Ucrânia: “Queremos negociações de paz genuínas, não outro cessar-fogo até a próxima invasão”
pexels-michael-mucke-11785748_0

Ucrânia: “Queremos negociações de paz genuínas, não outro cessar-fogo até a próxima invasão”

A atual situação da guerra na Ucrânia a partir da análise do Green Left.

Fred Fuentes 10 dez 2022, 15:13

Via Green Left

A libertação da cidade portuária sulista de Kherson em meados de novembro representou uma importante vitória na justa guerra de resistência da Ucrânia contra a invasão brutal do presidente russo Vladimir Putin.

A recaptura da única grande cidade tomada pelas forças russas desde 24 de fevereiro seguiu a libertação de grandes extensões orientais do oblast de Kharkiv desde setembro e representa o ganho mais significativo até agora da contra-ofensiva ucraniana, que começou em agosto.

Os habitantes de Kherson celebraram e aplaudiram os combatentes ucranianos ao entrarem na cidade e ergueram a bandeira da nação sobre a Praça da Liberdade em 11 de novembro. As imagens eram um forte contraste com os corajosos protestos desarmados dos habitantes locais contra a chegada das forças de ocupação da Rússia nove meses atrás, protestos que foram posteriormente reprimidos.

A guerra revolucionou a política na Ucrânia

Enquanto os combates continuam nos oblasts de Luhansk, Zaporizhzhia e Donetsk, e a Rússia tenta conter mais avanços ucranianos em Kharkiv e Kherson, Putin procurou desmoralizar o povo ucraniano através de uma campanha de destruição aérea em massa que danificou a maior parte da infra-estrutura energética da Ucrânia em meio ao inverno frio.

Os EUA abertos às negociações

Neste contexto, um número crescente de vozes dos Estados Unidos e da Rússia tem surgido apelando para negociações.

Do lado americano, o custo crescente da guerra – em termos de ajuda financeira e estoques militares esgotados – juntamente com a pressão dos líderes europeus que enfrentam a turbulência interna por causa do aumento dos preços da energia, motivaram os desejos de negociações.

A mais notável dessas vozes tem sido o General Mark Milley, o mais alto oficial militar dos Estados Unidos. Em um discurso ao Clube Econômico de Nova York em 9 de novembro, Milley disse: “Tem que haver um reconhecimento mútuo de que a vitória militar, no verdadeiro sentido da palavra, talvez não seja alcançável através de meios militares, portanto você precisa recorrer a outros meios”.

Milley disse que uma janela de oportunidade para terminar o conflito poderia vir quando as linhas de frente se estabilizassem no inverno: “Quando houver uma oportunidade de negociar quando a paz puder ser alcançada, aproveite-a”.

Os comentários vieram poucos dias depois que o principal conselheiro de segurança nacional do presidente dos EUA Joe Biden, Jake Sullivan, fez uma visita sem aviso prévio a Kiev. Reunindo-se com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, ele levantou “a necessidade de uma resolução diplomática para a guerra”, de acordo com uma reportagem da NBC News de 10 de novembro.

A Rússia busca o cessar-fogo

Os comentários de Milley também vieram como notícias filtradas de “conversas confidenciais” entre os EUA e a Rússia.

O Wall Street Journal noticiou em 7 de novembro que Sullivan tem estado em conversações contínuas com o conselheiro de política externa de Putin, Yuri Ushakov, e o Secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, para se proteger “contra o risco de uma escalada”.

Além disso, segundo a AP News, o diretor da CIA Bill Burns e o chefe da agência de espionagem SVR da Rússia, Sergei Naryshkin, se encontraram no dia 14 de novembro no “mais alto engajamento face a face entre autoridades americanas e russas” desde o início da guerra.

O encontro foi realizado na Turquia, cujo presidente, Recep Tayyip Erdoğan, após uma aproximação dos EUA, “sinalizou uma vontade de ajudar a intermediar um acordo” informou a NBC News.

Em meados de outubro, o Ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov disse que seu país estava “disposto a debater com os Estados Unidos ou com a Turquia em maneiras de acabar com a guerra”. Ausente qualquer menção à vontade de debater com a Ucrânia.

Uma semana após a visita de Sullivan a Kiev, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, disse que a Rússia estava “ainda aberta às negociações, nunca as recusamos, estamos prontos para conduzi-las – levando, é claro, em conta as realidades que estão sendo estabelecidas no momento”.

Por “realidades sendo estabelecidas”, Zakharova estava se referindo à anexação declarada da Rússia dos oblasts de Donestsk, Kherson, Luhansk e Zaporizhzhia, após referendos fraudulentos organizados por suas forças invasoras em setembro.

Enquanto os combates continuam nos oblastos de Luhansk, Zaporizhzhia e Donetsk, e a Rússia tenta conter mais avanços ucranianos em Kharkiv e Kherson, Putin procurou desmoralizar o povo ucraniano através de uma campanha de destruição aérea em massa que danificou a maior parte da infra-estrutura energética da Ucrânia em meio ao inverno frio.

Os EUA abertos às negociações

Neste contexto, um número crescente de vozes dos Estados Unidos e da Rússia tem surgido apelando para negociações.

Do lado americano, o custo crescente da guerra – em termos de ajuda financeira.

A mais notável dessas vozes tem sido o General Mark Milley, o mais alto oficial militar dos Estados Unidos. Em um discurso ao Clube Econômico de Nova York em 9 de novembro, Milley disse: “Tem que haver um reconhecimento mútuo de que a vitória militar, no verdadeiro sentido da palavra, talvez não seja alcançável através de meios militares, portanto você precisa recorrer a outros meios”.

Milley disse que uma janela de oportunidade para terminar o conflito poderia vir quando as linhas de frente se estabilizassem no inverno: “Quando houver uma oportunidade de negociar quando a paz puder ser alcançada, aproveite-a”.

Os comentários vieram poucos dias depois que o principal conselheiro de segurança nacional do presidente dos EUA Joe Biden, Jake Sullivan, fez uma visita sem aviso prévio a Kiev. Reunindo-se com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, ele levantou “a necessidade de uma resolução diplomática para a guerra”, de acordo com uma reportagem da NBC News de 10 de novembro.

A Rússia busca o cessar-fogo

Os comentários de Milley também vieram como notícias filtradas de “conversas confidenciais” entre os EUA e a Rússia.

O Wall Street Journal noticiou em 7 de novembro que Sullivan tem estado em conversações contínuas com o conselheiro de política externa de Putin, Yuri Ushakov, e o Secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, para se proteger “contra o risco de uma escalada”.

Além disso, segundo a AP News, o diretor da CIA Bill Burns e o chefe da agência de espionagem SVR da Rússia, Sergei Naryshkin, se encontraram no dia 14 de novembro no “mais alto compromisso face a face entre autoridades americanas e russas” desde o início da guerra.

O encontro foi realizado na Turquia, cujo presidente, Recep Tayyip Erdoğan, após uma aproximação dos EUA, “sinalizou uma vontade de ajudar a intermediar um acordo” informou a NBC News.

Em meados de outubro, o Ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov disse que seu país estava “disposto a se envolver com os Estados Unidos ou com a Turquia em maneiras de acabar com a guerra”. Ausente qualquer menção à vontade de se envolver com a Ucrânia.

Uma semana após a visita de Sullivan a Kiev, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, disse que a Rússia estava “ainda aberta às negociações, nunca as recusamos, estamos prontos para conduzi-las – levando, é claro, em conta as realidades que estão sendo estabelecidas no momento”.

Por “realidades sendo estabelecidas”, Zakharova estava se referindo à anexação declarada da Rússia dos oblasts de Donestsk, Kherson, Luhansk e Zaporizhzhia, após referendos fraudulentos organizados por suas forças invasoras em setembro.

Ao mesmo tempo, a Rússia enfrentou enormes perdas em termos de número de tropas e equipamento militar, e se vê confrontada com a crescente desmoralização entre os soldados na linha de frente e a crescente oposição à guerra em casa.

A proposta de paz de Zelensky

Respondendo aos apelos de Sullivan por uma “resolução diplomática para a guerra”, Zelensky enfatizou, de acordo com a NBC News, “que a Ucrânia tinha insistido na diplomacia com a Rússia nos meses iniciais da guerra e só tirou as conversações com [Putin] da mesa após atrocidades documentadas e supostos crimes de guerra que o oficial disse terem tornado as conversações com Moscou em um prazo próximo impagáveis para o público ucraniano”.

Mas Zelensky também advertiu que, por trás das negociações, “a Rússia está agora procurando uma breve trégua, uma trégua para recuperar forças”. Dirigindo-se ao Fórum Internacional de Segurança de Halifax em 18 de novembro, Zelenksy acrescentou: “Alguém pode chamar [um cessar-fogo] o fim da guerra”. Mas tal trégua só vai piorar a situação”.

“Compromissos imorais só levarão a sangue novo”, continuou ele, observando que uma “paz honesta” só pode ser alcançada com “a demolição completa da agressão russa”.

Ao dirigir-se à cúpula do G20 em 15 de novembro, Zelensky expôs a proposta de paz da Ucrânia: “Para libertar toda nossa terra da [Rússia], ainda teremos que lutar por um tempo mais longo … Entretanto, se a vitória será nossa em qualquer caso – e estamos certos disso – então não deveríamos tentar implementar nossa fórmula de paz para salvar milhares de vidas e proteger o mundo de mais desestabilizações?”

A fórmula de Zelensky é baseada em um plano de dez pontos que aborda: segurança radiológica e nuclear; segurança alimentar; segurança energética; libertação de todos os prisioneiros e pessoas deportadas; implementação da Carta das Nações Unidas e restauração da integridade territorial da Ucrânia e da ordem mundial; retirada das tropas russas e cessação das hostilidades; restauração da justiça; combate ao ecocídio; prevenção de escalada; e confirmação do fim da guerra.

Zelensky disse que as negociações tinham que “ser públicas, não nos bastidores” e que “esta agressiva guerra russa [tinha] que terminar com justiça e com base na Carta das Nações Unidas e no direito internacional”.

“Se a Rússia se opuser a nossa fórmula de paz, você verá que ela só quer a guerra”.

Socialistas ucranianos

Em um artigo publicado no site do grupo socialista ucraniano Movimento Social, Denys Bondar e Zakhar Popovych delinearam a visão de sua organização sobre as perspectivas para as negociações de paz.

“Todas as guerras, é claro, terminam em negociações”. A Ucrânia sempre enfatizou claramente que não tem a intenção de marchar sobre Moscou e forçar uma rendição total e incondicional”.

Mas eles observam que “existe um consenso na sociedade ucraniana de que para alcançar a paz é necessário expulsar o exército russo do país (destruindo-o, se possível) e ‘desmilitarizar’ a Federação Russa, pelo menos até que ela não possa mais invadir cidades ucranianas pacíficas e chantagear-nos privando-nos de eletricidade, água e aquecimento…”.

Além disso, acrescentam, aqueles que se opõem a “algumas concessões territoriais em prol da paz” subiram para 87% da população, com a “esmagadora maioria dos entrevistados em todas as regiões da Ucrânia” e “representantes de todos os principais grupos étnicos e linguísticos” incluídos neste grupo, de acordo com uma recente pesquisa do Instituto Kiev de Sociologia.

“As pessoas nos EUA, Europa e no mundo que realmente querem que as conversações de paz comecem devem, no mínimo, exigir o fim imediato da destruição da infra-estrutura crítica da Ucrânia por mísseis russos e a restauração da eletricidade e do calor normais para a população…

“Ao invés de perder tempo falando sobre o que o mundo precisa para convencer Zelensky, seria melhor primeiro convencer os governos do mundo a parar de comprar petróleo e gás russo e fornecer à Ucrânia sistemas de defesa antimísseis e pelo menos alguns milhares de transformadores industriais para restaurar o fornecimento normal de eletricidade, água e calor…”

“Não se pode descartar que se os russos se oferecessem publicamente para discutir um plano de paz que incluísse a retirada das tropas russas da Ucrânia e as perspectivas de restaurar a integridade territorial do país, os ucranianos poderiam concordar com algumas negociações.

“Mas nenhuma proposta que inclua a retirada das tropas russas está sendo apresentada atualmente. De fato, os russos ‘oferecem negociações’ apenas na cessação da contra-ofensiva ucraniana até que eles possam acumular forças…”.

Resumindo a posição da maioria dos ucranianos, eles escrevem: “Não há certeza de que as autoridades russas entendam sequer que Zelensky não pode simplesmente assinar o que quiser, e que nem mesmo Biden pode forçar Zelensky a assinar um acordo que não será aprovado pela maioria dos ucranianos…

“Os ucranianos querem a paz, não outro ‘cessar-fogo’ que dure até a próxima invasão”. As campanhas pela paz estão sendo conduzidas mesmo nos principais meios de comunicação ucranianos, mas a confiança nas negociações de paz e na paz duradoura é impossível sem uma discussão pública de seus termos.

“Editor-chefe do Pravda ucraniano, Sevgil Musaeva, um ucraniano de origem tártara da Crimeia – apesar do que o adiamento da questão da Crimeia significa para ela pessoalmente – não rejeita as negociações, mas pede uma formulação pública de termos de paz justos, porque se “a sociedade ucraniana não sente justiça, quaisquer acordos estão condenados desde o início”.

“Nós, socialistas ucranianos, devemos agora observar atentamente para garantir que ninguém esqueça que as negociações de paz devem ser públicas e somente públicas, e somente em termos aceitáveis para os ucranianos”. Só assim podemos contar com uma paz justa e duradoura”.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.