O que está acontecendo no Casaquistão?

O que está acontecendo no Casaquistão?

Via Poder Popular

Nicolás Monterde Izquierdo 24 jan 2022, 15:22

No dia 4 de janeiro, uma verdadeira revolta popular eclodiu no Cazaquistão, cuja história nunca havia sido vista antes. Embora tenha se espalhado por 20 cidades do país, o foco da revolta foi Almaty, a antiga capital e a cidade mais populosa (2 milhões de habitantes). A revolta foi provocada por um aumento do preço do gás de petróleo liquefeito, uma alternativa mais barata ao petróleo, que tem aumentado constantemente nos últimos anos devido à liberalização do setor anunciada pelo governo em 2019.

O Cazaquistão conquistou sua independência há 30 anos (16 de dezembro de 1991), e foi de fato a última ex-república soviética a deixar a ex-URSS, mesmo depois da Rússia. Desde a independência, o país tem sido governado virtualmente por um homem: Nursultan Nazarbayev. O último presidente da antiga República Socialista Soviética do Cazaquistão, ele liderou a transição do país para a independência e tornou-se o presidente da nação por quase 30 anos. Em 2019, após um recrudescimento dos protestos e a saúde frágil de Nazarbayev, ele é forçado a renunciar, elegendo Kasim-Yomart Tokayev como seu sucessor como chefe de governo. Entretanto, Tokayev reserva para si um assento vitalício no Conselho de Segurança Nacional, uma espécie de órgão consultivo ao qual o governo pode recorrer e que é composto pela oligarquia próxima a Nazarbayev. O atual presidente Tokayev, escolhido a dedo pelo ex-presidente, tem se caracterizado por uma continuidade com seu predecessor.

O Cazaquistão é um dos maiores países do mundo com vastas reservas de recursos naturais. Estes incluem o urânio, o maior produtor mundial de urânio, cromo, zinco e chumbo. É também um grande produtor de carvão, ferro e ouro, figurando entre os dez primeiros do mundo. Possui também grandes reservas de gás e petróleo, com uma estimativa de 11% das reservas mundiais encontradas neste país túrquico. Uma grande parte da exploração destas reservas está nas mãos das empresas extrativistas americanas, entre 60-65%, com a maioria indo para o Ocidente e especificamente para a União Europeia. Apenas 5% está nas mãos de empresas russas. Entretanto, o expansionismo chinês na região, condição sine qua non para promover seu macroprojeto Nova Rota da Seda, aumentou os interesses chineses no território, especialmente no gás. O aumento explosivo da demanda interna de gás e gasolina, juntamente com o fato de que a maior parte do que é produzido é destinado à exportação, tem sido a principal razão para o aumento imparável dos preços, de 60 para 120 tenge.  

O Cazaquistão é o país com a maioria dos russos étnicos fora da Rússia, com uma estimativa de 20% da população sendo etnicamente russa. Embora isto tenha diminuído consideravelmente a partir de mais de 40% nos anos 70. Isto explica em parte o compromisso geopolítico do país com a Rússia, fazendo parte da CSTO, aliança militar da Rússia, que compartilha com a Armênia, Belarus, Quirguistão e Tajiquistão. Foi também um promotor do Conselho de Cooperação dos Estados de Língua Turca, composto pelo Uzbequistão, Azerbaijão, Turquia e Quirguistão, para apoiar um ao outro em questões de segurança nacional e internacional.

Voltando ao próprio protesto, vale a pena lembrar que ele começou há alguns dias na cidade de Zhanaozen, após uma greve dos trabalhadores do setor extrativista por causa do aumento dos preços do gás. Esta cidade se tornou o coração dos trabalhadores do país, e tem sido o centro de numerosas greves, incluindo a de 2011, que recentemente celebrou seu décimo aniversário. Em 2011, houve uma greve à qual a polícia cazaque respondeu com tiros e várias mortes entre as fileiras dos trabalhadores. A reação do governo de Nazarbayev foi de perseguir o sindicalismo sem exceção, o que, para todos os efeitos e propósitos, foi proibido. O principal sindicato do país foi desmantelado e todos os sindicalistas foram atirados para a prisão. Hoje o sindicalismo independente é ilegal, mas não impede uma média de 60 greves por ano (todas ilegais), principalmente no setor extrativista.

Mais uma vez a classe trabalhadora golpeia onde é mais forte e onde teve a experiência mais combativa, e apesar dos sindicatos clandestinos, atingiu um golpe tão duro para o regime corrupto e mafioso de Tokayev que o país inteiro entrou na ofensiva. No dia 2, os protestos dos trabalhadores começaram na região de Mangistau, no leste do país. No dia 3, os protestos se espalharam pelo resto do país e surgiram exigências sociais e políticas mais amplas: melhores salários, em um país onde a pessoa média ganha 5 dólares por dia; pensões mais altas e uma idade de aposentadoria mais precoce; preços mais acessíveis do gás e da gasolina; e a criação de uma república parlamentar para pôr fim à oligarquia dominante. No dia 4, quando os manifestantes não se dispersaram durante o dia anterior, começaram os confrontos com a polícia cazaque. No dia 5, a revolta irrompeu na capital com grande força. O governo respondeu com repressão, como havia feito em 2011, mas com a ameaça de propagação dos protestos, foi decidido reduzir o preço do gás muito abaixo do que havia sido antes. Entretanto, era tarde demais. O aumento do preço do gás havia sido o catalisador de uma revolta que, embora espontânea, refletia as exigências de liberdade e melhores condições sociais que haviam sido exigidas durante décadas.

O coração dos protestos era a cidade de Almaty, historicamente uma das mais militantes. O grupo étnico majoritário nesta cidade é o cazaque, e os setores mais abertos do país encontram-se lá. Durante todo o dia 4 de janeiro, a população da cidade tomou delegacias de polícia, requisitando equipamentos militares, edifícios governamentais, que arderam durante horas, a sede do partido governista foi arrasada, o aeroporto da cidade foi tomado e a sede das estações de televisão do regime também foi apreendida. O governo havia perdido todo o controle; as forças de segurança da cidade, apesar da repressão, foram expulsas pelos próprios manifestantes. O governo Tokayev deu um passo ao aceitar a renúncia de Nazarbayev como primeiro-ministro, declarando estado de emergência na região, mobilizando o exército e desativando a internet em todo o país. Esta última obviamente dificultou o monitoramento da revolta, que ainda se encontra em estado de efervescência.

A última informação que recebemos é que a CSTO interveio no país a pedido do Presidente Tokayev. Ele definiu os manifestantes como terroristas treinados no exterior para desestabilizar o país, e com base nisso exigiu o envio de tropas para a CSTO. Sabemos que ele ordenou atirar para matar qualquer manifestante ainda nas ruas de Almaty, e que o número de vítimas está nas dezenas. O número de detentos pode ser superior a 3000 no momento, mas este é um número ultrapassado. No dia em que infelizmente lembramos o aniversário da Primavera de Praga, estamos diante da primeira intervenção militar na história da CSTO, com a Rússia na liderança. O contingente a ser enviado está estimado em cerca de 2500 soldados, a maioria russos, e eles estão atualmente a caminho da cidade de Almaty para restaurar a ordem. Eles também têm ordens para atirar para matar se necessário e estarão no país enquanto sua presença for necessária.

Apesar da corajosa resistência do povo de Almaty diante do terror do exército cazaque, a situação da revolta a partir de 7 de janeiro de 2022 parece crítica, não só por causa da intervenção russa, mas também por causa da posição do sujeito da revolta. Para começar, embora Almaty seja a cidade mais populosa, ela não é a capital. O centro administrativo do país fica em Astrana, onde a revolta foi mais facilmente reprimida. O governo de Tokayev é forte na capital e pode controlar grande parte do país a partir daí. Mas o grande obstáculo para a revolta em si, o que atualmente a está provocando, não é a falta de espírito de luta ou determinação, mas a falta de liderança política. A oposição política no Cazaquistão, assim como o sindicalismo, tem sido fortemente perseguida. Tanto quanto sabemos, apenas dois partidos têm convocado protestos, ambos com caráter local: um partido liberal-democrático e um controlado por um mafioso procurado. Há também uma oposição islâmica, embora não muito significativa, e uma oposição nacionalista anti-russa, que exige uma mudança de 180º na política externa do país.

Nos últimos anos, um movimento revolucionário com algum peso começou a florescer, liderado pelo Partido Comunista do Cazaquistão e pela Resistência Socialista do Cazaquistão, o primeiro ilegal desde 2012 e o segundo fortemente perseguido. Embora sejam grupos minoritários e perseguidos pelas autoridades, eles têm mostrado uma forte base de apoio entre a classe trabalhadora cazaque. O período de greves que começou em 2011 vem aumentando a influência destas organizações entre a classe trabalhadora, especialmente no setor extrativista, um dos mais combativos do país. A Resistência Socialista do Cazaquistão pede agora uma continuação da revolta organizando uma greve geral para paralisar todo o país. Eles também impulsionaram a criação de comitês para organizar a revolta a partir de baixo e dar-lhe uma liderança consciente. Eles negaram qualquer tipo de envolvimento ocidental na preparação dos protestos, uma vez que a revolta é o culminar de um período de intensificação social que a classe trabalhadora vem liderando há uma década. Suas reivindicações são muito concretas: restauração da liberdade sindical, legalização dos partidos revolucionários, demissão do governo Tokayev, anistia dos presos políticos e socialização das empresas extrativistas estrangeiras.

Por outro lado, há o governo Tokayev. Isto parece reforçar a inclinação pró-russa apesar do alarmismo sugerido pela demissão de Nazarbayev, que era fervorosamente pró-russo em termos da disposição geopolítica do país. A elite oligárquica do país parece estar se segurando, mudando algumas faces, mas mantendo os fundamentos. Embora não saibamos se será ferido mortalmente por esta revolta, já que agora mais do que nunca eles estão nas mãos de Moscou. E sabemos muito bem como regimes cuja oligarquia é um fantoche dos desenhos imperialistas de “x” ou “y” terminam. A situação crítica no país abriu dois caminhos: o bielorrusso ou o ucraniano. O caminho bielorusso significaria a manutenção do regime, com a ocasional reforma superficial, e um fortalecimento do eixo pró-russo. Enquanto isso, o ucraniano abriria a porta para um recuo nacional, com uma mudança de oligarquias, rompendo com o eixo russo e se aproximando do Ocidente. Parece que o caso do Cazaquistão é mais próximo do primeiro do que do segundo.

Embora daqui devamos defender uma terceira via: criticar o imperialismo russo que envia suas legiões para esmagar a revolta, ao mesmo tempo em que as empresas ocidentais que exploram a classe trabalhadora cazaque. Apoiar e encorajar o povo cazaque a vencer através da luta os direitos políticos e sociais que o regime decrépito e mafioso de Nazarbayev-Tokayev tem sistematicamente negado. E, acima de tudo, devemos aprender as lições do sindicalismo cazaque e das lutas dos trabalhadores, que têm demonstrado tanta combatividade e determinação. Solidariedade e internacionalismo com a luta do povo cazaque!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).