Petro dá um passo importante na reforma do gabinete: a Colômbia cruzará o Rubicão?
Manifestaciones_en_Medellin_durante_el_Paro_Nacional_mayo_de_2021_-_31-1

Petro dá um passo importante na reforma do gabinete: a Colômbia cruzará o Rubicão?

As recentes mudanças no novo governo colombiano podem abrir possibilidades de avanço na luta popular

Pedro Fuentes 5 maio 2023, 17:48

Foto: Wikimedia Commons

A eleição de Petro criou uma onda de entusiasmo em toda a América Latina. Pela primeira vez, a esquerda assumiu o governo, desalojando os partidos tradicionais: o uribismo e os liberais. Isso também significou fechar a porta para o estado uribista que o presidente Duque representava, um regime da oligarquia latifundiária, intimamente ligado aos grupos de autodefesa, paramilitares que faziam parte de uma política de terrorismo de estado. Agora, o presidente é um ex-membro da guerrilha militar M19, um veterano de ações militantes e com formação marxista.

Esse resultado eleitoral vitorioso foi o produto dos grandes dias de greve e mobilização, que foram, na verdade, uma rebelião inconclusiva, que obteve uma vitória contra a reforma tributária de Duque. Dizemos “inconclusiva” porque as greves e mobilizações indígenas e populares continuaram depois contra seu governo e sua repressão. Entretanto, o governo conseguiu evitar sua queda graças à intensa repressão, ao esgotamento da própria mobilização e à ausência de uma liderança que pudesse construir um poder alternativo.

A vitória do candidato de esquerda representado por Gustavo Petro (Pacto Histórico) e Francia Márquez (Soy Porque Somos), uma líder indígena e negra do Valle del Cauca, nas eleições de 19/06 só pode ser explicada pela ação anterior dos trabalhadores, jovens e indígenas mobilizados.

Como na grande maioria das eleições na América Latina (com exceção do México), o governo vencedor não teve maioria parlamentar. Assim, uma vez no poder, Petro pediu “unidade nacional para a paz”, fez um pacto com o Partido Liberal de Gaviria e formou um gabinete que foi chamado de gabinete de consenso nacional. De qualquer forma, com esse gabinete, ele foi mais longe do que o governo de Lula ou Boric fez com suas alianças. Ele destituiu cerca de 70 generais e comandantes militares e conseguiu, poucos dias depois de assumir o cargo, votar uma reforma tributária progressiva que taxava grandes fortunas.

Petro e seu “balconazo

Após nove meses de um governo de acordo com o Partido Liberal, no qual a reforma da saúde, outras reformas sociais e a reforma agrária para assentar ex-combatentes e setores sem terra não puderam ser realizadas, Petro decidiu fazer uma grande mudança no gabinete ministerial, rompendo efetivamente o pacto com o Partido Liberal. Ele substituiu grande parte do gabinete, nomeando ministros que eram próximos a ele ou membros de seu partido. Em 14 de fevereiro, ele já havia anunciado isso perante o Congresso, quando disse que, se as reformas sociais (saúde, trabalhista e previdenciária) não fossem levadas adiante, “poderia haver uma revolução no país se elas fossem cortadas…”.

No dia primeiro de maio, Petro faz o que tem sido chamado de “balconazo” da casa do governo, localizada na Plaza de las Armas, que reuniu milhares de pessoas (o “azo” nasceu precisamente em Bogotá, em 1948, quando ocorreu o Bogotazo, uma rebelião popular após o assassinato do líder popular Gaitán pela direita conservadora). No Dia Internacional dos Trabalhadores, Petro fez um discurso bastante contundente.

“O povo não pode dormir. Não basta vencer nas urnas, a mudança social implica uma luta permanente e a luta permanente ocorre com um povo mobilizado e, à frente desse povo mobilizado, deve estar a juventude, os trabalhadores, a classe trabalhadora. A tentativa de restringir as reformas pode levar a uma revolução”.

Isso, de acordo com Petro, seria uma perda de tempo, e é por isso que ele disse que espera que os trabalhadores lutem. “Não iremos um metro além de onde as pessoas não querem que vamos. Tampouco iremos um metro a menos do que as pessoas querem que vamos. Iremos até onde as decisões do povo quiserem que vamos.” E ele insistiu que o governo precisa do poder do povo. “Eu me pergunto se chegou a hora de o povo trabalhador tomar decisões, não mais para simplesmente protestar, mas para decidir governar, um governo que tem de ser de maiorias, de um povo mobilizado.” Referindo-se à Reforma Agrária, Petro disse que “o setor dos privilegiados não nos oferece a terra voluntariamente”, de modo que o governo tem de ir atrás da terra se ela não for oferecida a eles.

Sua vice-presidente, Francia Márquez, falou da mesma forma naquele dia em Cali. “Hoje (1º de maio), o povo colombiano mostrou a vocês quem está no comando deste país. O povo colombiano está no comando, o campesinato colombiano está no comando, os afrodescendentes, os camponeses estão no comando, os jovens, os jovens de Cali estão no comando, e não tenho medo de dizer aqui que a ‘linha de frente’ está viva”.

Até onde Petro chegará na Colômbia?

As palavras são uma parte importante da política porque abrem um horizonte; em particular, Petro, em seu discurso, convoca o povo e os trabalhadores. Embora as palavras digam muito e tenham seu significado, elas não são o mesmo que os atos, que são o produto do que é dito e também do que é feito. Mas está claro que, com esse discurso, Petro está se distanciando da liderança do antigo Partido Liberal e buscando novos horizontes.

Ele também é um exemplo para nós, brasileiros, que contrasta como noite e dia com o que Lula está fazendo no Brasil. Até onde ele irá? Não sabemos. Em seu próprio discurso, Petro disse que não está fechado ao diálogo e à consulta, embora esteja claro que pretende fazê-lo em um novo plano com um governo em que o Pacto Histórico tem hegemonia nos ministérios. Dependerá da relação que for estabelecida entre o governo e o movimento de massas, por um lado, e da força com que a direita reagir, por outro. E a pergunta de um milhão de dólares é se, após esse discurso, será estabelecida uma forma de poder popular, ou seja, se serão criados órgãos para discutir como levar adiante essas reformas e se Petro e Márquez os incentivarão.

Mantendo a independência organizacional em relação ao governo, parece-nos que esse é o caminho pelo qual a esquerda e os setores que surgiram da mobilização de 2021 devem se orientar. Promover novos organismos de poder operário e popular que apoiem as reformas, em um processo que pode ser prolongado no tempo. É claro que essa é uma visão de longe. O que é muito necessário é estabelecer um diálogo entre a vanguarda anticapitalista latino-americana e colombiana para não deixar passar esse momento e decidir como agir para ajudar a avançar o processo em direção a uma ruptura com a alta burguesia dominante do poder econômico. Muito dependerá do fato de a força demonstrada nas ruas fazer mais do que em 2021, se eles despertarem e se organizarem para levar adiante essas reformas e atravessar o Rubicão.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.