Um passo à frente pela unidade partidária e pela candidatura própria
IMG-20220624-WA0019

Um passo à frente pela unidade partidária e pela candidatura própria

Sobre a retirada de Mariana Conti como pré-candidata ao governo de São Paulo

Mariana Conti 24 jun 2022, 13:22

A minha pré-candidatura a governadora foi muito bem recebida nas bases do partido e teve o apoio de várias correntes, setoriais e diretórios municipais. Porém, por escolha da direção majoritária do Partido a decisão sobre a candidatura majoritária segue em aberto, e tem no Campo Semente (Resistência, Insurgência e Subverta) o voto que pode definir qual dos pólos internos do partido vencerá esse debate.

Entendo que o PSOL não deveria ficar em compasso de espera, aguardando as negociações entre PT,  PSB, Solidariedade e PSD. Afinal, o PSOL não pode se apequenar e se reduzir a uma simples barganha por nomes na chapa Haddad. Por isso, depois de muitas conversas e consultas, tomamos coletivamente a decisão de retirar meu nome como pré-candidata a governadora pelo partido. Tal gesto concretiza uma busca pela unidade interna e para contribuir com o acelerar da decisão de candidatura própria. Abro mão dessa tarefa na perspectiva de buscar um nome consenso e/ou majoritário que possa representar o PSOL nas eleições do estado.

Sou militante do partido há anos, e seguirei à disposição dele como figura pública, contribuindo sempre na tarefa de afirmação do PSOL independente e anticapitalista que atua para ocupar e vocalizar as lutas dos movimentos sociais também nos espaços institucionais. As eleições estão batendo à porta. A necessidade de derrotar o genocida da República é um imperativo e a tarefa primordial desse pleito, justamente porque sabemos o desprezo de Bolsonaro pela democracia e sua predileção ao neofascismo autoritário.

Assim, para derrotar Bolsonaro, vamos fazer campanha para eleger Lula presidente. Mas é necessário dizer que isso não significa a adesão ao programa representado pela chapa Lula-Alckmin. Existem diferenças de programa e de estratégia no interior dessa composição, e se Lula vencer as eleições – permanece a urgência histórica de derrotar o bolsonarismo, a extrema-direita radicalizada e a sanha neoliberal anti-povo da elite econômica brasileira.

É neste cenário que as candidaturas majoritárias estaduais também vão ganhando contornos definitivos. São Paulo, o estado brasileiro que mais concentra poder, capital e população, é central nesse jogo de forças. Há quase três décadas governado pelo tucanato, o Estado de São Paulo tem sido o laboratório da política neoliberal brasileira. Diante da crise aguda pela qual atravessa o PSDB vemos o esforço hercúleo da direção petista em atrair França e os seus aliados para dentro da candidatura Haddad.

Esse é o motivo pelo qual, diante da desistência de Boulos que apresentei meu nome ao PSOL como pré-candidata a governadora e agora o retiro, com o intuito de contribuir para que se encontre um nome de consenso. Temos excelentes quadros, capazes de representar as ideias do PSOL, e um programa radicalmente diferente do tucanistão, inclusive para derrotar o bolsonarismo de Tarcísio, que de forma canalha e hipócrita tenta se apresentar como a mudança no Estado de São Paulo.  Estou confiante de que o PSOL estará a altura dos desafios para fazer o bom debate no cenário eleitoral paulista.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 16 maio 2024

Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade

Para responder concretamente à crise, é necessário um amplo movimento que organize a luta pelas demandas urgentes do estado
Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 49
Nova edição traz o dossiê “Trabalho em um Mundo em Transformação”
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Nova edição traz o dossiê “Trabalho em um Mundo em Transformação”