Sou porque somos: o abraço das “ninguém”
Portada-03-cb5e800d-1280x640-1

Sou porque somos: o abraço das “ninguém”

A esquerda colombiana obteve uma votação maciça no último domingo e estes resultados devem-se também à líder feminista negra Francia Márquez.

Angélica Bohórquez 16 mar 2022, 19:07

Via Viento Sur

A esquerda colombiana ganhou uma votação maciça no domingo, com o Pacto Histórico, liderado por Gustavo Petro, recebendo duas vezes mais votos que a direita e seis vezes mais que o centro. Estes resultados também se devem à atração eleitoral de Francia Márquez que, com 757.000 votos, tornou-se a terceira candidata mais votada, convertendo-se assim numa figura chave para as próximas eleições presidenciais. Com seu movimento “Sou Porque Somos” ela se posicionou como ponto de referência para as lutas sociais, feministas, anti-racistas e ambientais na Colômbia.

———————————————————

Eram sete horas e mais de 3000 pessoas se aglomeravam na Plazoleta de São Francisco, em Cali. Naquela hora, a brisa balançava centenas de bandeiras empunhadas pelos participantes. A imagem de Francia Márquez Mina acenava ao lado do logotipo do Sou Porque Somos, seu movimento político. A noite tomou conta de todos os cantos, exceto da frente do palco iluminado, que recebeu sua primeira aparição como pré-candidata em uma praça pública na capital do Vale.

As mesmas voluntárias do movimento, que dias antes tinham montado uma cozinha comunitária em um parque no Oriente, estavam encarregados da logística. A seu lado, as companheiras mais visíveis do Sou Porque Somos. Meses atrás, elas se sentaram com Francia para pensar em propostas para uma vaga no Senado. Estavam todas esperando por ela no palco, banhadas por uma luz violeta vinda do palco.

Anteriormente, as anciãs María Elvira Solís, Helena Hinestroza e Ana Gamboa subiram para cantar uma canção composta para seu futuro presidente:

No povoado de Suárez, Cauca.

Mil novecentos e oitenta e dois

No dia primeiro de dezembro

Nasceu uma menina inocente

Com a força e o poder

De todos os seus antepassados

Às oito horas, a antiga criança, agora uma mulher cheia de força, começou seu discurso: “Esta manhã eu estava refletindo em casa e pensando: O que vou dizer ao povo de Vale do Cauca, o que vou dizer a Cali, aos jovens que defenderam a dignidade na Greve Nacional?” Com essa saudação, devolveu o tempo para as noites em que esta cidade não dormia e as vozes na praça explodiam.

O que quer que aconteça na consulta do Pacto Histórico, que será votada no domingo, 13 de março, a pré-candidatura de Francia Márquez já é histórica para a Colômbia. Nunca antes uma mulher jovem, racializada e empobrecida, uma líder social e ambiental, contestou o poder máximo dos poderosos. E desde o início de seu ativismo, que começou nos anos 90, ela anda de mãos dadas com as lutas das mulheres que a cercam e vivem as mesmas opressões. Hoje, tantos anos depois, estas mulheres apoiam, de muitas frentes, um movimento político que está se tecendo em uma rede apertada, e uma candidatura que é um símbolo de mudança. Aqui estão algumas de suas histórias.

Francia Márquez esteve aqui durante a Greve Nacional de 2021. Ela acompanhou os indígenas da Minga, as mães de Siloé cujos filhos foram mortos pelas forças de segurança, e os jovens de Puerto Resistencia que se despediram de sua trincheira com um concerto, em meio a tensões.

Um ano antes, durante a pandemia, ele estava no bairro de Llano Verde em 12 de agosto, junto com as mães que na véspera encontraram seus cinco filhos, entre 14 e 16 anos, assassinados e com sinais de tortura em um barranco vizinho onde tinham ido para voar pipas. O presidente e o procurador geral chegaram duas semanas após o massacre para oferecer condolências e anunciar o progresso na investigação. Ainda esta semana ficou conhecido que Gabriel Bejarano, vulgo ‘El Mono’, um dos três homens presos após o massacre, foi condenado a 38 anos de prisão após um pré-acordo com a Procuradoria Geral da República, por ser o autor do crime.

Llano Verde foi o ponto de viragem para Francia: um crime dentro de uma longa cadeia. No dia do massacre, Patrocinio Bonilla, um líder afro e defensor do território do Alto Baudó, foi assassinado. Em 10 de agosto, membros das Forças de Autodefesa Gaitanista atiraram à queima-roupa contra duas crianças de 12 e 17 anos, no município de Leyva, Nariño. E em 16 de agosto houve outro massacre em Samaniego, Nariño, contra oito estudantes universitários. Naqueles dias, seguindo um impulso vital que não consultou a equipe que a apoiou em 2018 como candidata à Câmara para o distrito afro com o Conselho Comunitário do Rio Yurumanguí, Francia Márquez tomou a decisão de concorrer à presidência.

Segundo Hildebrando Vélez, um dos fundadores do Sou Porque Somos, o movimento foi concebido antes de agosto de 2020, com o apoio daquela candidatura de 2018 na qual Francia obteve mais de 7.000 votos, 13.000 do Conselho e uma aliança com a Colombia Humana. Mas seu nome surgiu após Llano Verde, para retomar a raiva digna que um ano depois explodiu nas ruas. Sou Porque Somos’ é a tradução de ‘Ubuntu’. “Uma palavra dos idiomas bantu da África Austral, popularizada por Nelson Mandela e Desmond Tutu”,explica à imprensa o senegalês Souleymane Bachir Diagne, diretor do Instituto de Estudos Africanos da Universidade de Columbia.

Como conceito, é a filosofia de construir a própria humanidade em reciprocidade com xs outrxs, redefinida pelos povos afro-descendentes que Francia representa nesta campanha. Como movimento político colombiano, é uma amálgama de organizações sociais. Participam pessoas de diferentes regiões do país, com trajetórias na luta pela justiça racial, ambiental e de gênero. Embora seja difícil fazer um censo, em 15 de janeiro, em uma assembleia extraordinária, 300 representantes do movimento foram contados em nível nacional.

Sou Porque Somos tem uma estrutura mista, diversa e horizontal na qual existem desafios para adaptar a política representativa aos mecanismos de luta social, o terreno em que Francia e seu povo se movimentam melhor. Há também lutas em meio ao exercício de feminizar os espaços político-eleitorais, que se complexificam diante de adesões e alianças.

Em 20 de dezembro de 2021, Vicenta Moreno anunciou sua renúncia ao Pacto Histórico, após fazer parte da lista fechada do Senado sob dois acordos: o primeiro, que para cada cinco rubricas haveria representação de populações étnicas. A segunda era que ela e Carlos Rosero, parte do Sou Porque Somos, ocupariam um lugar entre os primeiros vinte. No entanto, naquele dia se soube que Carlos e Vicenta foram colocados na 27ª e 30ª posições, respectivamente.

As respostas no Twitter não demoraram muito: “Camarada… Petro não vai destituir Gustavo Bolívar por vocês”, “Pare com tanta vaidade” ou “Já existe representação afro, por que você insiste em destruir o Pacto Histórico”.

Vicenta Moreno Hurtado é chocoana* de nascimento. Tem trabalhado para as comunidades afro, camponesa e indígena no leste de Cali há 34 anos. Ela é mãe, mestre em Educação Popular e referência para muitxs jovens e mulheres que vieram para a Associação Cultural Casa El Chontaduro, que ela dirige. A casa está localizada no bairro de Marroquín, oferece pré-vestibulares populares, produções teatrais, espaços de pesquisa com uma perspectiva étnico-racial e de gênero. Como Francia, Vicenta tem estado presente em cada golpe dado pelo crime organizado e estatal no distrito de Aguablanca, onde os cinco de Llano Verde foram assassinados.

“Não trabalhei em política institucional e sempre tive reservas porque é um lugar ocupado pela oligarquia e por homens construindo o estado de morte”, explica Vicenta. “A decisão de se candidatar foi difícil para mim, mas foi tomada ao conversar com mulheres que fazem parte de El Chontaduro e com muitas pessoas próximas a mim.” Ela diz que quando Francia anunciou sua candidatura presidencial, ela lhe disse: “Francia, isso é uma loucura, mas temos que conversar”.

Assim, uma tarde, em meados do ano passado, ela foi até sua casa, acompanhada por várias mulheres de El Chontaduro. Nessa reunião, eles se dispuseram a construir Sou Porque Somos. “Lá ela propôs que eu me juntasse à lista do Senado que estavam elaborando”. Apesar de suas dúvidas, Vicenta estava convencida de lutar pelo espaço quando decidiu se candidatar por uma chapa coletiva: “É uma ideia que retomamos de nossas companheiras do Brasil, que estão fazendo política desta maneira. Então começamos entre todas a construir nossas propostas para esta candidatura, porque é o modo de trabalho que conhecemos.” Sua candidatura coletiva era composta por Sofia Garzón, Mauri Balanta e Debaye Mornan, mulheres com experiência em trabalho comunitário e lugares de enunciação desde os feminismos afro.

“O compromisso era com a comunidade e comigo mesma. Não vi porque tivemos que ficar no Pacto depois que a palavra não foi honrada”, diz Vicenta. “Vários setores políticos estão acostumados a dizer uma coisa e mudá-la conosco, porque consideram que estão nos fazendo um favor.” Ela diz que houve desculpas, mas não houve reparações. “Foi mais importante para eles cumprir outros acordos políticos do que o compromisso com o Sou Porque Somos, que aportou muito para eles.”

Não é segredo que a aliança entre o Sou Porque Somos e o Pacto tropeçou, mas internamente. Com muitas negociações, gestionaram o ocorrido e foram em frente com a pré-candidatura de Francia, porque estão claros que o objetivo é maior. Vicenta sorri quando fala de Francia: “Ela não descansa nem por um minuto. É mais difícil, espera-se que as mulheres sejam perfeitas. O resto de nós estamos aqui para fazer um trabalho onde ela não pode ir.”

A Greve Nacional começou uma semana depois que a documentarista Sonia Serna e sua equipe se propuseram a filmar um documentário sobre a campanha da Francia. Em Cali, uma cidade sem gasolina, estradas fechadas, brutalidade policial e tiroteios em plena luz do dia, Sonia, Francia e Karen Gómez, a diretora de fotografia, começaram a gravar o início de Igualada, seu filme.

“Em março, Francia me disse: ‘Olha, venha comigo a uma reunião, vamos falar de política’. Foi no restaurante Secretos del Mar em Cali, uma das primeiras reuniões para criar o movimento Sou Porque Somos porque com uma perspectiva muito mais formal”, diz Sonia. Mas a brutalidade das forças de segurança em meio à explosão social virou tudo de cabeça para baixo: “Desde o início ela nos disse: ‘Não vamos falar sobre a presidência nestes espaços, não vou fazer política com a dor das pessoas’. Depois do que acontecer com isto, veremos o que fazer com a campanha”. A partir daquele dia, não desligaram a câmera. O arquivo também contém a frustração, as lágrimas e conversas de Francia em frente ao espelho sobre sua imagem.

“Igualada é um dos insultos mais comuns usados contra ela nas mídias sociais. É um insulto que dizem muito contra nós mulheres. Este é o ponto de partida, para dizer como esta ‘ninguém’ ousa contestar o poder maior”, explica Sonia. Ela é antropóloga e faz parte da equipe da Human Pictures, uma empresa de produção sediada nos EUA focada em histórias de justiça social. “Eu a acompanho desde que ela era uma ativista novata até organizar a Marcha dos Turbantes”, em 2014, quando mais de 50 mulheres afro de La Toma vieram a Bogotá para exigir a titulação coletiva de suas terras e a remoção das retroescavadeiras do Rio Ovejas para mineração ilegal.

“Hoje ela está cercada por mulheres deste processo político no norte do Cauca, uma comunidade em um contexto de guerra e de masculinidades complexas, que é sustentada do começo ao fim pelas mulheres”. Sonia reflete: “Francia não é um erro no sistema, ela não apareceu do nada. É óbvio que tal mulher tem uma história que vai além dela”.

Para ela, a utopia deste projeto, por mais distante que possa parecer, tem a ver com o fato de que os espaços políticos ainda são cooptados, já não pela direita, mas por formas patriarcais e classistas de fazer política. “A utopia não tem nada a ver com que o projeto da Francia seja de um país de ficção científica”, esclarece ela.

Sonia e várias mulheres do Sou Porque Somos mencionam esta luta contra a política patriarcal. “Como Francia não tem que lutar todas as lutas e está lutando a luta grande, a que enfrenta o país, nós vamos lutar as que estão surgindo dentro do movimento”. Da mesma forma, dentro de uma coalizão que tem sido duramente questionada por uma leitura insuficiente da violência baseada em gênero e do lugar das mulheres na política eleitoral.

Em 2018, a engenheira agrícola Maury Valencia acompanhou Francia em sua campanha para se tornar representante na Câmara pelo Conselho do Rio Yurumanguí. O legado desse processo e seu trabalho com grupos étnicos na prefeitura de Bogotá a mobilizou para fazer parte do comitê que batizou Sou Porque Somos.

Ela diz que o movimento começou a tomar forma quando começaram a coletar assinaturas para uma candidatura independente em março de 2021. A coleta exigiu um comitê que inicialmente era composto por ela, o professor Arturo Grueso Bonilla e Leonardo González Perafán.

Para recolher as 600.000 assinaturas que dariam status legal ao movimento, foram necessários 700 a 800 milhões de pesos, de acordo com os cálculos de seus integrantes. Depois de tentar, em um esforço que reuniu voluntárixs, optaram pelo caminho do endosso. Em 9 de agosto de 2021, o Movimento das Autoridades Indígenas da Colômbia (AICO) acolheu Francia, mas o Pacto Histórico negou a pré-candidatura sob essa legenda. Então acabou sendo o partido Polo Democrático que a legitimou, três dias depois. Só então Francia conseguiu colocar o pé no acelerador de sua campanha.

“O movimento é um círculo de pessoas que a cercaram, para além do sonho de ser presidente, no sonho de transformar o país”, diz Maury, que reconhece os desafios da feminização da política. “Temos notado que as pessoas que podem estar com a Francia 24 horas por dia, 7 dias por semana, são homens. É mais fácil para eles deixar seus lares, se forem solteiros, ou deixar seus filhos sob os cuidados de suas companheiras. Tenho uma filha de 12 anos que voltou ao estudo presencial, sou solteira, é mais difícil”.

Com relação ao Pacto, ela diz que foram eles que chamaram Francia para a consulta. E que, se no início alguns setores da coalizão estavam interessados em aproveitar a figura do Prêmio Goldman 2018 para somar apoio dos setores afro, essa intenção foi frustrada: “Coisas muito grandes começaram a acontecer, como a conversa com Angela Davis, os manifestos internacionais de apoio à candidatura, o voto de confiança de Estamos Prontas e de Ángela María Robledo. Francia veio para ganhar. É talvez o único elemento dentro do Pacto que não se molda de acordo com o que os líderes da coalizão querem que faça.”

Maury garante que, aconteça o que acontecer, o Pacto Histórico é uma aposta para o país, e se não ganharem a consulta, continuarão apoiando a presidência de Gustavo Petro porque nunca transformariam o cenário em uma contradição. Como o voto em branco promovido por Sergio Fajardo em 2018. “Creio que estamos no pior momento que a Colômbia viveu em sua história recente. (…) Há gerações inteiras que estão perdidas hoje”. Uma liderança visível como Francia, assegura ele, é uma conquista dos movimentos sociais, que estão na mídia por causa de sua situação crítica.

“Eu me vejo nos olhos da Francia e acredito que as pessoas que viveram a guerra, que foram socialmente excluídas, ameaçadas, também se identificam com ela”.

A “Mais Velha” Maria Elvira Solis deixou Tumaco quando tinha 12 anos de idade. Ela não estava indo bem na escola das freiras onde estava estudando, então procurou uma senhora que buscava meninas para trabalhar como empregadas domésticas nas casas das famílias em Bogotá: “Isso também é deslocar-se em busca de novas condições de vida”.

Embora ela estivesse separada de sua mãe e sua avó quando criança, ela aprendeu o que era a união das mulheres. “Eu costumava vê-las: ‘A comadre pariu? Pois aquela mulher tinha que ser cuidada como uma rainha. Ela não paria sozinha, a comunidade inteira paria. Uma lavava as fraldas, a outra fazia a comida, a outra colhia as ervas para banhar a mulher para que quando ela levantasse de sua dieta ela se levantasse saudável. Lembro-me disso e assim somos nós com Francia Márquez”.

Elas se encontraram em 2014, depois que a líder ambiental foi deslocada de seu território: “Ela veio para a Casa Cultural El Chontaduro, ela esteve lá por um tempo. Quando marcharam para Bogotá, com as oitenta mulheres, ela também estava em El Chontaduro. E na greve cívica de Buenaventura, quando ocupamos a Defensoria Pública. Eu estava lá. Tornamo-nos inseparáveis.” A Mais Velha a chama de Ñaña, como as irmãs são chamadas em Tumaco, onde ela nasceu.

“Os eventos onde Ñaña Francia estiver, ali também vai estar a Mais Velha María Elvira a cantar, com sua poesia”, diz ela. Não é necessário, mas ela menciona que as mulheres do Pacífico são amorosas. Não é necessário porque desta mulher de 1,80 metros de altura e com uma voz que não se assemelha a nenhuma outra, quando ela fala de Francia, sai algo que só se parece com ternura:

“A coragem em minha irmãzinha eu nunca vi em nenhum homem”. A coragem de enfrentar um sistema assassino e racista, uma mulher negra de pequena estatura e imenso coração para defender seu povo. Eu sei que se Ñaña Francia Márquez chegar ao poder um dia, haverá mudanças. Será um país diferente e nós mulheres teremos um lugar para construir.”

Ela a acompanhou à Convenção Nacional Feminista, realizada em Honda, Tolima. Este foi um dos primeiros espaços onde Francia se dirigiu às mulheres sobre seu desejo de ser presidente. A Mais Velha faz parte da Sou Porque Somos: “Nos disseram ‘vamos fazer este movimento’, e como sou artista, eu disse que quero apoiar os eventos”. Assim, ela e as outras Mais Velhas estão presentes para abrir os espaços e trazer de volta a memória das ancestrais. “Também distribuímos panfletos e conversamos com as pessoas. Algumas pessoas nos dizem coisas terríveis: que não deveríamos estar falando de política, que eles não querem saber quem é Francia Márquez.

Como suas companheiras, ela acredita que os homens nestes espaços nunca querem perder terreno, mas ela está ciente de todos os progressos que foram feitos para chegar ao lugar central onde todos eles estão hoje. “É chamado de Pacto, mas não há palavra. A palavra é sagrada. Em nosso território, os anciãos faziam um pacto somente com a palavra, porque muitos não sabiam ler nem escrever. A palavra era um carimbo. Tinha que prevalecer.”

A canção que ela escreveu para sua Ñaña, que cantou em 26 de fevereiro com as outras Mais Velhas na Plazoleta de San Francisco, chama-se A Francia de Todas. Ela a compôs com sua sobrinha, a menina Maja Mina, Cintia Montaño e outras mulheres. Mas muito antes disso, quando conheceu Francia em 2014, ela escreveu um poema que dizia:

Quando eu me refiro a Francia Márquez

Eu imagino uma árvore guaiaca

sua força, suas lutas e sua grande humanidade.

Vicenta Moreno, madrinha de El Chontaduro

é força e resistência.

Ela é poesia.

Quando estamos juntas, uma combinação explosiva.

Música, raiva

memória ancestral

Dizem que sou poderosa professora selvagem

Navego sobre o verbo para libertar a palavra.

Artigo originalmente publicado em manifiesta.org. Lembre-se de seguir MANIFIESTA no Twitter e Instagram

—————————————————————————–

* Natural do departamento colombiano de Choco.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).