Terceiro Gabinete: O labirinto de Pedro Castillo o fez perder o rumo da mudança
Cerimônia de posse do Presidente da República do Peru, Pedro Castillo

Terceiro Gabinete: O labirinto de Pedro Castillo o fez perder o rumo da mudança

Desde o posicionamento do segundo gabinete, o governo marcou uma mudança em direção ao centro e o suposto objetivo de obter consenso a fim de tentar “não irritar a direita”

Jorge Escalante 4 fev 2022, 17:56

Via Súmate

Desde o posicionamento do segundo gabinete, o governo marcou uma mudança em direção ao centro e o suposto objetivo de obter consenso a fim de tentar “não irritar a direita”. A história nos deu inúmeros exemplos, no Peru com Ollanta e na América Latina onde os governos que chegaram com discursos de esquerda acabaram se adaptando ao regime cada vez que perseguiram estes “consensos”, que são impossíveis de alcançar já que a direita acaba exigindo uma rendição incondicional, pois se você ceder, eles voltarão para mais, buscando as condições para provocar sua queda.

Além das discrepâncias entre a ex-premier M. Vásquez e o presidente Castillo sobre o caso Avelino Guillen (ex-ministro do Interior) e sua carta de renúncia aceita apressadamente pelo presidente, provocando uma nova crise devido ao golpe da premier. Neste quadro de crise e de busca de consenso por parte do presidente Castillo, este terceiro gabinete é mais do que uma simples mudança para o centro, nesta ocasião as esperanças do movimento popular de mudanças fundamentais e de uma nova constituição são frustradas. Um gabinete que reflete uma reedição que inclui centristas, liberais e centro-direita, chefiado por Héctor Valer, um desertor que participou de vários partidos políticos, e cuja última incursão política foi como congressista da Renovación Popular do fascista Rafael López Aliaga e como um bom desertor acaba fazendo parte do “Perú Democrático” de Guillermo Bermejo, um setor que recentemente rompeu com o “Perú Libre” (PL). O partido governista PL de Vladimir Cerrón, que criticou a esquerda e a direita, descrevendo as organizações que acompanharam este processo como “caviares”, e que se autodenominaram “a liderança” deste processo de mudança, agora fazem parte deste labirinto político de Pedro Castillo onde ele perdeu a direção deste processo e a grande oportunidade de fazer as mudanças que são necessárias.

Este terceiro gabinete deveria “buscar o consenso”. Agora então; façamos a nós mesmos algumas perguntas para tirar lições. É sempre bom ser claro quanto aos objetivos e não se perder na confusão: por que aqueles de nós que querem mudar lutam pela Assembleia Constituinte Livre e Soberana, um eixo fundamental neste processo? Por que entendemos que não há mudanças possíveis em favor das grandes maiorias no âmbito da Constituição de 1993? E também é legítimo perguntar: pode este regime conceder às grandes maiorias a possibilidade democrática de definir livremente seu destino? Podemos “concordar” em um “Acordo Nacional” a possibilidade de expressar aspirações populares sem limitações, em uma assembleia que seja verdadeiramente soberana?

Vamos responder a estas perguntas e tirar conclusões, as experiências nos ajudam a procurar saídas, o fato de que um governo muda de rumo não significa que tudo está perdido, desde que haja luta e organização, há sempre a possibilidade de mudança, e esse caminho está cheio de contradições e obstáculos a superar. É importante não perder de vista o norte da luta.

A atual Constituição Fujimorista limita as decisões em favor dos poderes constituídos. Não apenas declara a inviolabilidade da propriedade privada, mas também afasta nossas riquezas naturais em favor das empresas imperialistas que se aproveitam do meio ambiente e da terra, e também as protege, dando status constitucional à manutenção do sigilo bancário, deixando absolutamente claro que qualquer declaração de igualdade jurídica será puramente formal e sem eficácia prática.

Eliminar essas barreiras antidemocráticas significaria acabar com os limites para a grande maioria da população decidir o que “fazer e desfazer” além de qualquer institucionalidade consagrada pelo poder constituído.

É muito claro que estas instituições, partidos políticos, parlamentos e lobbies empresariais existentes demonstram todos os dias que são contra a vontade que foi pronunciada nas urnas e expressa nas ruas. Implementar, por exemplo, a efetividade dos juízes e a revogabilidade dos cargos públicos; tomar a medida de que nenhum funcionário público deve ganhar mais do que um professor para eliminar a casta política que governa para os capitalistas; o direito de qualquer grupo de pessoas se candidatar à eleição; debater a perseguição das minorias, o direito ao aborto legal, a nacionalização das minas, dos bancos e dos principais recursos do país, a redução da propriedade do campo, o planejamento da economia, entre outros pontos seriam aspectos a serem debatidos em uma assembleia constituinte livre e soberana.

TOMAR AS RUAS EXIGINDO QUE SE CUMPRAM AS PROMESSAS E UMA NOVA CONSTITUIÇÃO

Com muita decepção e muita raiva, mas com uma firme determinação de encontrar uma solução fundamental. Primeiro declaramos que nossa disposição de apoiar e fazer parte do governo de Pedro Castillo foi baseada em um acordo assinado por Castillo e Veronika Mendoza, uma figura pública do Nuevo Perú, nossa contribuição foi a de impulsionar o processo de mudança e aconselhar o presidente, apontando os erros, mas acima de tudo afirmando uma proposta estratégica que passava por fortalecer a organização popular para viabilizar este processo; é uma pena que não tenhamos sido ouvidos. Agora, diante deste novo cenário e de um gabinete adverso, temos que tomar uma posição e exigir que o governo de Pedro Castillo cumpra as promessas feitas durante a campanha eleitoral a milhares de pessoas e que cumpra os acordos programáticos assinados com o Nuevo Perú.

Multiplicando toda a energia despendida nas ruas pelos jovens, os camponeses e categorias de trabalhadores serão a única garantia de impor a vontade do povo. É por isso que não podemos adiar a discussão sobre o caminho a seguir para aprofundar a mobilização e assim defender os direitos das grandes maiorias. Para isso, devemos desenvolver planos de ação e promover, por exemplo, a organização da “Frente Nacional pela Democracia e Governabilidade” em diferentes setores, nos bairros, entre os jovens, nos locais de trabalho, nas regiões e províncias.

Desta forma, poderemos avançar em um projeto político socialista, um pólo que atrai a juventude militante, os camponeses pobres, os trabalhadores e também as mulheres que sofrem a opressão patriarcal capitalista, propomos humildemente que hoje devemos construir o Nuevo Perú. Derrubar a Constituição Fujimorista é possível, impor nosso programa é possível, poderemos evitar os golpes institucionais disfarçados de vacâncias.

A unidade e a mobilização nos mostram o caminho que devemos seguir.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).