O bloco soviético e a problemática dos modos de produção e modos de exploração
Reprodução

O bloco soviético e a problemática dos modos de produção e modos de exploração

6ª parte da série “Operários e Burocratas”.

Zbigniew Marcin Kowalewski 1 set 2021, 16:08

Toda “sociedade concreta” contemporânea, portanto, sociedade de classes, é, de um ponto de vista teórico, uma formação social – é formada de tal forma que articula ou combina diferentes modos de exploração, que podem ser e às vezes são, mas não obrigatoriamente, modos de produção. É sempre uma articulação ou combinação com dominante: um modo de exploração domina necessariamente os outros. Em quase todas as sociedades contemporâneas domina o modo capitalista de exploração, que é também um modo de produção por excelência. Mas até algumas décadas atrás, em sociedades que cobriam grande parte do globo, um modo de exploração dominante não era um modo de produção.

Marx explicou no Capital que os modos de produção antagônicos diferem uns dos outros nas formas sociais que o sobretrabalho assume em cada um deles, e, portanto, nos modos de exploração. “Somente a forma na qual este sobretrabalho é extorquido do produtor imediato, o operário, diferencia as formações sociais econômicas, por exemplo, a sociedade escravagista da sociedade de trabalho assalariado” [1]. Em seu trabalho antropológico sobre a comunidade primitiva como modo de produção, Alain Testart complementou a tese de Marx acrescentando que nos modos de produção não-antagonistas, ou seja, sem classes, não há exploração e que nisto se distinguem dos modos antagonistas, ou seja, baseados na classe. Enquanto quando uma classe ou uma camada da sociedade vive do trabalho de outra classe, o trabalho é necessariamente dividido em indispensável (para a reprodução da força de trabalho dos produtores imediatos) e sobretrabalho, nas sociedades sem classes não é dividido assim. O sobretrabalho deve ser entendido aqui, seguindo Testart, e de fato seguindo Marx cujo conceito de sobretrabalho foi usado pelo Testart, exclusivamente no contexto de relações de exploração [2].

Nas sociedades sem exploração, a relação social de produção é uma relação de não exploração: esta proposta pode muito bem parecer tautológica. Entretanto, não é mais tautológico do que a proposta de que em uma sociedade onde existe exploração a relação [fundamental] de produção é uma relação de exploração. Estas duas proposições, além de sua aparente superficialidade, expressam duas coisas: 1° a relação de produção é a relação social fundamental que une os homens na produção; 2° o que é fundamental numa sociedade é a presença ou ausência de exploração. Que a relação social fundamental de produção é uma relação de exploração na sociedade capitalista é o que Marx mostra em todo o Capital: a relação [fundamental] capitalista de produção não é outra senão a extorsão da mais-valia, a forma específica que o trabalho excedente assume no modo capitalista de produção. Apresentar [no capitalismo] qualquer outra relação como relação fundamental é não entender nada sobre o Capital“, explicava Testart [3]. Em um modo de produção antagônico – não apenas no capitalismo – a relação de exploração é a relação fundamental da produção. Ela é “vertical” e determina duas outras relações de produção, às quais está inseparavelmente ligada: “as relações horizontais entre os próprios exploradores e entre os próprios produtores imediatos” [4].

A tese de que em qualquer modo (antagônico) de produção a relação fundamental de produção é a da exploração, é inseparável da tese da primazia das relações de produção sobre as forças produtivas. A tese oposta, ou seja, aquela que afirma a primazia das forças produtivas, inevitavelmente elimina o conceito de relações de produção e o substitui pelo de formas legais de propriedade, e transforma o marxismo em “uma espécie de evolucionismo em sua versão materialista tingida de determinismo tecnológico[5]. Louis Althusser exagerou ao argumentar que, salvo algumas frases infelizes (notadamente no Prefácio da Contribuição à Crítica da Economia Política de 1858), que a esmagadora maioria dos marxistas tomou como revelação, “Marx nunca defendeu a primazia das forças produtivas sobre as relações de produção” [6]. Existem muitas outras afirmações ou sugestões deste tipo em Marx, como Rigby demonstrou, sujeitando-as a uma crítica completa, perspicaz e convincente à luz do conhecimento histórico contemporâneo [7].

Entretanto, Marx se afastou gradualmente e de maneira cada vez mais consequente desta visão, e é por isso que Althusser tinha razão ao salientar que ele “apoiava, junto com a ideia da unidade das relações de produção e das forças produtivas, [a da] primazia das relações de produção (ou seja, ao mesmo tempo, das relações de exploração) sobre as forças produtivas” [8]. É bastante claro que, ao escrever O Capital, Marx pensava que as relações de produção não são de modo algum determinadas pelo nível de desenvolvimento das forças produtivas, mas que, para citar Althusser, “na unidade específica das Forças de Produção e das Relações de Produção que constituem um Modo de Produção, são, com base e dentro dos limites objetivos fixados pelas Forças Produtivas existentes, as Relações de Produção que desempenham o papel determinante” [9].

Resumindo. Temos três teses-chave entrelaçadas: primeiro, em qualquer modo de produção a relação fundamental de produção é a relação de exploração (ou de não exploração); segundo, qualquer modo de produção é uma unidade das relações de produção e das forças produtivas; e, terceiro, dentro desta unidade a primazia vai para as relações de produção: elas determinam o desenvolvimento das forças produtivas. Entretanto, estas teses exigem três esclarecimentos, desenvolvimentos e acréscimos muito importantes.

Em primeiro lugar, mesmo aqueles historiadores que reconhecem explicitamente a primazia das relações de produção sobre as forças produtivas tendem a ignorar a tese básica de Marx, já invocada, de que modos de produção antagônicos diferem uns dos outros na forma em que o sobretrabalho é extorquido e, portanto, no modo de exploração, e inserem à força modos distintos de exploração em um único modo de produção. É o caso, por exemplo, de Chris Wickham que, distinguindo entre a renda extorquida aos camponeses pelos senhores feudais nas sociedades pré-capitalistas e o imposto cobrado dos camponeses por uma burocracia estatal tributária, avalia que em ambos os casos estamos tratando do mesmo modo de produção [10]. Wickham uma vez pensou e demonstrou que estes eram dois modos de produção diferentes [11] mas, sob a influência da crítica de Halil Berktay e John Haldon [12], ele abandonou esta distinção. Ele agora chama este supostamente único modo de produção pré-capitalista de feudal, enquanto Haldon o chama de tributário. Wickham ressalta, no entanto, que esta é uma diferença puramente terminológica, não teórica.

Em segundo lugar, nas pesquisas e práticas teóricas, é comumente negligenciado (ou simplesmente esquecido) que o modo de produção é uma unidade das relações de produção e das forças produtivas. Esta unidade não é problematizada, mas simplesmente assumida, explícita ou implicitamente, como evidente por si mesma. Como consequência, vários modos de exploração, que não são caracterizados por tal unidade, são percebidos como modos de produção (antagônicos), enquanto ao mesmo tempo a existência de modos de exploração, que não são considerados modos de produção ou que não são de fato modos de produção, é negligenciada ou mesmo negada. Pois o fato é que todos os modos (antagônicos) de produção são modos de exploração, enquanto nem todos os modos de exploração são modos de produção – apenas alguns. Um determinado modo de exploração é também um modo de produção somente quando as relações de exploração e as forças produtivas correspondentes constituem uma unidade. Ou seja, quando os processos trabalhistas, e com eles as forças produtivas (a capacidade produtiva do trabalho social), incluindo as forças de trabalho dos produtores imediatos (suas capacidades de trabalho), estão formal e efetivamente submissos às relações de exploração [13].

As novas relações de exploração, ao submeterem formalmente os processos de trabalho e às forças produtivas existentes (isto é, herdadas dos modos de produção anteriores), transformam em profundidade seu caráter social, dando-lhes uma forma social específica (por exemplo, linhagem, tributária, capitalista), mas não as transformam substancialmente em termos materiais. Neste sentido, eles os transformam principalmente quantitativamente, não qualitativamente. Se a quantidade de mão-de-obra necessária permanecer constante, a submissão formal só permite obter mais sobretrabalho ao preço de uma extensão do dia de trabalho ou uma intensificação do trabalho, permitindo então apenas uma exploração absoluta. Por outro lado, ao realmente subjugar os processos de trabalho e as forças produtivas existentes, as relações de exploração os transformam substancialmente em termos materiais. Eles fazem isso não apenas quantitativamente, mas acima de tudo qualitativamente. Marx até escreveu que em tal caso, as relações de exploração “revolucionam” os processos de trabalho e as forças produtivas, vão gerar novos e se materializar em ambos. Isto permite extorquir mais sobretrabalho ao aumentar a produtividade do trabalho. Isto cria a possibilidade de produzir no mesmo tempo de trabalho um maior número de meios de consumo indispensáveis para a reprodução da força de trabalho. Para obtê-los, o produtor imediato trabalha menos tempo, ou seja, o tempo de trabalho necessário para a reprodução de sua força de trabalho é reduzido e, portanto, o tempo de sobretrabalho é ampliado e a exploração relativa aumenta. A submissão formal e a submissão real são inseparáveis; não há uma sem a outra. Elas sempre coexistam, com a predominância de uma ou da outra [14].

Ao pesquisar em que medida o feudalismo europeu desenvolveu as forças produtivas, Wickham chamou a atenção para um fato histórico crucial: a “” propagação” da irrigação no sul da Europa, particularmente nas terras que estavam sob domínio árabe – sul da Espanha dos séculos oitavo ao décimo terceiro e Sicília dos séculos nono ao décimo primeiro“. Ele escreve: “Este deve ter sido o avanço produtivo mais espetacular de toda a história agrária da Idade Média [europeia], já que as terras irrigadas produziam pelo menos o dobro das terras não irrigadas e não precisavam ser deixadas em pousio periodicamente; também podiam suportar novas culturas importadas do Oriente, como a cana de açúcar e os cítricos; a irrigação também teve um impacto direto no processo de trabalho, já que vilarejos inteiros tiveram que trabalhar juntos para estabelecer e manter os sistemas de irrigação. Gostaria de provar que isto aconteceu num contexto do estabelecimento de um sistema de cobrança de impostos”. Parece – escreve Wickham novamente, observando que isto não pode ser confirmado devido à falta de fontes – que “o novo sistema fiscal exigiu a produção de um excedente adicional” – “daí a intensificação da produção através da irrigação[15].

Desde meados dos anos 70, sabe-se que na Espanha islâmica (em Al-Andalus), como na Sicília islâmica, ocorreu uma verdadeira revolução agrícola[16] no desenvolvimento das forças produtivas. Isso levou a um múltiplicação na produtividade agrícola e, portanto, a um multiplicação do sobreproduto relativo apropriado. Existe uma estreita conexão entre esta revolução, que desenvolveu e transformou muito as forças produtivas, e o fato de que a mão-de-obra excedente dos camponeses não foi extorquida como aluguel pelos senhores feudais, mas como imposto pelo poder estatal (a burocracia). Alguns historiadores, arqueólogos e antropólogos consideram, portanto, com razão, que o modo tributário de produção era fundamentalmente diferente do feudalismo [17]. Diferia não apenas em seu modo de exploração, mas também no fato de que a relação de exploração que lhe era própria era capaz de subjugar as forças produtivas – de desenvolvê-las, transformá-las, “revolucioná-las”. É por isso que podemos falar e falamos de uma revolução agrícola.

Portanto, não se tratava apenas de um modo de exploração, mas também de um modo de produção – não pelo nome, mas em substância. Parece, entretanto, que o feudalismo, que historicamente coexistiu com ele, foi incapaz de se submeter, desenvolver e transformar as forças produtivas e, portanto, devemos nos perguntar se foi um modo de produção ou simplesmente um modo de exploração. Ao reduzir a renda, extorquida do campesinato pelos senhores feudais, e os impostos, cobrados sobre o campesinato pelo Estado, a uma única e mesma forma de exploração, a diferença colossal entre os dois se torna completamente ofuscada. Ela se torna aparente quando se distingue claramente os dois modos de exploração e se examina como cada um deles se relaciona com as forças produtivas. Caso contrário, como no caso de Wickham, a diferença entre eles, jogados para fora pela porta, necessariamente volta entrando pela janela.

Em terceiro e último lugar, em um determinado modo de produção, não é somente a modo de exploração, ou não necessariamente somente ele, que realmente submete as forças produtivas, mas com ele suas outras relações de produção também as subjugam. No caso do modo de produção capitalista, o desenvolvimento contínuo de das forças produtivas a ele próprias e impulsionado não apenas pela relação “vertical” de exploração (pela exploração e resistência à exploração e, portanto, pela luta de classes), mas também, ou até ainda mais, por uma outra relação de produção: a relação “horizontal” de competição entre capitais [18].

O modo de exploração introduzido primeiro na União Soviética pelo regime estalinista, depois nos estados periféricos do bloco soviético, não era um modo de produção. Ela não subjugou as forças produtivas, nem formal nem efetivamente. Nestes países, a revolução industrial, historicamente atrasada e, com seu crescente atraso, cada vez mais difícil de alcançar sob o capitalismo, só ocorreu em grande escala após sua derrubada – já sob o domínio da burocracia. As forças produtivas que se desenvolveram durante e depois desta revolução e dos processos subsequentes de modernização e desenvolvimento social e econômico foram inteiramente moldadas pelo modo de produção capitalista. Elas foram em parte herdadas e no decorrer multiplicadas, e em parte obtidas por meio de importações dos países capitalistas, imitações ou empréstimos. A transferência para a URSS após a guerra de equipamentos industriais, aparelhos e tecnologia das mais modernas, bem como milhares de cientistas e especialistas, da zona de ocupação soviética altamente industrializada da Alemanha, contribuiu enormemente para isso [19]. Em todas essas forças produtivas, o que se materializava era o capital – que elas encarnavam, mas ao mesmo tempo foram agora despojados de sua forma social capitalista. A burocracia dominante não as transformou materialmente, de modo que elas permaneceram de maneira duradora o que eram quando foram tomados dos capitalistas – a materialização do capital. E assim, a burocracia não as submeteu realmente. Tampouco não lhes deu uma nova forma social e, portanto, não as submeteram formalmente. “A materialização do capital foi liberada da forma do capital que a controlava, mas não foi colocada sob o controle de outro sistema orgânico de metabolismo social que estaria enraizado na base material da economia e o transformaria mais ou menos rapidamente, mais ou menos radicalmente”. Em resumo, “o socialismo foi proclamado sem deixar radicalmente de lado a encarnação material do capital[20].

Na fábrica o legado do capitalismo foi preservado: “a divisão hierárquica do trabalho, desde os de baixo, que executam as ordens dos outros, até os de cima, que estão envolvidos nos processos dos planos quinquenais. Toda a configuração humana/material da técnica do capital foi replicada” [21]. Mas a fábrica não estava mais sujeita à lei do valor, nem começou a estar sujeita ao princípio do planejamento. Não funcionava em uma economia planejada, porque apenas os burocratas pensavam que estavam planejando e, mais ainda, que seu planejamento não só regulamentava a economia, mas o fazia incomparavelmente melhor do que a lei do valor que rege a economia capitalista. Ou eles não entenderam, ou não quiseram entender, que é impossível planejar sem a participação coletiva dos produtores imediatos, ainda mais quando se está em uma relação antagônica de exploração com eles. A economia e a sociedade modernas são regidas ou pela lei do valor ou pelo princípio do planejamento. Não há outras possibilidades.

Em uma economia administrada pela burocratia, a materialização do capital, que havia perdido sua forma social própria de capital, mas não havia adquirido uma nova, andava solta. Era possível explorá-lo sem nenhum regulador, substituindo-o por um ersatz: a coerção burocrática extra-econômica. Mas, obviamente, isto só era possível a relativamente curto prazo. “Não era um modo de produção (e a fortiori não era nem “capitalismo de estado” nem “coletivismo burocrático”). As diretrizes impostas politicamente não poderiam permitir o controle das fábricas de forma a promover o desenvolvimento das forças produtivas de forma estável e permanente[22].

As forças produtivas, criadas pelo modo de produção capitalista e transferidas do capitalismo para a economia de comando, onde foram despojadas de sua forma social, perderam sua dinâmica de desenvolvimento. Sob o capitalismo, a fonte desta dinâmica é a exploração relativa da força de trabalho (a produção de mais-valia relativa). Como já sabemos, seu crescimento está ligado não apenas à relação “vertical” de exploração, entre capital e trabalho, mas também a outra relação capitalista de produção – a relação “horizontal” de competição entre capitais. É este último que obriga cada capital a acumular, inovar, melhorar os equipamentos técnicos do trabalho, consequentemente, aumentar continuamente sua produtividade – a base da exploração relativa. Em uma economia de comando, sob domínio burocrático, esta relação competitiva entre as capitais desapareceu e nada a substituiu. Através da coação extra-econômica à qual os produtores imediatos são submetidos, é possível extorquir deles quase que exclusivamente sobretrabalho absoluto, seja aumentando seu número, mantendo a mesma taxa de exploração, ou não aumentando seu número, mas aumentando a taxa de exploração, assim como, é claro, aumentando ambos.

Daí vem, sob o domínio burocrático, a tendência permanente à exploração absoluta, também chamada exploração excessiva, sobreexploração – que consome força de trabalho a ponto de impedir sua plena reprodução – e uma tendência inerente a resistir à sobreexploração. É claro que, também, sob o capitalismo há uma tendência permanente à exploração absoluta, mas ela ocorre em uma relação inseparável com a exploração relativa. Sob a dominação da burocracia, este elo foi quebrado e, devido às limitadas e raras possibilidades de exploração relativa, a tendência em questão era muito mais forte, mas a tendência que se opunha a ela – a resistência dos trabalhadores – também era mais forte.

A burocracia achava que esta contradição seria resolvida pela “organização científica do trabalho” taylorista, que Lenin havia valorizado de forma imprudente pouco depois da Revolução de outubro. Mas “não poderia ser aplicado na URSS” ou em qualquer outro lugar do bloco soviético, “porque foi feito sob medida para o capitalismo; não é, como Lênin parece ter imaginado, um corpo de conhecimento socialmente neutro. Além disso, Taylor ia se virar no seu túmulo se alguém ousasse associá-lo ao vasto sobreemprego característico da indústria soviética. A Fiat tinha construído uma fábrica para a URSS: ela empregava quatro vezes mais trabalhadores do que a mesma fábrica na Itália[23]. Apesar disso, na fábrica italiana a extorquia-se mais sobretrabalho dos trabalhadores do que dos quatro vezes mais numerosos trabalhadores da Fábrica de Automóveis do Volga (VAZ). A razão desses dois fatos- o tamanho muito maior da força de trabalho soviética e a quantidade muito menor de sobretrabalho que podia ser extraída deles – era muito simples: a exploração relativa mal era possível na URSS, e somente em pequena escala.

Diante de tudo isso, fica claro que a burocracia não era uma classe dominante histórica. Não era reproduzida por nenhum modo histórico de produção, mas apenas por um modo transitório de exploração, e como foi reproduzido por um modo transitório de exploração, deve, portanto, ser considerado uma classe dominante transitória. Isto e ainda mais justificado que, como parte do trabalho teórico que Geoffrey de Ste. Croix realizou ao escrever seu livro The Class Struggle in the Ancient Greek World, ele define toda classe social, ao mesmo tempo com concisão e rigor: “a classe é uma relação de exploração[24]. Esta definição vale tanto para uma classe que é reproduzida por um modo de produção quanto para uma classe que só é reproduzida por um modo de exploração que não é um modo de produção.

Outras camadas sociais historicamente conhecidas, que dominavam apenas por meio de coerção extraeconômica e que não impunham modos de produção, mas apenas modos de exploração, são comumente denominados de “classes”. Entretanto, é importante perceber que eles diferiram da burocracia estalinista (e pós-estalinista) em um aspecto muito importante: elas dominavam classes que, como elas, não eram historicamente autônomas – elas eram incapazes de estabelecer seu próprio modo de produção. No bloco soviético, pelo contrário, a burocracia dominava uma classe historicamente independente. Esta diferença qualitativa entre a burocracia e a classe trabalhadora significa que não se pode chamar ambas de “classe” a menos que se deixe explícita e imediatamente claro que uma era uma classe de transição e a outra uma classe histórica. Portanto, a fim de evitar qualquer mal-entendido, a primeira pode ser referida como a “camada dominante”.

Continua aqui.

Este texto constitui a maior parte do p livro de Michał Siermiński, Pęknięta “Solidarność”. Inteligencja opozycyjna a robotnicy 1964-1981 (Solidarność rachado. A inteligência de oposição e os trabalhadores), Książka i Prasa, Warszawa 2020. Tradução de Alain Geffrouais para a Revista Movimento da versão francesa publicada pela Inprecor e estabelecida por Jan Malevsky.


[1] K. Marx, Le Capital (Livre I), PUF, Paris 1993, p. 243.

[2] A. Testart, Le Communisme primitif vol. I, Éditions de la Maison des sciences de l’homme, Paris 1985, pp. 28-32, 44-48.

[3]  Ibidem, pp. 53-54.

[4] R. Brenner, « Property and Progress: Where Adam Smith Went Wrong », dans Ch. Wickham (sous la dir. de), Marxist History-Writing for the Twenty-First Century, Oxford University Press for the British Academy, Oxford-New York 2007, p. 58

[5] A. Testart, op. cit., p. 26.

[6] L. Althusser, « Marx dans ses limites (1978) », dans idem, Écrits philosophiques et politiques vol. I, STOCK/IMEC, Paris 1994, p. 425.

[7] S.H. Rigby, op. cit., pp. 5-142.

[8] L. Althusser, op. cit., p. 426.

[9] L. Althusser, Sur la reproduction, Presses universitaires de France, Paris 1995, p. 244.

[10] C. Wickham, « Productive Forces and the Economic Logic of the Feudal Mode of Production », Historical Materialism. Research in Critical Marxist Theory vol. 16 n° 2, 2008, pp. 3-22.

[11] C. Wickham, « The Other Transition: From the Ancient World to Feudalism », Past & Present n° 103, 1984, pp. 3-36 ; idem, « The Uniqueness of the East », The Journal of the Peasant Studies vol. 12 n° 2/3, 1985, pp. 166-196. H. Berktay, « The Feudalism Debate: The Turkish End – Is «Tax vs. Rent» Necessarily the Product and Sign of a Modal Difference? », The Journal of Peasant Studies vol. 14 n° 3, 1987, pp. 291-333 ; J. Haldon, « The Feudalism Debate Once More: The Case of Byzantium », The Journal of Peasant Studies vol. 17 n° 1, 1989, pp. 5-40 ; idem, The State and the Tributary Mode of Production, Verso, London-New York 1993, pp. 63-139 ; C. Wickham, Framing the Early Middle Ages. Europe and the Mediterranean, 400-800, Oxford University Press, Oxford-New York 2005, pp. 56-61.

[12] H. Berktay, « The Feudalism Debate: The Turkish End – Is «Tax vs. Rent» Necessarily the Product and Sign of a Modal Difference? », The Journal of Peasant Studies vol. 14 n° 3, 1987, pp. 291-333 ; J. Haldon, « The Feudalism Debate Once More: The Case of Byzantium », The Journal of Peasant Studies vol. 17 n° 1, 1989, pp. 5-40 ; idem, The State and the Tributary Mode of Production, Verso, London-New York 1993, pp. 63-139 ; C. Wickham, Framing the Early Middle Ages. Europe and the Mediterranean, 400-800, Oxford University Press, Oxford-New York 2005, pp. 56-61.

[13] Os conceitos de submissão formal e real das forças produtivas às relações de produção foram desenvolvidos em relação ao capitalismo (ou seja, em relação à submissão do trabalho ao capital) e em seu exemplo por K. Marx, Un chapitre inédit du Capital, Union générale d’éditions, Paris 1971, pp. 191-223. Na pesquisa sobre os modos de produção pré-capitalistas, em particular o modo de produção de linhagem descoberto pelos antropólogos – que moveu a humanidade da coleta e da caça para a agricultura – estes conceitos foram aplicados por P.-Ph. Rey, « Contradictions de classe dans les sociétés lignagères », Dialectiques n° 21, 1977, pp. 116-133. No estudo da comunidade primitiva e do modo de produção da linhagem, é o que A. Testart também fez. Testart, op. cit., pp. 157-187. Parece que neste último – era um modo de produção antagônico (classe) precoce – já havia uma relação de exploração, mas ainda não era a relação fundamental de produção. Ver A. Marie, « Rapports de parenté et rapports de production dans les sociétés lignagères », em F. Pouillon (sob dir. de), L’anthropologie économique : Courants et problèmes, Maspero, Paris 1976, pp. 86-116.

[14] Ver P. Murray, « The Social and Material Transformation of Production by Capital: Formal and Real Subsumption in Capital, Volume I », dans R. Bellofiore, N. Taylor (sous la dir. de), The Constitution of Capital: Essays on Volume I of Marx’s Capital, Palgrave Macmillan, Houndmills, Basingstoke-New York 2004, pp. 243-273 ; C.J. Arthur, « The Possessive Spirit of Capital: Subsumption/Inversion/Contradiction », em R. Bellofiore, R. Fineschi (sob dir. de), Re-reading Marx: New Perspectives after the Critical Edition, Palgrave Macmillan, Houndmills, Basingstoke-New York 2009, pp. 148-162.

[15] Ch. Wickham, « Productive Forces and the Economic Logic of the Feudal Mode of Production », pp. 15-16.

[16] A.M. Watson, « The Arab Agricultural Revolution and Its Diffusion, 700-1100 », The Journal of Economic History vol. 34 n° 1, 1974, pp. 8-35.

[17] São taxativos sobre esta questão : M. Barceló, H. Kirchner, C. Navarro, El agua que no duerme. Fundamentos de la arqueología hidráulica andalusí, El Legado Andalusí, Granada 1996, e também J.M. Martín Civanos, « Working in Lanscape Archaeology: The Social and Territorial Significance of the Agricultural Revolution in Al-Andalus », Early Medieval Europe vol. 19 n° 4, 2011, pp. 385-410. O debate entre historiadores sobre a dominação do modo de produção tributário na Espanha islâmica esta apresentado por A. García Sanjuán, « El concepto tributario y la caracterización de la sociedad andalusí: Treinta años de debate historiográfico », em A. García Sanjuán (sob dir. de), Saber y sociedad en Al-Andalus, Universidad de Huelva, Huelva 2006, pp. 81-152. Não era o feudalismo, mas o modo de produção tributário, distincto dele, que era o modo de produção antagônico mais difundido no mundo na era pré-capitalista. O trabalho teórico mais completo até o momento sobre este modo de produção foi feito por Pierre Briant, que estudou a história dos impérios Aquemenida e Helenístico. Ele mostrou que, sob o domínio dele, ocorreu um “desenvolvimento sem precedentes das forças produtivas” nestes impérios.

[18] E o que explicam Robert Brenner et Ellen Meiksins Wood, bien qu’ils utilisent une terminologie différente – ils ne parlent pas de rapports de production, mais de « rapports sociaux de propriété ». Voir R. Brenner, M. Glick, « The Regulation Approach: Theory and History », New Left Review n° 188, 1991, pp. 45-119 ; E. Meiksins Wood, « The Politics of Capitalism », Monthly Review vol. 51 n° 4, 1999, pp. 12-26 ; R. Brenner, « Competition and Class: A Reply to Foster and McNally », Monthly Review vol. 51 n° 7, 1999, pp. 24-44 ; E. Meiksins Wood, « Horizontal Relations: A Note on Brenner’s Heresy », Historical Materialism. Research in Critical Marxist Theory vol. 4 n° 1, 1999, pp. 171-179; idem, « The Question of Market Dependence », Journal of Agrarian Change vol. 2 n° 1, 2002, pp. 50-87.

[19] Essa transferência, eufemisticamente chamada de “compensações”, foi responsável pela enorme modernização da economia soviética após a guerra. Durante a implementação do Quarto Plano Quinquenal (1946-1950), as “compensações ” garantiram cerca de 50% do equipamento para as construções essenciais. Em muitos ramos da indústria, a importância dessas entregas foi ainda maior, e foi principalmente graças a elas que foi possível, durante o quarto plano quinquenal, alcançar uma produção várias vezes maior à anterior à guerra (óptica, tecnologia de rádio, produção de motores diesel, equipamentos de comunicação, produtos eletrotécnicos, equipamentos de forja e prensagem, fibras artificiais e plásticos, borracha sintética, petroquímica etc.). As “compensações” permitiram zerar  ou reduzir consideravelmente os defeitos na estrutura setorial da indústria soviética e, em particular, aumentar a capacidade de engenharia da maquinaria pesada, o que, no início do quinto quinquênio, tornou possível assegurar não apenas gigantescas construções essenciais no próprio país, mas também satisfazer as necessidades de tais construções nos outros países socialistas da Europa e da Ásia e, a partir do sexto quinquênio, no desenvolvimento de países não-socialistas” (Г. И. Ханин, op. cit. nota 84, pp. 186-187). Da Alemanha Oriental “foram retiradas as mais modernas linhas tecnológicas e instalações industriais inteiras, relacionadas a ramos nos quais o desenvolvimento na URSS diferia antes da guerra do nível mundial ou estava em uma fase inicial (ótica, engenharia de rádio, engenharia elétrica, etc.). A documentação técnica foi levada junto com o equipamento. Com esta documentação foi possível organizar a produção em muitos ramos da indústria na União Soviética. Muito mais foi tomado do que a economia soviética foi capaz de “digerir”. Havia falta de instalações de armazenamento, o equipamento era armazenado fora, enferrujava e ficava inutilizável” (Е.Ю. Зубкова, “Послевоенная экономика: Основные проблемы В и тенденции развития”, em В.П. Дмитриенко (ed.), История Росии. ХХ век [E.Y. Zoubkova, “A economia do pós-guerra : principais problemas e tendências de desenvolvimento”, em V.P. Dimitrienko, História da Rússia. Século XX], АСТ, Москва 2000, p. 478).

[20] C.J. Arthur, The New Dialectic and Marx’s Capital, Brill, Leiden-Boston 2004, pp. 208-209.

[21] Ibidem, p. 208.

[22] Ibidem, p. 209.

[23] Ibidem, p. 208.

[24]


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!