Aliança Socialista: Rússia fora da Ucrânia! Não à OTAN!
credit_peter_boyle

Aliança Socialista: Rússia fora da Ucrânia! Não à OTAN!

Declaração da Aliança Socialista da Austrália contra a guerra na Ucrânia.

Via Green Left

A Aliança Socialista condena o ataque russo à Ucrânia. A guerra viola o direito internacional e é uma catástrofe para as pessoas de ambos os países.

O povo ucraniano tem o direito de resistir à invasão. Nós apoiamos os apelos para:

  • Que a Rússia pare imediatamente a invasão e retire seus militares do território e do espaço aéreo da Ucrânia.
  • Um retorno à diplomacia para desescalar a situação e resolver o atual impasse.
  • O direito à autodeterminação democrática para o povo ucraniano.
  • Um compromisso de todos os lados para uma resolução pacífica da situação no Donbas e uma solução que respeite os desejos democraticamente expressos do povo que lá vive.

O papel da OTAN e dos EUA

O governo russo é responsável por este terrível ato de guerra. Entretanto, o incansável impulso dos Estados Unidos para expandir a OTAN até a fronteira da Rússia, a fim de cercar militarmente o conflito, enquadra o conflito de forma significativa. A mesma abordagem está sendo aplicada à China através do AUKUS e do Diálogo Quadrilateral de Segurança.

Em ambos os casos, isto não tem nada a ver com a defesa de uma “ordem baseada em regras”, como hipocritamente alegam seus proponentes, mas sim em bloquear a concorrência e preservar os lucros. Esta agressiva política de “contenção” tem na verdade a consequência de reforçar a política nacionalista autoritária tanto na Rússia quanto na China.

As seguintes medidas são necessárias para contribuir para uma paz duradoura:

  • Um compromisso imediato para deter a expansão da OTAN para o leste. Assim como AUKUS, ANZUS e o Quad, a OTAN deve ser desmantelada.
  • Todos os países devem assinar o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW).

A Rússia de Putin

A recente afirmação do presidente russo Vladimir Putin de que a nação ucraniana não existe, mas foi uma invenção da União Soviética, é absurda. Sua sugestão de que haveria consequências militares para a Finlândia e a Suécia se aderissem à OTAN e as referências ao conflito nuclear eram extremamente inflamatórias.

Putin não representa o povo trabalhador da Rússia. Seu projeto político se baseia no autoritarismo, no conservadorismo social e no chauvinismo russo. Ele representa os interesses dos oligarcas capitalistas russos e seu desejo de esculpir sua própria esfera de influência em competição com o capitalismo ocidental.

Este projeto não tem um papel progressista ou anti-imperialista. Em vez disso, as ações de Putin tornam mais difícil construir um mundo pacífico e mais justo:

  • A invasão da Ucrânia impulsionará o apelo da OTAN nos países vizinhos e convencerá muitas pessoas neles que precisam permanecer aliadas à estratégia militar dos EUA na Europa e fora dela.
  • Com o foco na destruição de Putin na Ucrânia, torna-se mais fácil para os EUA e seus aliados se apresentarem hipocritamente como os defensores do direito internacional enquanto continuam a desencadear violência em partes do mundo fora do olhar da mídia ocidental.

Expressamos nossa solidariedade com o emergente movimento de paz russo e pedimos a libertação imediata de todos os manifestantes e prisioneiros políticos detidos. Não apoiamos sanções econômicas contra a Rússia que prejudiquem os trabalhadores.

Finalmente, insistimos que, embora os refugiados desta guerra devam ser imediatamente bem-vindos na Austrália, isto deve ser feito em adição ao recebimento humanitário existente e não às custas dos refugiados de outros lugares.

[O Executivo Nacional da Aliança Socialista divulgou esta declaração em 1º de março].


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).