Nome Social não é frescura, é identidade

Nome Social não é frescura, é identidade

Estudos comprovam que respeitar o nome escolhido diminui as taxas de suicídio e depressão na comunidade trans. Não o respeitar gera constrangimento, discriminação e violência, além de afetar a saúde mental das pessoas. Por que Osasco não respeita?

Paula Veneroso 7 fev 2024, 18:30

A importância do nome próprio é inquestionável. Ele não só identifica a pessoa, como também a distingue e individualiza diante de outras e perante a sociedade. Assim, é indiscutível que a construção da identidade de todas as pessoas e a percepção de si mesmas passa pelo nome. 

Ser chamado por um nome com o qual você não se identifica, um nome que não te representa, é um verdadeiro martírio. Ocorre que muitas pessoas não se identificam com o nome que consta em sua certidão de nascimento e adotam outro nome. A Constituição Federal de 1988 garante a todo cidadão brasileiro ser chamado pela forma como se identifica, isso porque esta legislação traz à luz o conceito da dignidade do ser humano e o respeito às diferenças.

Para as pessoas que não se identificam com o seu gênero biológico, a identidade fica assegurada pelo direito aonome social. Pesquisa publicada na revista científica The Journal of Adolescent Health comprovou que o respeito ao nome social reafirma, entre os jovens transgêneros, sentimentos de segurança, respeito, identidade e inserção na sociedade. Além disso, reduz os riscos à saúde mental, que são altos nesse grupo social.

Legislação sobre nome social 

Desde 2016 o Brasil tem uma lei federal (nº 8.727/16) que obriga todos os órgãos e as entidades da administração pública a adotar em seus procedimentos o nome social das pessoas trans e travestis. O campo “nome social” deve constar em todos os registros de sistemas de informação, de cadastros, de programas, de serviços, de fichas, de formulários, de prontuários e afins. Anos antes, em 2010, um decreto no Estado de São Paulo (nº 55.588/10) já dispunha sobre o tratamento nominal das pessoas transexuais e travestis nos órgãos públicos do Estado. Em Osasco, a lei é de 2015 (nº 4.710/15), e dispõe sobre a inclusão do nome social de pessoas trans e travestis nos registros municipais relativos a serviços públicos prestados no âmbito da administração direta e indireta. No entanto, a lei municipal só existe no papel.

Por que Osasco não respeita o nome social?

Seja por inaptidão, seja por inércia, Osasco não cumpre a lei do nome social em muitos dos registros públicos. O caso da Secretaria da Cultura é um dos mais gritantes: desde 2022, quando teve início o credenciamento de profissionais de arte e cultura do município, procedimento obrigatório para a contratação de artistas e técnicos para atuar em eventos promovidos pela Secretaria da Cultura, notou-se a ausência do campo “nome social” no formulário.

Mais do que ferir a lei, a ausência do campo limitou ou impediu a inscrição de vários artistas que, por não terem o nome retificado, não puderam se cadastrar com seus nomes sociais. Após algumas solicitações sem sucesso, a AtivOz ingressou com representação no Ministério Público para que a Secretaria da Cultura cumpra a lei. Outras denúncias foram recebidas pelo mandato, informando que o nome social não é respeitado em vários serviços públicos osasquenses, expondo claramente pessoas trans e travestis a constrangimentos constantes.

O covereador Higor Andrade afirma que “não respeitar o nome social é compactuar com esta estrutura machista e lgbtfóbica que faz o Brasil ocupar, pelo 15° ano consecutivo, o lugar de país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo e o que mais violenta pessoas trans e travestis”. A fim de tentar coibir violências dessa natureza, a vereadora Juliana da AtivOz propôs o 15 de maio como Dia da Luta Contra a LGBTfobia, cuja lei (nº 5.266/23) foi aprovada pela Câmara Municipal, passando a vigorar a partir deste ano.

Diferença entre nome social e retificação de nome

O Poupatrans é um coletivo de mulheres trans que propõe ações para garantir o direito de retificação do nome e/ou do gênero em documentos oficiais. No site do coletivo (www.poupatrans.org.br), há o passo a passo do processo de retificação, bem como tutoriais em vídeo e uma cartilha. Há também a explicação sobre a diferença entre nome social e retificação do nome, que reproduzimos a seguir:

Muitas pessoas acham que nome social e retificação de nome são a mesma coisa, mas não são. O nome social é uma política que permite às pessoas trans utilizarem os nomes pelos quais se identificam em diferentes instituições, como escolas (listas de chamadas), serviços de saúde (cartão SUS, prontuários e etc.) e em alguns documentos, como RG. O importante de ressaltar é que o nome social NÃO MUDA o nome escrito na certidão de nascimento, ele apenas permite que o nome de identificação seja utilizado socialmente. Já a retificação de prenome e/ou gênero é o procedimento administrativo que permite a ALTERAÇÃO do nome e/ou gênero nos documentos pessoais, substituindo o nome registrado na Certidão de Nascimento por aquele que a pessoa se identifica. Esse procedimento é realizado através dos cartórios civis desde 2018.


TV Movimento

Lançamento: “A Alemanha da Revolução ao Nazismo: Reflexões para a Atualidade”, de Luciana Genro

O lançamento ocorre na quarta-feira (31), a partir das 19h, com um debate com Luciana Genro e Roberto Robaina. Assista!

ARGENTINA | Trabalhadores gaúchos prestando solidariedade ao povo argentino nas ruas contra Milei!

Diretamente de Buenos Aires, o presidente do Sindimetro/RS, Luis Henrique Chagas e uma delegação de sindicalistas está presente na enorme mobilização contra o governo de extrema direita de Javier Milei

VÍDEO | Cem anos depois, Lenin é atual?

Como parte dos debates sobre o centenário de Lenin, republicamos a entrevista de Breno Altman com o historiador e professor de Relações Internacionais (UFABC) Valter Pomar
Editorial
Israel Dutra | 25 fev 2024

Três bandeiras para enfrentar a extrema direita

Desde nossa localização independente, queremos agitar de forma combinada a solidariedade ao povo palestino, a prisão de Bolsonaro e a exigência de justiça por Marielle e Anderson
Três bandeiras para enfrentar a extrema direita
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 45-46
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Confira a nova edição com o Dossiê - 100 anos da morte de Vladimir Lênin