Nova República segue cercado pelos abutres que se alimentam dele. A direita fisiológica autodenominada “Centrão” já não teme que os vermes da extrema-direita de Bolsonaro, ao alimentar-se de sua putrefação ganhem força para fazê-los sucumbir.

Resta então a Lira e seus bandoleiros empalhar a Nova República. Retirar suas vísceras e aproveitar sua pele para seguir usufruindo de sua aparência da qual são os mais autênticos representantes.

De nossa parte, especialmente os que somos do PSOL, resta lutar para que a esquerda Socialista e consequente busque enterrar de vez o cadáver e apoiar-se no vigor das novas vanguardas que se movem nas ruas para derrubar o genocida na presidência apoiado no fisiologismo para terminar o mandato. Criar um corpo político vivo, legatário das melhores lutas de nosso povo para construir com ele uma saída para a crise profunda e multidimensional que vivemos. Ou se, tragicamente, optará por diluir-se na palha reformista, servir de enchimento à Nova República empalhada para, por fim, habitar seu mausoléu.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!