O golpe da direita que derrubou Castillo: agora é lutar para que o Congresso caia
pedro-castillo-3-800x445

O golpe da direita que derrubou Castillo: agora é lutar para que o Congresso caia

Por reformas, novas eleições e um referendo popular sobre uma nova Assembleia Constituinte

Súmate Al Nuevo Perú 8 dez 2022, 09:56

Desde o primeiro momento em que a direita descobriu que foi derrotada no segundo turno das eleições gerais do Peru, essa mesma direita racista e classista política, empresarial e midiática não aceitou que uma pessoa do campo, um professor rural, de língua quíchua e vestindo um sombrero fosse presidente. Mesmo que Pedro Castillo não tenha posto em risco os interesses econômicos da classe empresarial e tenha uma linha de continuidade neoliberal, eles não aceitavam que um presidente com essas características deveria ter vencido as eleições; classismo e racismo é a combinação para dar vida a um golpe.

A declaração de guerra foi feita por Keiko e López Aliaga no mesmo dia do segundo turno, quando viram que haviam sido derrotados. O golpe de estado realizou manobra após manobra desde o primeiro dia; bateram às portas da OEA, do quartel das Forças Armadas, e até tentaram levar os resultados eleitorais ao tribunal. 

Depois, a ofensiva continuou no Congresso. Em 15 meses, as bancadas reacionárias concentraram-se em questionar, censurar os ministros e buscar a queda de Pedro Castillo promovendo duas tentativas fracassadas de impeachment. Eles transformaram o Congresso em uma trincheira a serviço dos grupos de poder e da corrupção, fazendo recuar as reformas do referendo, com contrarreformas antidemocráticas, até mesmo restringindo o direito ao referendo para uma assembleia constituinte, protegendo os corruptos, fazendo e desfazendo como quisessem, em um momento de crise e grandes necessidades. Esse Congresso funciona virando as costas para os trabalhadores e para o povo.

O governo Castillo, logo após tomar posse, perdeu sua direção política e, diante da escolha entre confiar na organização e na mobilização para avançar no processo de mudança ou adaptar-se ao regime, tomou esse último caminho, priorizando a continuidade a fim de sobreviver. Além disso, a questão da corrupção na comitiva de Castillo foi um fato concreto que enfraqueceu o governo. Embora tenha sido o voto popular e um programa de mudanças que levou Castillo ao poder, ele nunca foi realmente um esquerdista.

Após duas tentativas de impeachment pela direita, em 7 de dezembro, uma terceira moção de vacância foi discutida no Congresso. Ao mesmo tempo, a ala direita tinha um plano B, que era a suspensão de funções por cinco anos através de uma denúncia que o Ministério Público fez a Castillo por traição ao país, que também a comissão de denúncias constitucionais do Congresso rapidamente lhe deu curso para que pudesse ser discutida no plenário na próxima semana.

Pela manhã, Castillo deu um passo errado que lhe custou a presidência: uma medida desesperada sem força, sem se articular mesmo com seu gabinete (dentro de 30 minutos após anunciar a dissolução do Congresso, 10 de seus ministros se demitiram). Em seguida, diferentes setores estavam se manifestando, deixando Castillo cada vez mais só e enfraquecido. A única coisa que sua tentativa conseguiu foi dar chance à direita para que o Parlamento conseguisse o golpe que tanto almejava. Castillo foi destituído e detido na prefeitura. 

Dina Baluarte, a vice-presidente que já havia se distanciado de Castillo, demitindo-se do gabinete, assumiu o cargo. Em um cálculo político, ela buscou um acordo com os setores liberais e decidiu assumir como substituta. Em suas primeiras declarações, ela pediu a unidade nacional e um pacto de governabilidade com a direita fascista, e não disse nada sobre um processo eleitoral geral. O tsunami ainda não passou, o tabuleiro político está sendo reordenado e os diferentes setores estão processando essa nova situação.

Nossa política e a construção de uma ferramenta estratégica

É evidente que não há uma liderança consistente, nenhuma ruptura com o modelo que encorajaria a mobilização e a luta pelas demandas dos diferentes atores sociais. Essa é uma tarefa de longo prazo a ser resolvida. Enquanto isso, devemos procurar promover um grande bloco popular e constituinte.

A direita autoritária quer se aferrar ao Congresso. Não podemos permitir isso, mas sair às ruas e convocar uma eleição antecipada. Mas elas não podem ser realizadas com as mesmas regras atuais e, dada a falta de representação política que estamos experimentando, mudanças ou reformas nas regulamentações eleitorais são necessárias para garantir que elas sejam mais democráticas e participativas. 

Ao mesmo tempo, o povo peruano, e especialmente os mais vulneráveis, estão passando por momentos econômicos muito críticos em lares populares – e essa crise certamente se agravará e terá um impacto ainda maior. É necessário um plano de emergência que comece pela imposição de impostos sobre o lucro excessivo da mineração, acabando com a evasão e as exonerações fiscais, cobrando dívidas de empresas que devem milhões ao Estado  etc. E, finalmente, como solução fundamental para a crise, no dia das eleições gerais, incorporar uma segunda urna para que o povo possa decidir sobre a necessidade de uma Assembleia Constituinte.

Para alcançar estas exigências é necessário organização e luta, ferramentas fundamentais que os trabalhadores e o povo têm, e hoje, mais do que nunca, devemos conseguir registrar o Novo Peru com a JNE no caminho para construir um ponto de referência da esquerda.


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão