O pacto pela morte entre Belarus e Polônia
Foto: EFE/EPA/LEONID SCHEGLOV

O pacto pela morte entre Belarus e Polônia

Isabelle Ottoni escreve sobre os conflitos políticos e migratórios na fronteira de Belarus com a Polônia, Lituânia e Letônia.

Isabelle Ottoni 20 nov 2021, 21:37

“Em imensas caravanas, marcham os fugitivos da vida impossível. Viajam do sul para o norte e do sol nascente para o oeste.” Eduardo Galeano

A crise migratória mundial não é novidade. O acirramento das disputas nas fronteiras da União Europeia também ocorre há anos. Mas o que acontece hoje na fronteira de Belarus com a Polônia, Lituânia e Letônia dá contornos ainda mais cruéis ao desprezo de ditadores como Aleksandr Lukashenko à dignidade humana. 

Conhecido como o “último ditador da Europa”, Aleksandr Lukashenko está no poder como presidente de Belarus desde 1994. O país é o único da Europa que ainda adota a pena de morte, a KGB segue sendo uma polícia secreta a plenos poderes e insultar o presidente é um crime grave no país, que se vê longe de ser uma democracia. No auge da pandemia, recomendou à população bielorrussa “vodka e saunas”. Em campanha na eleição presidencial de 2020, afirmou que ganharia, pois “a sociedade não está pronta para votar em uma mulher, porque a Constituição dá forte autoridade ao presidente.” Seus rivais na política sempre acabam presos ou desaparecidos. 

Apesar de isolado de quase toda a Europa, tem um apoio que o ajuda a se manter no poder: Vladimir Putin, presidente da Rússia. Ambos são presidentes de regimes com muitas semelhanças: eleições fraudadas, perseguição de rivais políticos e violência contra à população. Após a questionada vitória de Lukashenko com 80% dos votos em 2020, a população de Belarus tomou as ruas, com protestos massivos que duraram meses, mesmo com a dura repressão policial. Putin chegou a oferecer o exército russo para controlar os atos, que aconteciam por todo o território bielorusso. 

A falta de respeito ao processo democrático e os graves ataques aos direitos humanos daqueles que protestavam após o resultado da eleição fizeram a União Europeia não reconhecer Lukashenko como eleito a um sexto mandato consecutivo. Junto a isso, impôs diversas sanções econômicas ao vizinho do Bloco. Lukashenko respondeu de forma cruel: conspirou para a criação de uma crise imigratória em suas fronteiras. 

Belarus mudou sua política de emissão de vistos para pessoas em países em guerra ou conflitos. Agilizou a viagem e agiu indiretamente junto a empresas que vendiam “pacotes de viagem” de imigração para União Europeia[1]. Esses imigrantes vêm especialmente do Iraque, mas também da Síria, Afeganistão, Congo e Camarões. E são direcionados, com o auxílio do exército de Belarus, às fronteiras. O fluxo de imigrantes ilegais na Lituânia cresceu de 6 pessoas em março de 2021 para 3.115 pessoas em julho. “Lukachenko facilita os vistos, aí eles entram no avião e vão. Todos entram pela Belarus. Com a Covid, não tem outro jeito. Está tudo fechado na União Europeia. Então Lukachenko abriu essa avenida para Letônia, Lituânia e Polônia”[2], contou para a Folha um homem no Campo de Refugiados de Pabradé, uma das fronteiras entre a Lituânia e Belarus. 

Quando a Lituânia fechou completamente sua fronteira, o foco passou a ser a Letônia. Quando o país também fechou a fronteira, o foco passou a ser a Polônia, que está agora no centro dos conflitos. 15 mil militares poloneses foram deslocados para a fronteira, criando uma zona de segurança de três quilômetros, totalmente vigiada. O acirramento da violência na fronteira de Bruzgi-Kuźnica já matou oito pessoas, incluindo uma criança. Os oficiais poloneses usam jatos de água e bombas e gás para dispersar os imigrantes.

Enquanto a União Européia se solidariza com a situação da Polônia, assim como a OTAN, as vítimas passam a ser os países, e não a população imigrante, feita de peões em um jogo de xadrez diplomático. O Ministério da Defesa da Polônia acusa Belarus de equipar os imigrantes com granadas de atordoamento, e Belarus também se recusa a receber de volta os imigrantes. O frio na fronteira polonesa vai muito além do que alguém deveria ser submetido, com condições insalubres, dormindo em pedaços de lona e sem aquecimento. É ainda pior a situação de quem encontra coragem para atravessar a fronteira pelas florestas. A região mais comum tem sido Podlaskie, na fronteira ao nordeste da Bielorrússia e da Lituânia, e é a mais fria da Polônia. Não importa o horário, as temperaturas sempre estão negativas.

Se por um lado Lukashenko age como o autocrata que é, usando o desespero de milhares como ferramenta política, a União Europeia passa muito longe de ser exemplo de defesa dos direitos humanos. Ylva Johansson, Comissária de Assuntos Internos na UE, acusa Lukashenko de “inventar imigrantes”, e afirma que “não existe acesso livre ao território da União Europeia”. Quando afirma isso, Ylva não está apenas concordando com a política de manter pessoas congelando de frio na fronteira. Ela concorda também com o premiê da Polônia, Morawiecki, de invocar o Artigo 4º do Tratado da Otan. O Artigo fala sobre chamar reuniões de emergência entre países, precedendo um ataque armado. Apesar da Polônia ainda não ter firmado a reunião, Letônia e Lituânia já concordaram com a iniciativa. A ação armada não seria uma novidade: em março de 2014, a Polônia utilizou a medida em meio aos conflitos entre Rússia e Ucrânia. 

No vai e vem de disputas diplomáticas, quem sofre e vira alvo do fogo das disputas é quem se vê fugindo de uma guerra armada para entrar em outra, como indica Lukashenko que quer fazer. A UE também pediu o auxílio de Putin, defensor do regime de Belarus, para intervir com Lukashenko. O Kremlin até prometeu intermediar uma reunião entre o Bloco e Minsk, mas tem evitado tumultuar sua relação com o vizinho e aliado comercial. Conseguiu que Angela Merkel, em seus últimos dias como premiê da Alemanha, telefonasse a Lukashenko. De onde pouco se espera, nada vem. E as ligações muito prometem, mas não promovem nenhuma mudança na situação das fronteiras. 

A situação da imigração na Europa não será resolvida enquanto a solução dos supostos líderes mundiais passar pela construção de muros, como faz a Lituânia. Isolados, escondidos e sem direitos, são poucas as exigências que quem migra consegue fazer. É papel de quem luta por um mundo organizado em torno das demandas da população trabalhadora que se mova também por aqueles sem casa, sem pão e sem terra nas fronteiras. Governos não podem dizer que defendem os direitos humanos se negam direitos a quem foge da guerra, da fome e da miséria. Um mundo livre de exploração é também um mundo onde todos têm o direito de migrar e viver uma vida digna. Na placa de uma manifestante, a luta toma voz: respeite nossa existência ou espere resistência.

[1] https://oglobo.globo.com/mundo/2273-agencias-de-turismo-oferecem-pacotes-para-imigrantes-que-tentam-cruzar-fronteiras-da-bielorrussia-com-paises-da-ue-25279473

 [2] Imigrantes ficam presos em ‘terra de ninguém’ nas portas da União Europeia


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!