Bolsonaro promoveu garimpo e negligenciou fome dos yanomami
fnftbe2xeaa4zi5

Bolsonaro promoveu garimpo e negligenciou fome dos yanomami

Mortes por desnutrição aumentaram 331% nos últimos quatro anos

Tatiana Py Dutra 17 fev 2023, 14:00

Dados obtidos pela BBC News Brasil por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) revelaram novas informações sobre a tragédia yanomami no norte do país. Conforme registros do Ministério da Saúde, durante o governo Jair Bolsonaro (2019-2022) pelo menos 177 indígenas morreram de desnutrição (os dados do ano passado ainda estão sendo contabilizados). É um aumento da ordem de 331% em relação aos quatro anos anteriores, quando houve 41 óbitos pela mesma causa. 

O governo federal decretou estado de emergência por conta da desassistência aos yanomami. A medida veio no rastro da repercussão internacional de imagens de indígenas, adultos e crianças, enfraquecidos pela fome. No final de janeiro, cerca de 200 pessoas foram transferidas para hospitais de Boa Vista (RO) para tratamento especializado, e mais de 700 foram para a Casa de Saúde Indígena (Casai), entre pacientes em tratamento e seus acompanhantes.

A fome entre os yanomami é atribuído, em parte, ao crescimento do garimpo ilegal em seu território – que compreende uma área de 9,6 milhões de hectares em Roraima e no Amazonas, abrigando 28 mil indígenas. Rica em metais preciosos e outros minérios, o território foi invadido e desmatado. Só no período Bolsonaro, foram desmatados 47 quilômetros quadrados das terras indígenas, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Isso representa uma destruição 222% maior do que a dos quatro anos anteriores.

Esse avanço prejudicou as principais fontes de alimento dos yanomami, que vivem, basicamente, da caça e da pesca. Com a contaminação dos cursos d’água pelo mercúrio usado no garimpo do ouro, peixes e outros animais acabam sendo intoxicados e mortos. Os que sobrevivem, fogem.

Em visita à região de Surucucu, na semana passada, a equipe de reportagem da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) encontrou indígenas pedindo água limpa. 

“Muita água suja. Nós ‘toma’ e barriga dói”, reclamou Ivo Yanomami, tuxaua, líder da comunidade de Xirimifik.

Toda essa escassez faz com que o trabalho de caça e busca de provisões seja mais longo e difícil e, mesmo assim, insuficiente para nutrir a comunidade.

Crianças e idosos morrem mais

Mais vulneráveis à escassez de alimento, crianças e idosos são maioria entre os mortos por desnutrição. Dos 41 óbitos já contabilizados em 2022, 25 foram entre pessoas acima de 60 anos e 11 entre crianças de até nove anos de idade.

A falta de alimento compromete a capacidade do organismo em manter suas funções básicas. Se depois de queimar as reservas de gordura e músculos o corpo não receber sais minerais, pode apresentar falhas renais e hepáticas, além de apresentar uma queda na imunidade que favorece quadros graves de infecções. 

Fator Bolsonaro

Desde o fim de janeiro, o governo federal promove uma operação de retirada de cerca de 20 mil garimpeiros da área yanomami. Maquinários e ferramentas para extração de minérios foram apreendidas ou destruídas – ações que foram proibidas a fiscais do Ibama durante o governo Bolsonaro. Nos quatro últimos anos, as políticas de assistência em saúde aos indígenas também foram abandonadas, e mesmo com ciência da crise em que viviam os yanomami, nenhuma ajuda foi enviada. Para organizações como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a negligência como política de Estado configura crime de genocidio.

Quando as imagens da fome e miséria no território yanomami ganharam o mundo, Jair Bolsonaro foi às redes sociais e afirmou que “nunca um governo dispensou tanta atenção e meios aos indígenas” como no dele; acrescentou que a desnutrição é um problema antigo entre indígenas e publicou a foto de uma criança desnutrida que constou do relatório de uma CPI que investigou o tema em 2008. Dito isso, nunca mais retomou o assunto.


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão