Os sete da Gerdau: Metalúrgicos ocupam fábrica há dez dias em Charqueadas
Foto: Samir Oliveira/PSOL

Os sete da Gerdau: Metalúrgicos ocupam fábrica há dez dias em Charqueadas

Trabalhadores ocupam a fábrica da Gerdau em Charqueadas na luta contra a alteração da jornada de trabalho e perdas salariais de até 35%.

Samir Oliveira 22 set 2021, 16:09

A mobilização dos metalúrgicos da Gerdau em Charqueadas completa dez dias nesta quarta-feira (22/09). Um protesto em frente à empresa nesta manhã marcou o apoio à luta destes trabalhadores, contando com a presença da deputada estadual Luciana Genro (PSOL) e da presidente municipal do partido Priscila Vaz, metalúrgica e ex-funcionária da Gerdau. O Sindisaúde-RS e o Sindimetrô também estiveram presentes.

Um grupo de sete trabalhadores ocupa a fábrica da empresa desde o dia 13, na luta contra a alteração da jornada de trabalho determinada de forma unilateral. A reivindicação deles é uma só: negociação. O chamado “turno fixo” imposto pela Gerdau pode reduzir em até 35% o salário da categoria, que recebe em média R$ 2.500 mensais como funcionários da empresa que registrou lucro líquido de R$ 3,9 bilhões no segundo trimestre deste ano.

Manifestação demonstrou apoio aos metalúrgicos da Gerdau na manhã desta quarta-feira (22/09). | Foto: Samir Oliveira/PSOL

Os sete trabalhadores que ocupam a Gerdau são membros da direção do Sindicato dos Metalúrgicos de Charqueadas (Sindimetal): Carlos Henrique Haude Ferreira, Claudiomiro Bariquello, Fabiano Machado Pereira, Israel Bangardt de Almeida, Jorge Luiz Silveira de Carvalho, Marcio Ubirajara Caldeira Rosa e Paulo Roberto Vieira de Mattos.

Repressão interna e ataque à autonomia sindical

Ao longo dos dez dias de mobilização, estes trabalhadores vêm sofrendo uma série de perseguições da empresa, que proibiu acesso ao refeitório, fazendo com que dependam de doações dos familiares para se alimentar.

A Gerdau ainda cortou o fornecimento de água quente nos chuveiros dos vestiários, disponibilizando aos sindicalistas apenas banho frio. Também foram retirados os bancos do pátio interno, fazendo com o que os trabalhadores tenham que sentar no chão.

Gerdau retirou os bancos do pátio da empresa, obrigando os trabalhadores a sentarem no chão. | Foto: Sindimetal Charqueadas

Além disso, os trabalhadores denunciam que o aumento da presença de segurança privada no interior da fábrica, que antes da ocupação era em torno de 5 funcionários e agora conta com mais de 60. Os sindicalistas também explicam que há restrição no acesso e diálogo que eles podem manter com os cerca de 800 trabalhadores da planta industrial.

Na manifestação desta quarta-feira, os seguranças da empresa promoviam uma revista nos carros dos funcionários que ingressavam na fábrica, abrindo inclusive o porta-malas. Um drone também foi posicionado para registrar imagens do ato, numa manobra considerada intimidatória. “Eles fazem isso para identificar se tem familiares de empregados na manifestação e depois adotar represálias”, disse Priscila Vaz.

“Não tem nenhuma luta mais importante hoje no Rio Grande do Sul do que essa”, diz Luciana Genro

Presente na manifestação em defesa dos metalúrgicos da Gerdau, a deputada estadual Luciana Genro (PSOL) lamentou a ausência de grandes sindicatos e centrais sindicais no apoio aos trabalhadores. “O Sindimetrô e o Sindisaúde estão dando um exemplo de solidariedade que deveria ser feito por todos os sindicatos e movimentos, que deveriam estar aqui. Não tem nenhuma luta mais importante hoje no Rio Grande do Sul do que essa. Porque é o enfrentamento com um dos gigantes do capitalismo mundial, e isso não é pouca coisa. Os sete que estão lá dentro estão tendo muita coragem. Eu quero parabenizá-los e dizer que nós, do PSOL, estamos fazendo todos os nossos esforços para apoiar esta luta”, disse.

Em diálogo com os trabalhadores que estão ocupando a fábrica, a deputada ouviu relatos de muito apoio por parte dos demais funcionários, que acabam tendo medo de se juntar ao movimento. “O seu Gerdau vai nas esferas políticas e midiáticas dizer que que quer o desenvolvimento do país e o bem dos trabalhadores. É tudo mentira, pois no chão da fábrica o que tem é repressão e exploração”, criticou.

Luciana Genro observou que a ocupação da planta industrial seria muito maior se não fossem as represálias da empresa. “Os sete que estão ali dentro estão em nome de todos que gostariam de fazer greve e protesto e não fazem por medo de repressão. Que democracia é essa onde a classe trabalhadora não pode se manifestar porque vai perder o emprego? Essa é a democracia dos patrões. É a democracia do seu Gerdau”, colocou.

Deputada Luciana Genro esteve na manifestação e levou o assunto à Comissão de Direitos Humanos. | Foto: Samir Oliveira/PSOL

Gerdau se recusa a negociar e Comissão de Direitos Humanos decide enviar ofício

O Sindimetal de Charqueadas já apresentou uma proposta diante da determinação dos turnos fixos. A reivindicação é de que os adicionais noturnos sejam incorporados por aqueles trabalhadores que já recebiam esses valores no antigo regime de horários, mitigando assim as perdas salariais. Mas a Gerdau se recusa a negociar com os sindicalistas.

Após sair do protesto na manhã desta quarta, a deputada Luciana Genro levou o assunto à reunião da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia. Ficou acertado que o órgão irá enviar um ofício à empresa, solicitando que negocie com os trabalhadores.

Vice-presidente do Sindimetal Charqueadas, José Luís de Souza Castilho coordenava a manifestação do lado de fora da empresa. Funcionário da Gerdau há 34 anos, ele denunciou a forma como os trabalhadores vêm sendo tratados pela empresa.

“A Gerdau está tratando os trabalhadores como se fossem bandidos. Basta vermos o vexame a que estão sendo submetidos na chegada à empresa, com os carros sendo revistados”, criticou.

Enquanto isso, do lado de dentro da fábrica, o presidente do sindicato, Jorge Luiz Silveira de Carvalho, comanda a resistência dos sete metalúrgicos que se recusam a sair enquanto não houver negociação. “A presença de vocês aqui dá um ânimo e alento aos trabalhadores”, disse, referindo-se à manifestação de apoio que ocorria em frente à empresa.

Para Luciana Genro, somente a mobilização dos trabalhadores poderá conquistar uma vitória. “Não é fácil vencer, mas é preciso persistir e acumular força para os próximos passos que virão. Certamente a luta dos trabalhadores da Gerdau em Charqueadas está só começando. Esse é mais um passo num processo de organização, de mobilização e de fortalecimento que vai ter que seguir. Porque independentemente do resultado desta luta, a exploração e a repressão continuam”, concluiu.

Trabalhadores estão há dez dias ocupando a fábrica e só podem ter contato com suas famílias através do muro na entrada da Gerdau. | Foto: Samir Oliveira/PSOL

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!