Eleições na Colômbia, algo para celebrar
transferir-8-1

Eleições na Colômbia, algo para celebrar

Uma análise das recentes eleições colombianas e do papel da líder negra feminista Francia Márquez.

Lucas Guerrero 23 mar 2022, 12:04

Os resultados do referendo e das eleições parlamentares, com a maioria da esquerda, são coisas nunca vistas antes na Colômbia, que durante décadas foi dominada pela ideologia conservadora e pela ala ultra-direita de Uribe. Além disso, houve um evento sem precedentes que abriu novos caminhos na política colombiana: o altíssimo voto para uma mulher negra, feminista e lutadora social: Francia Márquez.

A consulta se tornou uma primária

Embora as eleições de 9 de março fossem para eleger senadores e parlamentares, pois na Colômbia o congresso tem duas câmaras, a primeira é o senado, composto por 108 senadores eleitos em nível nacional, dos quais cinco correspondem ao partido Comunes das ex-FARC, acordado no processo de paz, dois em representação das comunidades indígenas e um para o segundo candidato com o maior número de votos nas eleições presidenciais, e a segunda é a câmara de representantes composta por 173 deputados eleitos por circunscrição territorial, dois representantes para cada circunscrição territorial e mais um para cada 375.000 votos.

O novo fenômeno, que tem ofuscado as notícias das eleições parlamentares, é o triunfo da consulta interna na oposição de esquerda liderada por Gustavo Petro, ex-prefeito de Bogotá, membro proeminente da oposição e grande polemista que tem provocado muitos debates no senado e atraído o fogo do Uribismo e dos entrincheirados de direita no parlamento colombiano. A consulta da coalizão Petro sob o nome de PACTO HISTÓRICO, com pouco mais de 5,8 milhões de votos, ganhou uma enorme vantagem em votos em relação ao maior voto das outras consultas, que reúnem a direita e o centro do espectro político. A maior coalizão de direita liderada por Federico Gutiérrez, ex-governador de Antioquia e ex-prefeito de Medellín, obteve 4,15 milhões de votos, 40% abaixo da coalizão liderada pela Petro.

Para as eleições do Senado, o Petrismo havia inicialmente ganho 16 senadores, mas com a recontagem dos votos na sexta-feira, 18 de março, o escritório de registro acrescentou 390.000 votos à contagem do Pacto Histórico. Foram acrescentados 390.000 votos à conta do Pacto Histórico, o que faria 19 senadores, mais 2 senadores dos indígenas, que são acrescentados ao Pacto Histórico, tornando-os a força majoritária no Senado da República, seguido pelo Partido Conservador com 15 senadores, o Partido Liberal com 15 senadores e o Centro Democrático de Uribe com 13 senadores, assim como a coalizão da Alianza Verde e Centro Esperanza com 13 senadores.

As dificuldades da direita

Gustavo Petro ganhou sua consulta com 4.500.000 votos, de um total de 5.818.000, um pouco mais de 80% dos votos para os candidatos do Pacto Histórico liderado por ele, enquanto Federico Gutiérrez, com 2.120.000 votos, de um total de 4.146.000 recolhidos na coalizão Equipo por Colombia; é claro que como candidatos presidenciais, Petro superou Gutiérrez com mais do dobro dos votos. Este é um dos elementos da consulta que preocupa muito a burguesia colombiana e há setores muito alarmados com o possível triunfo da Petro nas eleições presidenciais de maio.

Esta consulta, devido ao caráter dos candidatos que se enfrentam, entre uma esquerda em ascensão e uma direita em declínio, é de grande importância para o futuro próximo da Colômbia, uma vez que seu mapa político está sendo redesenhado. Concordamos com alguns meios de comunicação ao dizer que esta eleição se tornou realmente uma eleição primária, antecipando os resultados das eleições presidenciais de 29 de maio.

Todos sabem que os votos de um candidato não podem ser endossados por outro, e por mais que a direita se organize e tente apoiar Federico Gutiérrez como candidato de unidade contra a ameaça da esquerda, as diferenças políticas e brigas entre setores burgueses não lhes permitem alcançar a tão cobiçada unidade tanto nas alturas como entre a base, em grande parte coagidas, se não compradas diretamente pela burguesia e pelos traficantes de drogas. Sem ir muito longe, vejamos o que está acontecendo com o Uribismo, após a derrota nas eleições parlamentares do partido Centro Democrático, que perdeu 6 cadeiras, passando de 19 para 13, enquanto os setores da esquerda que estavam em coalizão com a anterior Colômbia Humana de Petro em 2018 tinham 4 senadores e 3 parlamentares, agora com o Pacto Histórico eles têm 21 senadores e 31 representantes na câmara (parlamentares).

Para não ser contado na consulta, o Centro Democrático não participou de nenhum dos grupos ou partidos de direita, mas o fracasso nas eleições para o Senado e para a Câmara dos Deputados foi tal que o próprio candidato Uribista, Oscar Ivan Zuluaga, renunciou à sua candidatura para apoiar Federico Gutierrez, o vencedor na consulta do grupo chamado Equipo por Colombia (Equipe pela Colômbia). Entretanto, três dias depois ele foi rejeitado por uma reunião da liderança de seu partido convocada pelo próprio Uribe, que indicava que eles iriam realizar uma pesquisa nas bases para ver em quem votariam nas eleições presidenciais, o que significa que não há unidade no Centro Democrático para apoiar Federico Gutiérrez, o candidato do Equipo Colômbia, que tem mais chances de se candidatar contra Petro nas primárias em maio. O mesmo acontece com o Partido Liberal e suas diversas facções, que o representam no parlamento, onde apesar do revés, as facções mais importantes, juntas, mantiveram uma maioria parlamentar. Mas o líder mais importante dos liberais, o ex-presidente Cesar Gaviria, tem uma conversa pendente com o próprio Petro. As fileiras da esquerda sabem que estas alianças não se adequam ao Petro, pois seriam feitas à custa de virar à direita a direção social e popular que o programa do Pacto Histórico tem para implementar uma grande parte de seu programa se ele ganhar a presidência.

Até agora, na campanha eleitoral, a direita e suas diferentes facções na Colômbia mostraram e divulgaram publicamente uma enorme tentativa de assumir o poder do Estado a qualquer custo, porque a facção que tem esse poder em suas mãos é, em última instância, a que decide quem fica mais rico, qual dos grupos burgueses pode roubar os bolsos dos colombianos com impunidade, utilizando decretos e leis especialmente elaboradas para realizar os roubos dentro de um marco legal que os garante a agir “dentro da lei”, porque os ajustam previamente para que a execução da armadilha e o roubo permaneçam dentro do marco da legalidade burguesa, da lei, ou que suas ações sejam endossadas por autorização prévia do Estado. Outros, como os altos funcionários do governo Duque, roubam centenas e às vezes bilhões de dólares com o maior descaramento, sabendo que depois do escândalo, se forem descobertos, nada lhes acontecerá.

A fatura da juventude e das massas populares ao Uribismo e seu governo

A queda de popularidade do ex-presidente Uribe, que por sua vez enfrenta um delicado processo de manipulação de testemunhas no sistema de justiça comum, depois de ter renunciado ao seu assento no Senado para sair da órbita da Suprema Corte. Fundador do Uribismo e sabotador junto com seu partido Centro Democrático do Processo de Paz com os guerrilheiros das FARC, inimigo da paz e com o governo de seu fantoche político, Iván Duque, ele continuou a dificultar e a colocar travas no Processo de Paz. No governo de Iván Duque, o número de assassinatos de líderes sociais e ex-guerrilheiros que desarmaram, cumpriram o processo de paz e estavam fazendo seu caminho de volta à sociedade está aumentando a cada semana na Colômbia. Vejamos um resumo aproximado do que aconteceu nos últimos anos do governo uribista de Iván Duque. De acordo com Indepaz da Colômbia:

  • 23 massacres em 2022, com 61 vítimas – corte a partir de 17 de março de 2022.
  • 96 massacres em 2021, com 338 vítimas – corte em 31 de dezembro de 2021.
  • 91 massacres em 2020, 381 pessoas foram mortas em 91 massacres perpetrados em 2020, a partir de 31 de dezembro de 2020.

Em resumo, sob o governo Duque, 781 pessoas foram mortas em 210 massacres contra líderes sociais e ex-guerrilheiros desarmados na Colômbia.

Além disso, entre 28 de abril e 23 de julho, a Fundação Indepaz contou 80 vítimas da violência homicida no marco da Greve Nacional, que foi sem dúvida uma luta semi-insurrecional, com barricadas, a greve votada pelos dirigentes operários agrupados na CUT, na prática foi uma deriva para a mobilização popular, liderada pela juventude da linha de frente nas principais cidades do país, de caráter massivo, com mobilização permanente da juventude, com grande apoio popular na classe trabalhadora e nos bairros populares e solidariedade cidadã. Essas 80 mortes durante a greve foram perpetradas impunemente, a maioria delas pela polícia, assassinos contratados e alguns setores armados dos autodenominados “bons cidadãos”, como aqueles que atiraram nos manifestantes indígenas em Cali. Pelo menos 861 vítimas foram contadas durante este governo, incluindo líderes sociais, jovens de bairros pobres e ex-guerrilheiros que depuseram suas armas. Com este registro, e com a pretensão de assustar os ingênuos com o Castrochavismo de Petro, se não fosse o fato de que o Uribismo ainda tem um setor das massas que o sustenta, ele seria uma lamentação prefigurada pela perda de poder, que os leva à angústia e ao pânico. Mas felizmente para os Uribistas e a burguesia em geral, como geralmente acontece com a maioria de nossos temores, boa parte deles não tem base na realidade, porque um governo Petro não os afeta de forma substancial, não haverá expropriações, não haverá nacionalizações e é muito provável que sejam feitos acordos com setores burgueses para governar.

Mais tarde teremos a oportunidade de analisar em detalhes a participação dos jovens nestas eleições, mas certamente terá aumentado significativamente, pois é claro que o voto para Petro não é apenas um voto de punição, como diz a imprensa burguesa, mas também expressa o ódio a Uribe, a sabotagem do processo de paz e do paramilitarismo na Colômbia e, claro, o cansaço e a desaprovação do governo Duque. Isto faz parte do projeto de lei que os jovens e amplos setores populares estão transmitindo, a este ousado e violento estilo de regime quase ditatorial e antipopular, patrocinador dos mal chamados “Falsos Positivos” que cobrem com dor mais de 6200 famílias na Colômbia, que perderam seus filhos nas mãos de um exército e um Estado que procedeu para matar e executar milhares de jovens desarmados e depois os acusou de serem guerrilheiros em combate e, além disso, recompensa os assassinos; enquanto se reunia com a máfia e proprietários de terras e os ajudava a organizar o paramilitarismo responsável por centenas de milhares de mortes durante as últimas três décadas.

O melhor: o triunfo de Francia Marques

Sim, sejamos claros, a vitória de Francia no referendo foi boa, mas sem dúvida o melhor é o surgimento de uma nova líder social e política, que até alguns meses atrás era desconhecida na arena política da Colômbia. A vitória de Francia reflete sua liderança conquistada nas lutas da greve nacional, do povo negro, na defesa do meio ambiente e pelos direitos humanos. Francia é uma das líderes mais importantes da Colômbia, ela é uma fervorosa feminista, mãe de dois filhos e uma extraordinária lutadora, ela é algo semelhante à figura de nossa querida líder Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro no Brasil, que foi assassinada por capangas do regime antipopular e corrupto na época governado por Michel Temer.

Francia está à esquerda do tradicional Petrismo e se tornou uma pedra no sapato de Petro, que não a vê como candidata à vice-presidência, pois ele vinha reservando esta posição para negociar com setores burgueses que supostamente fortaleceriam sua campanha presidencial. Entretanto, agora, dado o peso específico do voto alcançado, ele terá que repensar o fato de que a nomeação da Francia como vice-presidente influenciará amplos setores populares que serão incentivados a apoiá-la, o que também aumentará o fluxo de votos para presidente. Os 800.000 votos que Francia ganhou significam uma vitória para os setores mais combativos e mais pobres da população colombiana, e com ela virão outros líderes populares que correrão para orientar e organizar as lutas que o povo colombiano tem que travar na arena social e política. Isso, e o que resta a ser escrito em nossa história, é o que temos que celebrar.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).