Ecossocialismo por necessidade
ECOSSOCIALISMO

Ecossocialismo por necessidade

A urgência da luta socialista e ambiental e as tarefas da esquerda brasileira

Theo Louzada Lobato 20 maio 2024, 09:51

Foto: Juntos!

Via Juntos!

Já são mais de 2 milhões de pessoas afetadas pelas chuvas e enchentes no Rio Grande do Sul. Uma tragédia que certamente ficará na história do Estado e do país. No Maranhão, ao mesmo tempo que se desenrola o drama no Sul, mais de mil famílias foram desabrigadas pelo mesmo motivo: chuvas e enchentes tiraram tudo de diversas trabalhadoras e trabalhadores pelo Estado.

A solidariedade a todos os que perderam suas casas ou mesmo familiares está na ordem do dia. As campanhas como tem protagonizado o DCE da UFRGS têm sido exemplos fundamentais de um ativismo real e vivo em um momento onde a realidade é de desamparo. Mas isso não significa que podemos aceitar a narrativa política que “não é hora de buscar culpados.”

Nesse sentido, a figura de Eduardo Leite é simbólica: ao mesmo tempo que tenta se colocar como uma figura de “gestor em tempos de crise” , a sua tentativa de despolitizar a tragédia está ligada a seu próprio histórico. Em 2019, promoveu diversas alterações no código ambiental do Estado, inclusive com a flexibilização da licença ambiental, do desmatamento do pampa e das matas ciliares e ampliando a área passível de cultivo de eucaliptos. Ou seja, sua tentativa de fugir do debate político durante a tragédia está ligada à sua responsabilidade, vindo de um histórico de desmonte ambiental do Rio Grande do Sul, como um representante de uma direita liberal negacionista.

Naturalmente, o que se passa hoje não recai exclusivamente ao governador. De Brumadinho a Altamira, a destruição da vida humana pelas chamadas “tragédias” ambientais, demonstram que as mudanças climáticas já estão definindo os rumos da humanidade e que fazer esse debate não pode ser mais uma pauta secundária ou parcial para a esquerda anticapitalista brasileira e internacional.

Não à toa, o desmatamento da Amazônia, durante o governo Bolsonaro, acendeu um alerta vermelho internacionalmente sobre o que significava a política de morte do então presidente. Sejam as nuvens de fumaça que foram do Norte para o Centro-Oeste e Sudeste brasileiro ou as imagens das áreas desmatadas, esse debate, que as populações originárias já se manifestavam no início do mandato, se tornou um dos principais pontos de oposição à extrema-direita brasileira pela possibilidade de uma irreversibilidade das consequências da sua política de destruição.

A questão é: a destruição ambiental não é conjuntural. O desmatamento e destruição ambiental existiam antes de Bolsonaro e vão seguir existindo dentro de uma lógica capitalista de eterna expansão. O modelo econômico que vivemos se mostra cada dia mais insustentável em todo o mundo: ano passado, por exemplo, os incêndios na Austrália mataram mais de 1 bilhão de animais pelo país, após o fogo ultrapassar metade do tamanho do Reino Unido em área afetada.

.Ou seja, não há como debater a pauta ambiental sem falar do sistema capitalista, mas não existe mais como ignorar na luta política socialista o debate ecológico. É necessário fortalecer uma esquerda ecossocialista no Brasil. Precisa ser entendido como um atraso a falta de debate ou às vezes até contrariedade que organizações social-democratas ou de tradição stalinista possuem sobre pauta ambiental. Argumentos como se fosse um debate “distante dos trabalhadores” ou desconectado com o projeto socialista só expressam o próprio atraso dos que fazem essa elaboração perante uma realidade que já está destruindo vidas em cifras milionárias.

Nossa construção de pauta ecossocialista não é de agora: a fundação do Juntos teve a luta contra Belo Monte e desde então sempre construímos de forma ativa a luta ambiental, entendendo que não é só um debate acadêmico ou individual, mas um dos centros do sistema capitalista e portanto, também da resistência a ele. Agora, porém, é hora de expressar essa luta com o máximo de firmeza possível: se não existe futuro nos moldes do capitalismo expansionista, também precisamos afirmar que não existe projeto de esquerda possível atualmente sem que ele seja centralmente ecossocialista.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.