Joseph Stiglitz e o “capitalismo progressista”
16808449923_637d64645f_b

Joseph Stiglitz e o “capitalismo progressista”

Novo livro do economista liberal é marcado por ilusões sobre o modo de produção capitalista

Michael Roberts 18 maio 2024, 11:12

Foto: Benedikt von Loebell/World Economic Forum

Via The Next Recession

O economista liberal de esquerda e ganhador do prêmio Nobel (Riksbank) Joseph Stiglitz lançou outro livro para proclamar os benefícios do que ele chama de “capitalismo progressista”. The Road to Freedom é uma brincadeira com o título do infame livro de Friedrich Hayek, The Road to Serfdom, publicado em 1944, que afirmava que a intervenção do governo na “liberdade dos mercados” causaria escassez e má alocação de recursos e, por fim, o fim da democracia e da liberdade em uma ditadura à la União Soviética stalinista. John Maynard Keynes expressou sua concordância com Hayek após ler seu livro. Ele escreveu a Hayek que: “Moral e filosoficamente, concordo com praticamente todo o livro; e não apenas concordo com ele, mas concordo profundamente.”

Mas Stiglitz certamente não concorda. Para ele, a afirmação de Hayek de que “mercados livres” significam liberdade para o indivíduo significa, na verdade, “liberdade para os lobos e morte para as ovelhas” (Isaiah Berlin). Os mercados livres são projetados para gerar lucros, não para atender às necessidades sociais de muitos. “As externalidades estão em toda parte”, escreve Stiglitz. “As maiores e mais famosas externalidades negativas são a poluição do ar e a mudança climática, que derivam da liberdade das empresas e dos indivíduos de tomar medidas que criam emissões prejudiciais.” O argumento para restringir essa liberdade, ressalta Stiglitz, é que isso “expandirá a liberdade das pessoas nas gerações posteriores para viver em um planeta habitável sem ter de gastar uma enorme quantidade de dinheiro para se adaptar a mudanças maciças no clima e nos níveis do mar”.

Para Stiglitz, o inimigo da liberdade humana não é o capitalismo em si, mas o “neoliberalismo”, que gerou uma desigualdade crescente, degradação ambiental, o fortalecimento de monopólios corporativos, a crise financeira de 2008 e a ascensão de populistas de direita perigosos como Donald Trump. Esses resultados nefastos não foram ordenados por nenhuma lei da natureza ou lei econômica, diz ele. Em vez disso, foram “uma questão de escolha, um resultado das regras e regulamentações que governaram nossa economia. Elas foram moldadas por décadas de neoliberalismo, e a culpa foi do neoliberalismo”.

Stiglitz já argumentou em livros anteriores que a culpa não é do capitalismo, mas das decisões dos governos e de seus apoiadores corporativos de “mudar as regras do jogo” que existiam no período pós-guerra do capitalismo administrado. As regras foram alteradas para desregulamentar, privatizar, esmagar os sindicatos etc. Mas Stiglitz nunca explica por que a elite dominante achou necessário mudar as regras do jogo. O que aconteceu para transformar as regras do pós-guerra em regras neoliberais?

De qualquer forma, Stiglitz reitera seu apelo para a criação de um “capitalismo progressista”. De acordo com as regras dessa forma de capitalismo, o governo empregaria uma gama completa de políticas tributárias, de gastos e regulatórias para reduzir a desigualdade, controlar o poder das empresas e desenvolver os tipos de capital para as necessidades sociais e não para os lucros, como o “capital humano” (educação), o “capital social” (cooperativas) e o “capital natural” (recursos ambientais).

Stiglitz não quer se livrar do capitalismo, mas regulá-lo, para que ele funcione para muitos (ovelhas) e não para poucos (lobos). “Precisamos de regulamentações ambientais, regulamentações de trânsito, regulamentações de zoneamento, regulamentações financeiras, precisamos de regulamentações em todos os componentes da nossa economia”, escreve ele. Mas Stiglitz ou é ingênuo ou está aplicando um sofisma. A história da regulamentação é uma história de fracasso no controle do capitalismo ou em fazer com que os bancos e as empresas apliquem políticas e investimentos no interesse das pessoas em detrimento do lucro.

Como alguém pode não enxergar isso, depois do colapso financeiro global de 2008, ou dos escândalos financeiros subsequentes em abundância; ou do fracasso em impedir ou regular a produção e o financiamento de combustíveis fósseis? A regulamentação não impediu as crises regulares e recorrentes de produção sob o capitalismo, seja na imaginada “era progressista” de 1945-75 ou na era neoliberal desde então. Stiglitz não tem nada a dizer sobre isso.

Na verdade, ele quase reconhece que suas propostas de políticas para taxar os ricos, regular as finanças e o meio ambiente e aumentar os gastos públicos para alcançar o capitalismo progressivo provavelmente não serão adotadas pelos governos e pelas grandes empresas. Mas quando lhe perguntaram se, talvez, a única alternativa real para alcançar a liberdade humana seja uma transformação revolucionária da economia e da sociedade, ele respondeu, em uma apresentação de seu livro na LSE, que as revoluções são violentas e arriscadas e, portanto, devem ser evitadas em favor de mudanças graduais.

Sua resposta me lembra o comentário de Geoff Mann em seu excelente livro, In the Long Run We are all Dead, “a esquerda quer democracia sem populismo, quer política transformacional sem os riscos da transformação; quer revolução sem revolucionários”. (p21). Stiglitz realmente faz eco a Keynes, que disse certa vez: “Na maioria das vezes, acho que o capitalismo, administrado com sabedoria, provavelmente pode se tornar mais eficiente para atingir os fins econômicos do que qualquer sistema alternativo que ainda esteja à vista, mas que, por si só, ele é, em muitos aspectos, extremamente questionável. Nosso problema é elaborar uma organização social que seja tão eficiente quanto possível sem ofender nossas noções de um modo de vida satisfatório.”

Como a regulamentação e mais igualdade lidariam com o desastre iminente que é o aquecimento global, à medida que o capitalismo se acumula vorazmente sem qualquer consideração pelos recursos e pela viabilidade do planeta? Os programas de redistribuição pouco contribuirão para isso. E se uma economia se tornar mais igualitária, isso impediria futuras quedas sob o capitalismo ou futuras Grandes Recessões? Economias mais igualitárias no passado não evitaram essas quedas. O capitalismo progressista é um oximoro no século XXI. E até mesmo Stiglitz duvida que seja possível alcançá-lo.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.