Colapso à direita, ameaça da extrema direita, esperança de uma alternativa à esquerda

Colapso à direita, ameaça da extrema direita, esperança de uma alternativa à esquerda

Publicado originalmente no Viento Sur (14.04).

León Crémieux 18 abr 2022, 11:21

Como em 2017, o segundo turno das eleições presidenciais de 2022 colocará Le Pen contra Macron. Este último obteve quase 27,85%, Le Pen 23,15% e Mélenchon 21,95.

Mas a vitória de Macron no segundo turno parece menos garantida do que em 2017 (quando ele ganhou 66% dos votos no segundo turno) e este novo duelo não deve mascarar as profundas diferenças na situação eleitoral após o primeiro turno.

A abstenção aumentou em mais de 4%, com 26,3% dos eleitores registrados. Desde 2007, ela vem crescendo constantemente, tanto nas eleições presidenciais como nas eleições legislativas que se seguem (mais de 50% em 2017). Entre os jovens (de 18 a 35 anos de idade), ela é superior a 40% (29% há cinco anos) e entre os trabalhadores é superior a 33% (29% há cinco anos). No total, a abstenção representa cerca de um quarto dos eleitores registrados.

Além disso, estas eleições marcam um novo colapso dos dois partidos tradicionais da Va República, o Partido Socialista (PS) e o partido gaullista Os Republicanos (LR). Juntos eles respondem por apenas 6,5% dos votos expressos. Em 2017, no final do mandato de cinco anos de Hollande, o PS havia perdido quase 80% de seus votos. Em 2022, o candidato da LR, com 4,78%, terá recebido um quarto dos votos obtidos em 2017. Em dez anos e duas eleições presidenciais, esses dois pilares do sistema entraram em colapso. O sistema presidencialista acabou devorando aqueles que o criaram. Em 2017, o candidato Macron já se beneficiava do apoio de uma parte significativa do eleitorado tradicional do PS. Nessas eleições, uma parte significativa do eleitorado restante do PS votou em Mélenchon, e o eleitorado gaullista se deslocou principalmente para Macron, mas também para Zemmour.

Dois exemplos ilustram estas mudanças:

O caso de Paris onde o PS se manteve por 20 anos. Em 2012, Hollande obteve quase 35% dos votos. Nesta eleição, a candidata do PS, a própria prefeita de Paris, Anne Hidalgo, recebeu apenas 2,17% dos votos, enquanto Macron obteve 35% e Mélenchon 30%.

Outro exemplo é Neuilly sur Seine, um subúrbio chique da capital, um reduto histórico do partido gaullista e da direita tradicional desde a Libertação, onde Nicolas Sarkozy foi prefeito. Em 2017, o candidato gaullista ganhou 64,92% dos votos e Macron 23%. Em 2022, Macron dobrou seus votos, atingindo quase a maioria absoluta, Zemmour recolheu quase 19% e Valérie Pécresse apenas 15%.

Estes dois exemplos ilustram a tripla polarização sem precedentes que surgiu nestas eleições, afetando os outros candidatos: ao redor de Macron e da extrema direita, por um lado, e Mélenchon, candidato da esquerda radical, por outro. Macron, Le Pen e Mélenchon surgiram como o voto útil para uma categoria do eleitorado, marginalizando os outros nove candidatos abaixo de 10% ou mesmo 5%.

Macron se consolidou claramente como o candidato do bloco burguês. Como em 2017, em 2022 a MEDEF (Movimento das Empresas Francesas), organização patronal, renovou seu apoio a Macron, que está desenvolvendo uma agenda neoliberal em todos os aspectos e cujos novos pontos programáticos pareceram satisfazer os grupos capitalistas; seja sobre cortes de impostos, ajuda aos negócios ou a continuação das ofensivas liberais na saúde e educação. Ao mostrar-se capaz de se opor às mobilizações dos coletes amarelos e dos jovens dos bairros populares contra a violência policial, afirmando-se como defensor das forças repressivas, Macron se consolidou diante do eleitorado reacionário desde 2017. Além disso, diante da crise sem fim do PS e do LR, Macron parecia ser o candidato mais confiável para aquele campo.

O resultado tem sido um claro reforço de sua base eleitoral, que mantém a maior parte dos votos da social-democracia, entre os estratos superiores dos assalariados e pensionistas abastados, agregando votos da LR, e aparecendo como garantia de estabilidade e até mesmo como um baluarte contra a extrema-direita. É por isso que, mesmo entre o eleitorado que tradicionalmente vota pela direita ou social-democracia em outras eleições (municipais ou regionais), no quadro do hiper presidencialismo francês, Macron apareceu como garantia de segurança para os grupos sociais que se encontram, na maioria, a salvo da precariedade e das dificuldades diárias. Obviamente, esta necessidade de estabilidade para estes grupos sociais foi reforçada pela crise pandêmica e pela guerra na Ucrânia.

A especificidade do sistema eleitoral francês, no qual o controle do sistema governamental é baseado exclusivamente em um indivíduo e não em um programa e representação proporcional, levou ao colapso dos partidos que têm sido sua base durante os últimos cinquenta anos.

A extrema direita sai espetacularmente fortalecida nesta campanha eleitoral com a consolidação do Rassemblement National-RN de Marine Le Pen e o surgimento da candidatura de Zemmour.

Macron, que, juntamente com a grande mídia, cultivou longa e extensivamente os temas da identidade e segurança nacionais, assim como François Mitterrand fez de Jean-Marie Le Pen seu melhor inimigo nos anos 80, alimentou nos meses que antecederam as eleições a ideia de um novo e inevitável duelo com Marine Le Pen, apresentando-se como um baluarte contra a extrema-direita, e pensando que ele se beneficiaria mais uma vez do fiasco que a candidata do RN experimentou no segundo turno das eleições de 2017.

Por outro lado, há algum tempo, várias personalidades da extrema direita vêm tentando sair desta armadilha apresentando o projeto de recomposição dos setores mais extremos da direita, construindo uma aliança da ala mais reacionária da LR com correntes de extrema direita, com o objetivo de prolongar a união alcançada durante as manifestações anti-LGBT, do La Manif pour tous contra o casamento gay e do PMA, uma aliança especialmente com setores próximos a François Fillon. O objetivo é construir uma alternativa que promova a homofobia e a islamofobia, bem como o culto aos valores tradicionais franceses, e que acolha sem ter vergonha as correntes neonazistas que Le Pen mantém à distância em nome da respeitabilidade. Foi a partir desta aliança, com o apoio do grupo de mídia de Vincent Bolloré e a de Marion Maréchal, sobrinha de Marine Le Pen, que a campanha de um controvertido jornalista de direita da imprensa gaullista, Éric Zemmour, que vem difundindo as ideias mais reacionárias há anos, e que foi condenado em várias ocasiões por seus comentários racistas e islamofóbicos, ultrapassou Marine Pen à direita e chegou às correntes mais fascistas da LR para recomposição política. Seu momento de glória veio no outono de 2021, com uma onipresença midiática na qual ele defendeu a ideia de que uma terceira candidatura de Marine Le Pen só poderia levar a um novo fracasso.

No final, porém, foi o efeito bumerangue deste argumento que marginalizou Zemmour, dado que para o eleitorado tradicional de Le Pen um voto para ela parecia ser a única maneira de derrubar Macron. Foi este argumento do voto útil que limitou o impacto eleitoral de Zemmour a 7% e o do terceiro candidato de extrema-direita, Dupont-Aignan.

Infelizmente, este primeiro turno confirmou o voto Le Pen como a primeira votação entre assalariados e trabalhadores, assim como sua forte presença nas áreas operarias do Norte, do Leste e da região do Mediterrâneo. Além disso, para tentar reforçar seu peso eleitoral no eleitorado da classe trabalhadora, ela enfatizou sua imagem como “a única candidata que pode derrotar Macron” desenvolvendo um discurso que coloca menos ênfase nas questões de segurança do que no aumento do poder aquisitivo, reduzindo impostos e contribuições sociais sobre salários baixos. E enquanto cultivava esta imagem popular, ela fez o seu melhor para parecer credível para o MEDEF e totalmente compatível com as estruturas da União Europeia.

A novidade deste primeiro turno foi o quase total desaparecimento do PS da cena presidencial e a consolidação eleitoral de Jean-Luc Mélenchon. Mais uma vez, este terceiro voto útil esvaziou o resto dos candidatos de esquerda, não apenas Anne Hidalgo, a candidata do PS reduzida a 1,75%, mas também o EELV (Verdes), o PCF (partido Comunista), o NPA (Novo Partido Anticapitalista) e LO (Luta Operaria).

Nas cidades e bairros populares, assim como nas Antilhas, muitas pessoas optaram por votar em Mélenchon a fim de bloquear a extrema direita do primeiro turno e assim evitar ter que votar novamente em Macron para eliminar a ameaça do Le Pen no segundo turno. Mas o voto em Mélenchon também atraiu o voto dos jovens dos bairros que lutam contra o racismo, a discriminação e a violência policial. Neste sentido, na região de Paris, ele foi o candidato mais votado no velho “cinturão vermelho”, perdido pelo PCF desde os anos 2000, ultrapassando 50% em Montreuil, La Courneuve, Aubervilliers, e chegando a quase 50% no departamento popular de Seine Saint-Denis. Da mesma forma, a evolução de seu discurso sobre a energia nuclear [para o fechamento em 15 anos] e o lugar ocupado pela luta pelo clima permitiram que seu voto aparecesse como um voto a favor da ação contra a mudança climática, sendo o candidato mais votado entre os jovens de 18 a 35 anos. 

Foram estas questões que dominaram sua campanha, tirando de cena sua declarada simpatia por Putin, especialmente durante a guerra civil síria, e sua posição ambígua sobre a agressão russa na Ucrânia. Assim, nas semanas que antecederam as eleições, houve uma polarização crescente à esquerda para fortalecer o voto de Mélenchon e possibilitar que ele chegasse ao segundo turno.

Mas, desempenhando até o limite seu papel como futuro presidente, Mélenchon fez um uso desproporcional da personalização desta eleição e de seu papel, uma personalização que também corresponde ao caráter volátil de seu movimento, La France Insoumise (França Insubmissa), um movimento sem qualquer estrutura democrática.

Entretanto, para a campanha, o próprio Mélenchon criou ao seu redor o Parlamento para a campanha da União Popular, com o objetivo de desempenhar o papel de ponte entre sua candidatura e os movimentos sociais. Neste sentido, ele repete a atitude da PCF no final dos anos 90, tentando se impor como porta-voz dos movimentos sociais ao incluir líderes dos movimentos sindicais e antiglobalização em suas listas. Da mesma forma, desde o início da campanha, a França Insoumise insistiu em impor o voto Mélenchon como o único voto útil da esquerda, pressionando explicitamente as outras candidaturas de esquerda, no entanto, desde o outono de 2020, ele mesmo procurou afirmar sua própria candidatura sem nunca buscar o menor debate ou acordo unitário com as outras forças da esquerda e da extrema esquerda. O fracasso de Mélenchon em chegar ao segundo turno é, portanto, também o fracasso da sua política hegemônica, e não é principalmente a responsabilidade dos candidatos que, como ele, se apresentaram.

No entanto, seu fracasso e a divisão das forças de esquerda, que afinal, no conjunto, obtiveram um número de votos comparável ao da extrema direita (ambos em torno de 32%), traz agora um grande debate político à tona. As forças sociais e as correntes militantes estão tentando superar os fracassos e traições da esquerda social-democrata e sua submissão ao liberalismo capitalista. Mas o debate necessário sobre este fracasso e sobre os eixos de uma necessária mobilização política e social diante da devastação do capitalismo ainda não se realizou.

A recusa de se resignar a esta situação foi uma das mensagens essenciais de Philippe Poutou e da campanha do NPA diante da emergência capitalista. Por outro lado, o sucesso de Mélenchon mostra a realidade e o vigor dessas forças, mas seu fracasso no primeiro turno também se deu à ausência de uma vontade de convergência e de ação comum. Infelizmente, por enquanto, além do segundo turno das eleições presidenciais, parece claro que para a France Insoumise que o único futuro político da esquerda deve estar sob a bandeira da Union Populaire, começando com as eleições legislativas do próximo mês de junho para as quais seus próprios candidatos já foram indicados, a fim de manter e aumentar seu grupo parlamentar na Assembleia Nacional.

Seja como for, o que está por vir é o segundo turno das eleições presidenciais, e embora as primeiras pesquisas mostrem Macron como o vencedor, as diferenças são muito mais estreitas do que em 2017.

No eleitorado popular, alguns setores se absterão, mas muitos outros colocarão uma cédula Macron na urna para bloquear Le Pen, como aconteceu em 2017. Este voto será dado com relutância, embora Macron, depois de ter liderado cinco anos de ataques violentos contra as classes trabalhadoras, depois de ter sido o fiel defensor dos interesses capitalistas, esteja procurando adornar-se com uma linguagem social e um verniz antifascista para ganhar votos à esquerda no segundo turno, mesmo modificando parcialmente seu projeto de novos ataques às pensões. Porque, tendo já ganho os votos da direita tradicional, a única reserva eleitoral que lhe resta para ganhar o segundo turno é a contribuição dos votos da esquerda. Mas muitas pessoas não poderão esquecer os ataques orquestrados aos coletes amarelos, aos jovens dos subúrbios, a violência policial sempre impune, a reforma do seguro-desemprego e a promessa de novos ataques às aposentadorias, bem como os presentes incessantes aos grupos capitalistas ou o desprezo colonial pelas populações das Antilhas, Kanaky (Nova Caledônia) e Córsega.

Entretanto, uma possível eleição de Marine Le Pen, apesar da fachada de respeitabilidade que ela vem tentando ganhar nas últimas semanas – mesmo usando Zemmour como argumento para mostrar sua moderação – não seria trivial. É a herdeira e fiadora de todas as correntes mais reacionárias da extrema direita francesa, e inclui em suas fileiras ideólogos e defensores de teses racistas e xenófobas, herdeira também das correntes mais hostis ao movimento operário e às lutas pela emancipação dos povos. Ela representa a bengala dos grandes empregadores franceses para apoiá-los quando a classe trabalhadora se levanta para defender seus direitos e a ordem social é ameaçada. Portanto, em nenhum caso um voto  Le Pen poderia ser uma arma de defesa contra os ataques passados ou futuros do Macron. Pelo contrário, a eleição da candidata do RN seria sinônimo de um agravamento qualitativo da situação das classes trabalhadoras, o aprofundamento das divisões no campo dos explorados e oprimidos, o agravamento da discriminação e dos ataques às classes trabalhadoras racializadas, e novos ataques aos direitos coletivos dos trabalhadores e trabalhadoras e suas organizações, assim como às liberdades democráticas. Finalmente, um forte resultado a seu favor, longe de ser um aviso para sancionar as políticas reacionárias de Macron, seria um incentivo adicional para ele no caminho de suas políticas ultraliberais e securitárias.

Em todo caso, mesmo que nos últimos anos a combatividade social tenha se manifestado amplamente na França metropolitana e no exterior, nos bairros e nas empresas, a construção política de nosso campo social para agir e defender um projeto de emancipação, sobre os escombros da social-democracia, ainda não foi realizado. O sucesso eleitoral de Mélenchon pode ser um ponto de apoio se não for sinônimo de arrogância e vontade hegemônica e ausência de debate. Em todo caso, a força afirmada da extrema direita e o anúncio de Macron de novos ataques às aposentadorias e ao sistema de saúde pública, a surdez e a passividade do governo diante da emergência climática, a deterioração galopante do poder aquisitivo, etc., mostram a urgência de construir, sem demora, uma frente política comum de ação em torno das urgências do momento na luta contra o capitalismo. Esta questão será levantada nas próximas semanas, qualquer que seja o resultado da segunda rodada.

Tradução: Alain Geffrouais


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).