Direito às armas. Como a esquerda pode apoiar a Ucrânia?
Screenshot_20220416_171958-720x500-1

Direito às armas. Como a esquerda pode apoiar a Ucrânia?

A esquerda e os internacionalistas devem reconhecer que uma frente contra o imperialismo é impossível sem resistência armada. A invasão da Rússia na Ucrânia é atualmente o ataque imperialista mais descarado e cínico do mundo. Por trás das críticas ao fornecimento de armas à Ucrânia está o desejo mal disfarçado de derrotar o povo ucraniano, inspirado pela propaganda do Kremlin.

Zakhar Popovych 24 maio 2022, 17:45

Via Sotsialnyi Rukh

Olhando para a recente votação no parlamento alemão a respeito do fornecimento de armas pesadas, no qual o Die Linke votou contra e se recusou de fato a apoiar a resistência da Ucrânia mais uma vez, achamos que é razoável lembrar nossa posição sobre este assunto. Die Linke, juntamente com o partido populista de direita AFD, foram os únicos partidos políticos a se oporem ao fornecimento de armas, com argumentos semelhantes sobre forçar a Alemanha a participar desta guerra e o medo de uma potencial guerra nuclear. Ouvimos argumentos como estes de vários esquerdistas muitas vezes, razão pela qual decidimos traduzir um texto de Zakhar Popovych de “Sotsialnyi Rukh” que se relaciona com estes pontos comuns. Este texto é dirigido principalmente aos esquerdistas europeus e geralmente ocidentais, cujos países são alguns dos mais poderosos e influentes globalmente e também têm provavelmente a influência mais significativa sobre a guerra na Ucrânia.

A esquerda e os internacionalistas devem aprender que uma frente anti-imperialista é impossível sem resistência armada. A invasão russa da Ucrânia é atualmente o ataque imperialista mais descarado e cínico do mundo. Por trás das críticas ao fornecimento de armas à Ucrânia está o desejo mal disfarçado de derrota do povo ucraniano, inspirado pela propaganda do Kremlin.

Vários partidos de esquerda na União Europeia emitiram recentemente uma declaração conjunta apelando para a aceleração do fornecimento de armas à Ucrânia. Não há dúvida de que o desenvolvimento de um movimento internacionalista eficaz é impossível sem uma frente unida contra o imperialismo e todos os tipos de resistência, inclusive armada, à agressão imperialista. A invasão russa da Ucrânia é atualmente o ataque imperialista mais cínico do mundo. Apesar da heróica resistência dos ucranianos, a ofensiva militar russa em larga escala continua. Como este texto está sendo escrito, pessoas estão morrendo em massa de ataques e bombardeios. Não é surpreendente que a necessidade de parar imediatamente o exército russo, o que só pode ser feito pela força militar agora, seja a prioridade número um para todos os oponentes do imperialismo.

Oposição artificial

Ao mesmo tempo, as tentativas de oposição ao apoio à Ucrânia, referindo-se à importância dos problemas sócio-econômicos locais, ainda podem ser vistas entre os esquerdistas ocidentais. Por exemplo, alguns autores que se posicionam como socialistas e até mesmo internacionalistas chegam ao ponto de chamar os sindicatos para se concentrarem no declínio do padrão de vida e no aumento dos preços do aquecimento e dos serviços públicos no Reino Unido, em vez de mostrar solidariedade com a Ucrânia. Tal oposição é, em nossa opinião, artificial e muito prejudicial.

É lamentável que ainda hoje, mesmo após o bombardeio brutal de áreas urbanas densamente povoadas e milhares de vítimas civis, ainda haja pessoas tentando, se não para justificar o agressor, pelo menos para embaçar a responsabilidade, pedindo um cessar-fogo a “ambos os lados”.

Sim, é possível que durante lutas de rua uma determinada casa possa ser danificada pelo fogo de qualquer lado, mas é o cúmulo do cinismo chamar os defensores das cidades ucranianas para cessar fogo por causa disso e, deve-se assumir, não resistir ao inimigo, que continuará a matar pessoas desarmadas e prisioneiros. Deve-se enfatizar que não poderia haver nenhum confronto armado em casas civis, assim como a guerra no território da Ucrânia em geral, se as tropas russas não cruzassem a fronteira em 24 de fevereiro e começassem a atacar as cidades ucranianas.

Uma trégua à custa da dignidade?

Parar a resistência dos ucranianos agora significaria renunciar a sua própria dignidade humana, o direito de ser livre e de não se reconhecerem como escravos, cujo destino será determinado pelos líderes nomeados por Moscou. Afinal, a invasão de Putin não só recusa publicamente o direito dos ucranianos de determinar seu próprio destino, mas também obviamente traz consigo a eliminação da maioria dos direitos democráticos e sociais, como já aconteceu na LDNR (“repúblicas populares” de Donezk e Luhansk ) e está acontecendo rapidamente na Rússia.

É difícil imaginar como os chamados “esquerdistas” que justificam a Rússia nesta guerra vão mobilizar as pessoas para lutar por seus direitos sociais e por uma sociedade justa, se eles agora apoiam privar essas pessoas da maioria de seus direitos. Mesmo a luta básica para aumentar os salários, e ainda mais a greve dos trabalhadores, só pode ocorrer onde há dignidade dos trabalhadores. Quanto à mudança social sistêmica em favor da classe trabalhadora, ela só é possível com base em um movimento popular de massa, assim como uma democracia “Maidan” autônoma, tão odiada pela turma de Putin. Afinal, a visão de mundo de Putin nega a própria possibilidade de auto-organização, argumentando que todos os movimentos de base são sempre organizados por agentes estrangeiros misteriosos. É claro que a Maidan nem sempre é uma revolução social, mas toda revolução social é, antes de tudo, uma Maidan.

Democracia inconveniente

Sejam quais forem as deficiências da Ucrânia pós-Maidan, as eleições foram realizadas regularmente, muitas vezes empurrando novos partidos e novos líderes para o poder contra a vontade da atual liderança do país. Ao contrário da Rússia, que se moveu consistentemente no sentido de restringir as liberdades democráticas e transformar a eleição em um espetáculo com vencedores pré-determinados. Os ucranianos estavam bem cientes disso e estavam cientes de que queriam avançar na direção oposta. Os ucranianos obviamente não queriam viver em um regime como o da Rússia, e ainda mais como no LDNR. Eles teimosamente queriam decidir por si mesmos como as coisas deveriam ser. Esta é a principal “ameaça à segurança da Rússia”.

Agora temos uma invasão absolutamente óbvia em grande escala no território da Ucrânia por parte das tropas da Federação Russa. Em outras palavras, eles estão atacando um país independente com o qual a própria Rússia já concluiu tratados de amizade, garantias de segurança e sempre expressou cinicamente apoio à sua integridade territorial.

Até a própria Rússia admite que há uma invasão em grande escala da Ucrânia, não uma “operação especial”. Mesmo o Representante Permanente extremamente cauteloso da Federação Russa junto às Nações Unidas começou a usar a palavra “guerra” em relação ao que está acontecendo na Ucrânia.

A televisão estatal da Federação Russa mostrou suas tropas em Gostomel, perto de Kyiv, perto da destruída “Mriya”, em Kherson, e em muitos lugares no sul, leste e norte da Ucrânia. Como agora está documentado, estas tropas não só estão atirando em manifestações pacíficas contra a ocupação russa, mas também atirando em civis que simplesmente não gostavam ou que levantam suspeitas. Se centenas de cadáveres civis já foram encontrados na pequena Bucha, o número de cadáveres em Mariupol será sem dúvida milhares, se não dezenas de milhares. A Rússia anunciou oficialmente os bombardeios de instalações em todas as regiões da Ucrânia. Em geral, muito mais pessoas morreram no último mês e meio de guerra na Ucrânia do que nos oito anos anteriores após Maidan. Assim, de acordo com estimativas da ONU, o número total de civis mortos no conflito em Donbass durante todo o período de 14 de abril de 2014 até 30 de setembro de 2021 é de cerca de 3393 pessoas. Somente no último mês, o “DPR” confirmou mais de 5.000 mortes entre civis e mobilizou “milícias” – um número claramente subestimado.

Culpados porque não conquistados

Ao mesmo tempo, tudo isso é justificado no discurso de Putin, afirmando que “os ucranianos são um só povo com os russos”. Isso é, de fato, uma negação impudente do direito dos ucranianos a sua própria identidade separada, o direito de serem eles mesmos, o direito de decidirem por si mesmos o que fazer, o direito a seu próprio estado. A palestra histórica de Putin foi uma tentativa de humilhar publicamente cada ucraniano, feita oficialmente pelo presidente de um estado vizinho de maneira particularmente audaciosa e cínica. Tal retórica só poderia unir os ucranianos contra a Rússia, mas quando o exército russo decidiu forçar os ucranianos a admitir que eles realmente não existem, a guerra realmente se transformou em uma guerra patriótica para os ucranianos. Isto se aplica aos ucranianos de todas as nacionalidades e grupos étnicos, tanto aqueles que usam principalmente o idioma ucraniano e russo em sua vida cotidiana. Putin negou a existência não do grupo étnico ucraniano, mas da nação civil multiétnica ucraniana e do estado de autogestão criado por esta nação.

A invasão de Putin fez com que quase todos os ucranianos sentissem que só se pode preservar a dignidade derrotando os ocupantes russos. Obedecer significará tornar-se escravo, esquecer não apenas a própria língua, mas também os próprios direitos, proibir-se de pensar livremente e de decidir por si mesmo. É assim que as exigências de “desnazificação” e “desmilitarização” soam aos ucranianos, que foram recentemente esclarecidas pelas agências de notícias estatais russas como as exigências de “desUkrainização” da Ucrânia. Ou seja, os ucranianos eram, em última instância, culpados de existir.

Toda a conversa sobre a invasão sendo provocada por algo não resiste a críticas.

O fator OTAN

Tentativas de justificar a agressão por uma suposta ameaça da OTAN parecem ridículas, considerando que todos os instrutores e até mesmo diplomatas de muitos países da OTAN deixaram a Ucrânia um mês antes da invasão. Poderia uma declaração firme de que os soldados dos países membros da OTAN não participariam do conflito em nenhuma circunstância ser considerada uma provocação? Talvez a provocação, ao contrário, fosse que a Ucrânia parecia muito acessível?

E se considerarmos uma “provocação” o fato de que a Ucrânia tentou se armar e aumentar a capacidade de combate de suas forças armadas, devemos lembrar também que a baixa capacidade de combate das Forças Armadas em 2014 só levou as tropas russas a ocuparem territórios ucranianos e a estabelecerem regimes autoritários lá. Em geral, o que se fala aqui de provocação é uma culpa análoga da vítima, como culpar as mulheres por provocarem uma tentativa de estupro, abastecendo-se em um spray de pimenta para autodefesa.

Não faz sentido negar o papel agressivo dos países da OTAN no mundo e a rivalidade global, mas as ações agressivas de certos países da OTAN no Oriente Médio e na América Latina não justificam a agressão contra a Ucrânia. Foi a Rússia que escolheu o caminho do não reconhecimento da Ucrânia como objeto de acordos, escolhendo a coerção e a subjugação pela força, ou mesmo a destruição do país em seu lugar. Foi após a anexação da Crimeia e o incitamento da Rússia à guerra em Donbas que a maioria da população ucraniana começou a inclinar-se para a necessidade da adesão à OTAN. É claro que a agressão da Rússia não nega a agressão da Otan, e uma nova escalada do conflito envolvendo países da Otan, sem dúvida, ameaça uma guerra global com milhões de vítimas. Pode-se especular que o mito da “expansão da OTAN” provocou a retaliação da elite russa. Entretanto, as ações tomadas pela Rússia não foram de forma alguma determinadas pelas ações de outros países. Toda a conversa sobre a agressão geral da OTAN não muda o fato de que atualmente existe apenas um agressor na Ucrânia – e que é a Rússia.

Sobre a guerra pacífica

As conversas sobre a Rússia ser forçada a invadir a Ucrânia para acabar com a guerra em Donbass são ainda mais absurdas. Assim, nos estágios iniciais da guerra em 2014 e 2015 devido à participação ativa das Forças Armadas russas, um número significativo de civis (incluindo todos os passageiros do vôo MH17) foram mortos em Donbass, mas depois que o atual presidente da Ucrânia chegou ao poder a intensidade dos bombardeios e das baixas estava se aproximando de zero. Mesmo após a escalada artificial no final de 2021 e o aumento do número de bombardeios, principalmente pelo LDNR, houve apenas baixas civis isoladas, centenas se não milhares de vezes menos do que agora. Assim, a melhor estratégia para salvar vidas no Donbass foi congelar o conflito e retirar as tropas, o que não aconteceu por causa da relutância da Rússia. Justamente porque o objetivo dos russos não era parar a guerra, não parar o sofrimento da população civil, mas ganhar controle sobre a Ucrânia.

Imediatamente ficou claro para todos que salvar as vidas de civis não era uma prioridade para o Kremlin. Acontece que a única coisa que o Kremlin queria era a implementação dos acordos de Minsk de tal forma que a liderança russa pudesse controlar as principais decisões políticas da Ucrânia através de seus líderes nomeados do chamado “LPR” e do “DPR”. Em outras palavras, a principal motivação do Kremlin não era e não é o interesse dos civis, mas o direito soberano russo de negligenciar seus interesses à sua própria vontade. Ficou claro que o direito de nomear com autoridade parte dos líderes na Ucrânia é o principal interesse de Putin, do qual ele não desistirá em nenhuma circunstância.

Os autoritários “LPR” e “DPR” no Donbass, bem como a natureza fantoche da liderança nomeada pelo Kremlin dessas entidades, era óbvio e frequentemente reconhecido até mesmo por aqueles que em 2014 apoiaram sua criação. As chamadas “eleições” para os “parlamentos” do “LPR” e do “DPR” foram motivo de chacota que até mesmo os “deputados” destes órgãos tinham vergonha de mencionar. Mesmo aqueles que viram elementos da sublevação popular e da guerra civil em Donbas em 2014 foram forçados a admitir que estes regimes, pelo menos após 2015, são ditaduras militares apoiadas apenas por armas russas. Não houve eleições nem vida política no Donbass ocupado pela Rússia, e isto foi muito visível para os ucranianos de ambos os lados da linha.

Um exemplo vivo

A vida política na Ucrânia tinha seus inconvenientes. Em particular, a política de “descomunização” é claramente prejudicial e não atende, de forma alguma, às normas democráticas. A inclusão de uma cláusula sobre a adesão à OTAN na Constituição e a óbvia campanha nacionalista de direita em torno da “língua e religião”, sem dúvida, prejudicaram muito a Ucrânia. Mas, ao mesmo tempo, a Ucrânia sempre manteve um sistema político pluralista e, devido ao meticuloso controle mútuo das forças políticas, foram realizadas eleições regularmente, cujos resultados foram determinados não por fraude, mas por resultados reais, verdadeiros e precisos das votações.

Na Ucrânia, os presidentes e a composição do parlamento mudaram. Os ucranianos elegeram um simples homem de ascendência judaica de uma cidade de classe trabalhadora que era não apenas um ator talentoso, mas também um grande líder e foi capaz de unir os ucranianos como nenhum outro para a defesa contra a invasão do Oriente. Quer se goste ou não, os ucranianos respeitam a si mesmos e sua escolha e a capacidade de decidir livremente, assumem a responsabilidade por sua escolha e, se necessário, mudam de ideia e de escolha.

Volodymyr Zelensky, naturalmente, é principalmente um representante da burguesia e, além de alguns desenvolvimentos positivos na política anticorrupção, está realizando reformas que limitam os direitos dos trabalhadores e restringem as garantias sociais dos ucranianos. Mas ele foi eleito pelos trabalhadores ucranianos, no entanto, e cabia a eles julgá-lo e se elegê-lo para um segundo mandato. E Zelensky está bem ciente de que ele deve agir no interesse de seu eleitorado, e são eles, e não outros países, que devem e vão decidir sobre seu futuro político. Nas duras condições da guerra, ele parece comportar-se exatamente da maneira que a maioria dos eleitores esperava, e suas classificações e chances de reeleição estão aumentando.

No interesse comum

Não apoiar a Ucrânia hoje significa abandonar todas as esperanças de justiça e democracia, pilhar a dignidade humana básica, sem a qual qualquer luta pelo socialismo é impossível. E apoio à Ucrânia significa, em particular, o fornecimento de armas para as Forças Armadas Ucranianas e a defesa territorial. Especialmente depois que o mundo viu as consequências da ocupação russa na cidade de Bucha, perto de Kyiv. É óbvio que quanto mais eficaz for a defesa ucraniana, menos vítimas civis, menos mortes e torturas em massa, e menos enterros em massa em valas comuns acontecerão. Mesmo os analistas governamentais russos estão começando a entender que é impossível capturar e manter a Ucrânia sem um aumento significativo do envolvimento militar e que os ucranianos não pretendem se submeter à vontade de Moscou.

Portanto, quanto mais cedo Moscou for decisivamente derrotada nesta guerra, quanto mais vidas forem salvas, melhor será no final, mesmo para os próprios russos, pois menos crimes significarão mais chances de reconciliar e restaurar a comunicação com os russos algum dia.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).